DIALOGISMO NA REINVENÇÃO DO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

Ana Maria de CAMPOS, Dulcinéia de Fátima FERREIRA

Resumo


Apresentamos este estudo como um convite para um diálogo sobre a reinvenção do currículo na Educação de Jovens e Adultos. O tema em apreço busca evidenciar sua não neutralidade, bem como a relação incontornável com campos de disputa manifestos na sociedade contemporânea. Afirma a existência de uma conexão entre currículo, poder, subjetividade e a constituição da identidade. Em face desta compreensão convida os sujeitos que atuam nesse campo a um trabalho de reinvenção das práticas relacionadas à produção do currículo na EJA, tendo em vista a necessidade premente de superação do modelo tradicional. Indicadores sociais, sobretudo os relativos à educação da população das camadas subalternas da sociedade, evidenciam a indispensável tarefa de rever práticas arraigadas em favor da criação de um currículo que esteja a serviço da vida, da emancipação social, da equidade no trato com os diferentes grupos geracionais demandantes da educação de jovens e adultos em nosso país.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; currículo; emancipação social

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Arnaldo; TATIT, Paulo. O seu olhar. Intérprete: Arnaldo Antunes. In: ANTUNES, Arnaldo. Ninguém. Rio de Janeiro: Sony BMG, 1994. 1 CD. Faixa 9.

BARRETO, José Carlos. Um sonho que não serve ao sonhador. In: Construção coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos. Brasília: UNESCO, MEC, RAAAB, 2005. p. 63- 68.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). A questão política da Educação Popular. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. Educação Popular. São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. A pergunta a várias mãos: a experiência da pesquisa no trabalho do educador. São Paulo: Cortez, 2003.

CAMPOS, Ana Maria de. Diálogos com quem ousa educar, educando-se - a formação de educadores a partir de uma experiência de educação popular. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

CAMPOS, Ana Maria de; PACHANE, Graziela Giusti. Diálogos com quem ousa educar, educando-se: a formação de educadores a partir de uma experiência de Educação Popular. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 03, p. 217-235, set/dez 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

CAMPOS, Ana Maria de. Histórias contidas e nem sempre contadas na formação de jovens e adultos. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

CARTA CAPITAL. Brasil está entre os dez países que concentram a maior parte do número de analfabetos. Carta Capital, 29 jan. Página Inicial / Educação, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

COSTA, Marisa Vorraber (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

DIAS, Romualdo. Projeto LETRAVIVA. Campinas: Secretaria Municipal de Educação, 2004.

______. Educação de Jovens e Adultos: novas perspectivas. Curitiba: Appris, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

______. Educação: o sonho possível. In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). O educador: vida e morte. 9. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989, p. 89-101.

______. Extensão ou comunicação? Tradução Rosiska Darcy de Oliveira. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Política e educação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000a.

______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000b.

______. Educação como prática da liberdade. 26. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que fazer: teoria e prática em Educação Popular. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

GARCIA, Pedro Benjamim. Educação Popular: algumas reflexões em torno da questão do saber. In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). A questão política da Educação Popular. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 88-121.

GARCIA, Pedro. Uma experiência de formação de leitores, com camadas populares, através de rodas de leitura. In: RIBEIRO, Vera Masagão. (Org.) Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas: Mercado de Letras: ALB; São Paulo: Ação Educativa, 2001. p. 81-87.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

GRANVILLE, Maria Antônia (Org.). Currículos, sistemas de avaliação e práticas educativas: da escola básica à universidade. Campinas: Papirus, 2011.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: GERALDI, Corinta Maria Grisolia et al. (Orgs.). Escola viva: elementos para a construção de uma educação de qualidade social. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 113-13

MOREIRA, Antônio Flávio. A crise da teoria curricular crítica. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 11-36.

NASCIMENTO, Milton; BRANT, Fernando. Coração Civil. Intérprete: Milton Nascimento. In: NASCIMENTO, Milton. Caçador de Mim. Rio de Janeiro: Philips, 1981. 1 Disco Sonoro. Lado B, faixa 4.

NASCIMENTO, Milton; TISO, Wagner. Coração de estudante. In: NASCIMENTO, Milton.

Milton Nascimento ao vivo. São Paulo: Barcley, 1983. 1 Disco Sonoro. Lado 1, faixa 1.

NASCIMENTO, Milton; BRANT, Fernando. Bola de meia, bola de gude. Intérprete: Milton Nascimento. In: NASCIMENTO, Milton. Miltons. Rio de Janeiro: CBS, 1988. 1 disco sonoro. Lado 2, faixa 4.

PEREIRA, Dulcinéia de Fátima Ferreira. Educação popular: uma experiência no cenário dos anos 90. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

PEREIRA, Dulcinéia de Fátima Ferreira. Revisitar Paulo Freire: uma possibilidade de reencantar a educação. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

PINTO, Álvaro Vieira. Sete lições sobre educação de adultos. 7. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1991.

RESTREPO, Luiz Carlos. O direito à ternura. Petrópolis: Vozes, 2000.

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir. Cadernos de Subjetividade: revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUC, São Paulo, v.1, n.2, p. 241- 251, set. /fev. 1993. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, Luis Heron da (Org.). Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996.

SILVA, Tomás Tadeu. O que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

______. Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOARES, Leôncio José Gomes; SILVA, Fernanda Rodrigues; SOARES, Rafaela Carla e Silva. Educação de jovens e adultos e propostas curriculares: (re)conhecer especificidades dos sujeitos. In: 37ª Reunião Nacional da ANPEd, 2015, Florianópolis.

Anais eletrônicos da 37ª Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis, 2015. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2017.

UNESCO – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos. EFA Global Monitoring Report. Paris, n. 11, 2014. 56 p.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i1p145-167

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais