A QUESTÃO AMBIENTAL A PARTIR DOS “SEM DIREITOS”: UMA LEITURA EM ENRIQUE DUSSEL

César Augusto Costa, Carlos Frederico Loureiro

Resumo


O ensaio aborda as contribuições do filósofo Enrique Dussel para a questão ambiental e o processo de lutas na América Latina na perspectiva dos “sem direitos” do ponto de vista epistêmico e político. Objetiva compreender a proposta política de Dussel acerca da realidade das lutas ambientais vinculadas ao processo de expropriação social em três momentos. No primeiro, refletiremos a origem do sistema-mundo moderno-colonial e as implicações deste processo histórico para a questão ambiental. No segundo, analisaremos a relação entre a questão ambiental, as lutas sociais e seu processo de expropriações na América Latina. Ao final, examinaremos como se insere a questão ambiental no debate político e ampliado das lutas sociais à luz da filosofia de Enrique Dussel, visualizando a historicidade das vítimas do sistema-mundo ou “sem direitos” expropriados pela matriz eurocêntrica e excludente.

Palavras-chave


América Latina; Enrique Dussel; Lutas sociais; Questão ambiental; Sem direitos.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos avançados, n. 24, (68), 2010. p. 103-119.

AYMA, Evo Morales. Prólogo. In: FARAH, Ivone; VASAPOLLO, Luciano (Coords). Vivir bien: ¿Paradigma no capitalista? Bolívia: Plural editores, 2011. p. 9-10

ALONSO, Tomás. E. Dussel: filosofía de la liberación y diálogo intercultural. Daímon. Revista Internacional de Filosofía, nº 47, 2009, p. 107-122.

ASSIS, Wendell. Do Colonialismo à Colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 613-627, Set./Dez. 2014. p.613-627.

COSTA, César Augusto; LOUREIRO, Carlos Frederico. Educação ambiental crítica: uma leitura ancorada em Enrique Dussel e Paulo Freire. Mato Grosso, Revista Geoaraguaia, v. 2, p. 1-17, 2013.

______. A Natureza como “princípio material” de libertação: referencias para a questão ambiental a partir de Enrique Dussel. Campinas, Educação Temática Digital, v. 17, n,2, 2015. p. 289-307.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da Libertação na América Latina. 2 ed. São Paulo: Loyola, 1980.

______. 1492 – o encobrimento do Outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

______. Ética da Libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

_______. Materialis para una política de la liberación. México: Universid Autónoma de Nuevo León, Plaza y Valdés Editores, 2007a.

_______. 20 Teses de Política. São Paulo: Expressão popular, 2007b.

DUSSEL, Enrique. La cuestión ecológica en Marx. In: MARTINEZ, Leonardo Montenegro (ed.). Cultura y Naturaleza. 1 ed. Bogotá: Jardín Botánico de Bogotá, José Celestino Mutis, 2011. p. 227-238.

______. A Produção teórica de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

______. Agenda para um diálogo Inter-filosófico Sul-Sul. Revista Filosofazer. Passo Fundo, n. 41, jul./dez. 2012b, p. 11-30.

______. Principio material normativo y crítico de la economia. In: DUSSEL. E. 16 Tesis de Economía Política: uma interpretación filosófica. México: Editorial siglo XXI, 2014. p. 1-22

______. Direitos Humanos e Ética da Libertação: pretensão política de justiça e a luta pelo reconhecimento dos novos direitos. Revista InSURgência, Brasília, ano 1, v.1, n.1,| jan./jun. 2015. p. 121-136.

______. Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril 2016, p. 51-73.

FARAH, Ivone; VASAPOLLO, Luciano (Coords). Vivir bien: ¿Paradigma no capitalista? Bolívia: Plural editores, 2011.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. São Paulo: Global, 2008.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

FONTES, Virgínia. Capitalismo, imperialismo, movimentos sociais e lutas de classes. Rio de Janeiro, Revista em Pauta, n. 21, 2008, p. 21-36.

GONÇALVES, R. Desenvolvimento às avessas. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

GROSFOGUEL, Ramón. Del «extractivismo económico» al «extractivismo epistémico» y al «extractivismo ontológico»: una forma Destructiva De conocer, ser y estar en el mundo. Tabula Rasa. Bogotá, Colombia, No.24: 123-143, enero-junio 2016, p. 123-140.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

JUNIOR, Antonio Teixeira Lima. Expropriações na América Latina: as novas configurações da divisão internacional do trabalho. s/d. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2016.

LEHER, Roberto. Educação Ambiental como crítica ao desenvolvimento sustentável: desafios dos movimentos e das lutas sociais. In: LOUREIRO, Carlos Frederico; LAMOSA, Rodrigo (Orgs.). Educação Ambiental no contexto escolar. Rio de Janeiro: Quartet/CNPq, 2015. p. 15-34.

LEHER, Roberto. Iniciativa para a Integração da Infra-estrutura Regional da América Latina, Plano de Aceleração do Crescimento e a questão ambiental: desafios epistêmicos. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B. (Org.). A Questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007. p. 223-255.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Mundialização do capital, sustentabilidade democrática e Políticas Públicas: Problematizando os caminhos da educação ambiental. Rio Grande, Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. v. 22, 2009, p. 1-11.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Desafio ambiental: os porquês da desordem mundial. Rio de Janeiro: Record, 2004.

______. A Globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2015.

______. De Envolvimento, Meio Ambiente e Interesse Público. Rio de Janeiro: 2015. p. 1-7. (Digitado).

______. Pela vida, pela dignidade e pelo território: um novo léxico teórico político desde as lutas sociais na América Latina/Abya Yala/Quilombola. Ciencias sociales: desafíos y perspectivas, n. 41, 2015. p. 1-10.

______; QUENTAL, Pedro. Colonialidade do poder e os desafios da integração regional na América Latina. Polis, 31, Dezembro de 2012, p. 1-28.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. In: Anuário Mariateguiano. Lima: Amatua, v. 9, n. 9, 1997.

______. Don Quijote y los molinos de viento en América Latina. Revista Electrónica de Estudios Latinoamericanos, Buenos Aires, v. 4, n. 14, enero/marzo, 2005.

SEOANE, J; TADDEI, E; ALGRANATI, C; Recolonización, buens comunes de la naturaleza y alternativa desde los pueblos. Rio de Janeiro: IBASE, 2010.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i2p673-698

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais