DOIS MODOS DE TRATAMENTO DA HETEROGENEIDADE LINGUÍSTICA NO BRASIL EM DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA CURRICULAR

Emerson de Pietri

Resumo


Observam-se, em documentos oficiais de referência curricular para o ensino de língua portuguesa na escola básica brasileira, proposições para o tratamento pedagógico da heterogeneidade linguística em contexto de ensino. Os documentos que compõem o corpus foram produzidos e publicados em momentos distintos da história recente do país, nas décadas de 1980 e 1990, e são representativos de formações discursivas concorrentes em suas bases sociais, econômicas, políticas e ideológicas. A produção e análise dos dados se fundamentaram em conceitos desenvolvidos pelos estudos discursivos de linha francesa e caracterizaram os processos de tradução, de um dos discursos em concorrência para o outro, de conceitos e concepções de língua, de sujeito e de ensino. Os resultados evidenciam que a desigualdade na distribuição de bens linguísticos, e de suas implicações para as práticas de ensino que se orientem por princípios de justiça social, é afirmada ou denegada em decorrência do valor que se atribui à historicidade em um e em outro dos discursos analisados.


Palavras-chave


Heterogeneidade linguística; Currículo; Ensino de Português; Discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovanni. Trabalho e desigualdade social na reestruturação capitalista: um balanço da “década neoliberal” no Brasil. Revista de Políticas Públicas, São Luis, v. 7, n. 2, jul./dez, 2003, pp. 7-38.

PARÍCIO, Ana Silvia M. As propostas de inovação do ensino de gramática em textos oficiais. In: Anais do VI Congresso Internacional da Abralin. João Pessoa, 2009, pp. 331-339.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Os primeiros tempos da pesquisa em sociologia da educação na USP. Educação e Pesquisa. vol. 39, n.3, 2013, pp. 589-607.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004a.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998a.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998b.

BRASIL. MEC. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCNs+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 2002.

BRASIL. MEC. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. v. 1. Linguagens Códigos e suas Tecnologias. Brasília, 2006.

CHAUÍ, Marilena. Uma nova classe trabalhadora. In: SADER, Emir (org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 2013.

CORRÊA, Manoel. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CORRÊA, Manoel L. G. Bases teóricas para o ensino da escrita. Linguagem em (Dis)curso, v. 13, n. 3, maio, 2014, pp. 481-513.

DUFOUR, Dany-Robert. A arte de reduzir as cabeças: sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.

FRANCHI, Eglê P. Pedagogia da alfabetização: da oralidade à escrita. 3. ed. São Paulo: Cortes, 1991.

FREITAS, Marcos Cezar de. Desempenho e adaptação da criança pobre à escola: o padrão de pesquisa do CRPE-SP. Educação e Pesquisa. [online]. v.40, n. 3, 2014, pp. 683-698. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v40n3/en_07.pdf. Acesso em: 16 mar. 2015.

GERALDI, Corinta. M. G.; GERALDI, João Wanderley. A domesticação dos agentes educativos: há alguma luz no fim do túnel. Revista Inter-Ação, v. 37, n. 1, 2012, pp. 37-50.

GERALDI, João Wanderley. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GERALDI, João Wanderley. Convívio paradoxal com o ensino da leitura e escrita. Caderno de Estudos Linguísticos. v. 31, Jul./Dez., 1996, pp. 127-143.

GERALDI, João Wanderley; SILVA, Lílian Lílian M. ;FIAD, Raquel S. Linguística, Ensino de Língua Materna e Formação de Professores. D.E.L.T.A., v. 12, n, 2, 1996, pp. 307-326.

GUEDES, Marilde Q. Parâmetros Curriculares Nacionais ou o currículo oficial? Revista Inter-Ação, v. 27, n. 2, 2002, pp. 85-99.

LEMLE, Miriam. Guia teórico do alfabetizador. São Paulo: Ática, 1998.

LUCCHESI, Dante. Língua e sociedade partidas: a polarização sociolinguística no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005.

MARINHO, Marildes. A oficialização de novas concepções para o ensino de Português. Orientador: Sírio Possenti. 2001. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

MARINHO, Marildes. Currículos da escola brasileira: elementos para uma análise discursiva. Revista Portuguesa de Educação, v. 20, n. 1, 2007, pp. 163-189.

MARTINS, Carla Macedo. Para uma crítica da economia linguística: o apagamento da ontologia social da língua e do sujeito-falante a partir de Locke. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, SC, v. 12, n. 2, maio/ago. 2012, p. 595-621.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização: São Paulo - 1876/1994. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

NOGUEIRA, Rodrigo Hisgail. Desindustrialização abismo abaixo: dependência cambial e abandono das políticas de competitividade no Brasil. In: LACERDA, Antonio Corrêa de (org.). Desenvolvimento brasileiro em debate. São Paulo: Blucher, 2017.

PESIRANI, Mariana M. A. A constituição do discurso construtivista em documentos oficiais de referência curricular para a alfabetização produzidos nas décadas de 1980 e 1990. Orientador: Emerson de Pietri. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização (Do pensamento único à consciência universal). São Paulo: Record, 2000.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Alfabetização em classes populares: didática do nível pré-silábico. São Paulo: SE/CENP, 1985.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa: 1º grau. São Paulo: SE/CENP, 2. ed., 1988a.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Isto se aprende com o Ciclo Básico. São Paulo: SE/CENP, 1988b.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Ciclo Básico. São Paulo: SE/CENP, 1990a.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Ciclo Básico em jornada única: uma nova concepção do trabalho pedagógico, volumes I e II, São Paulo: SE/CENP, 1990b.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Organização de Charles Bally e Albert Sechehaye com a colaboração de Albert Riedlinger. Trad. de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 24. ed. São Paulo: Pensamento-Cultrix, 2002.

SOARES, Magda B. Aprendizagem da Língua Materna: Problemas e Perspectivas. Em Aberto. Brasília: ano 2, n. 12, janeiro, 1983, pp. 1-14.

SOARES, Magda B. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.

VOLOSHINOV, Valentin N. [BAKHTIN, Mikhail.]. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi. São Paulo: HUCITEC, 1979.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i3p1349-1372

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais