AUTONOMIA CURRICULAR NA VOZ DOCENTE: SIGNIFICAÇÕES POLÍTICAS

Ângela Cristina Alves Albino

Resumo


 

A autonomia é uma palavra-chave no texto das políticas educacionais das últimas décadas e assume uma multiplicidade de sentidos que atende, desde os fundamentos que definem os modelos de gestão democrática até os princípios de orientação curricular. Percebe-se, no entanto que, na efusão discursiva, há também silenciamentos. Assim, o presente estudo busca analisar e contemplar a voz docente na significação da autonomia, ancorada a um momento de decisão curricular importante, qual seja, o projeto político-pedagógico. Para subsidiar as análises optei por trabalhar com a ACD – Análise Crítica do Discurso por compreender que, as questões sociais têm um caráter parcialmente linguístico discursivo. Tal processo de análise do discurso está centrado numa perspectiva dialética moldado pela estrutura social, bem como constitutivo dessa estrutura. O discurso significa e produz significados, e muitas vezes esses sentidos são demasiadamente naturalizados e/ou “enevoados”. O estudo infere que, autonomia no contexto docente, assume uma multiplicidade discursiva que não significa apenas liberdade para fazer algo, mas ainda um ideal a ser alcançado que está ancorado à formação docente para que seja possível (re) significar tal prática como ato profissional político. Assim, a autonomia foi entendida como requisito político relacional que extrapola as instâncias de regulamentação institucional e, isso torna-se relevante, para alimentar a crença na possibilidade de configurá-la numa perspectiva de luta e movimento emancipatório, nos instantes de proposição curricular da escola.

 



 


Palavras-chave


Autonomia; Currículo; Docente.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Congresso Nacional, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Plano Decenal de Educação Para

Todos. Brasília: MEC, 1993a. (versão acrescida).

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Plano Decenal de Educação Para Todos, Brasília: MEC, 1993b. (primeira versão para debate).

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9/1/2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: Inep, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CASTORIADIS, Cornelis. A Instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2004.

CONAE - Conferência Nacional de Educação 2014. O PNE na articulação do sistema nacional de educação. Documento – referência. Brasília, DF: Fórum Nacional de Educação, 2013.

CONAE - Conferência Nacional de Educação 2014. Ministério da Educação (MEC). Conae 2014 – o PNE na articulação do sistema nacional de educação. 2014. Disponível em: http://conae2014.mec.gov.br/. Acesso em: 21 jun. 2019.

CONTRERAS, José. A Autonomia de professores. Trad.: Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

DALE, Roger; ROBERTSON, Susan. Pesquisar a educação em uma era globalizante. Educação e Realidade, p. 347-363, 2011.

DALE, Roger. A globalização e o desenho do terreno curricular. In: PEREIRA, Maria Zuleide da Costa; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa; PORTO, Rita de Cássia Cavalcanti (Orgs.). Globalização, interculturalidade e currículo na cena escolar. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009. p. 54-72.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”. Educação & Sociedade, v. 25, n. 87, p. 423-460, 2004.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da libertação: crítica à ideologia da exclusão. São Paulo: Paulus, 2005.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Coordenação de tradução: Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universitária de Brasília, 2001.

FREIRE, Paulo. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática de Liberdade. 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992a.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992b.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra,1996.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá (Coords.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GOODSON, Ivor F. Currículo: Teoria e História. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOODSON, Ivor F. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, v. 12, nº 35, p. 241-252, maio/ago. 2007.

GOODSON, Ivor F. As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Petrópolis: Vozes, 2008.

LIMA, Licínio. Políticas educacionais, organização escolar e trabalho dos professores. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 21, nº 38, p. 8-26, out./dez. 2011. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao. Acesso em: 05 out. 2019.

MARTINS, Angela Maria. Autonomia da escola: a (ex)tensão do tema nas políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2002.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1998.

PEREIRA, Maria. Zuleide da Costa Globalização e Políticas Curriculares: mudanças nas práticas. In: PACHECO, José Augusto; MORGADO, José Carlos; MOREIRA, Antônio Flávio (Orgs.). Globalização e (Des)Igualdades: Desafios Contemporâneos. Porto: Porto Editora, 2007. p. 18-32.

POPKEWITZ, Thomas. Reforma educacional: uma política sociológica. Poder e conhecimento em educação. Trad.: Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

POPKEWITZ, Thomas; LINDBLAD, S. Estatísticas educacionais como um sistema de razão: relações entre governo da educação e inclusão e exclusão sociais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, nº 75, p. 111-148, ago. 2001.

POPKEWITZ, Thomas. A História do Currículo, Regulação Social e Poder. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 173-210.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides.; ZITKOSKI, Jaime José (Orgs.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i3p1381-1402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais