ANÁLISE DOS ELEMENTOS CURRICULARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO: FORMAÇÃO DOCENTE EM FOCO

Elisa Antonia Ribeiro, Olenir Maria Mendes

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar os limites e as possibilidades de formação do currículo do curso de Licenciatura em Computação de um Instituto Federal e a relação com as políticas públicas de formação de professores. Buscou-se responder quais são as determinações expressas nas Diretrizes Curriculares Nacionais e no Projeto Pedagógico, quando se trata de orientar a construção dos elementos ensino-aprendizagem-avaliação. Para tanto, realizou-se o estudo comparativo entre a legislação oficial, o Projeto Pedagógico e os 15 planos de ensino das disciplinas que compõem os núcleos formação geral e pedagógico. A pesquisa baseou-se na (re)leitura de Mainardes (2006), sobre o ciclo de políticas - contextos da influência, produção de textos e prática, e nas pesquisas sobre análise de projetos pedagógicos e planos de ensino, pois esse referencial permite observar os objetivos, as diretrizes e os elementos didáticos da ação docente, de modo a assegurar a identificação do caráter de ambivalência que as políticas curriculares tendem a promover. As reflexões produzidas assinalam para um direcionamento investigativo que se torna necessário e urgente em duas dimensões articuladas: o posicionamento das instituições em relação aos cursos de licenciatura e aos professores formadores que neles atuam e ao desenvolvimento de pesquisas relacionadas à prática desses professores. Propõe-se que os planos de ensino construídos coletivamente, aplicados e cumpridos, à luz dos saberes e dos conhecimentos interdisciplinares, dirigidos às questões ligadas ao campo da prática profissional, seus fundamentos metodológicos e suas formas de trabalhar em sala de aula devem refletir a intencionalidade da ação pedagógica.


Palavras-chave


Diretrizes nacionais e institucionalização; Currículo; Professores formadores; Licenciatura em Computação.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, Stephen J.; BOWE, Richard. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BORDAS, Merion Campos. Avaliação da implantação das diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores nos cursos de licenciatura. Documento B: Projeto 914BRA1123 – CNE – Políticas Educacionais: Subsídio à Formulação e Avaliação de Políticas Educacionais Brasileiras. Brasília:CNE, 2009.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 67, p. 31-32, 9 abr. 2002.

BRASIL. Lei Nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 253, p. 1., 30 dez. 2008.

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 216, p. 8, 12 nov. 2009.

BRASIL. Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 120-A, edição extra, p. 1-7, 26 jun. 2014.

BRASIL. Parecer CNE/CP Nº 2, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, CNE, [2015b]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&category_slug=junho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: Ministério da Educação, CNE, [2015a]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. Resolução Nº 5, de 16 de novembro de 2016. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação na área da Computação, abrangendo os cursos de bacharelado em Ciência da Computação, em Sistemas de Informação, em Engenharia de Computação, em Engenharia de Software e de licenciatura em Computação, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação, CNE, [2016]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=52101-rces005-16-pdf&category_slug=novembro-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 18 set. 2018.

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. Tradução Sandra Trabuco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 299-324, 2015.

FAZENDA, Ivani Catarian Arantes (Org.). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? São Paulo: Loyola, 1987.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 136-167, set. 2002.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. PNE e formação de professores: contradições e desafios. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-446, jul./dez. 2014.

GATTI, Bernardete Angelina. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-70, abr. 2008.

GATTI, Bernardete Angelina. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, dez. 2010.

GATTI, Bernardete Angelina. Cursos de Licenciatura e os professores formadores: uma discussão. In: PASSOS, Laurizete Ferragut (Org.). Formação de formadores e cursos de Licenciatura: contextos, práticas e pesquisas. São Paulo: Pontes Editores, 2018. p. 17-37.

GIMENO SACRISTÁN, José. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

IFTM. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Resolução ad referendum nº 34, de 2 de maio de 2017. Dispõe sobre a revisão/atualização do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – Campus Uberlândia Centro – 2017/1. Uberaba: Serviço Público Federal, MEC, IFTM, [2017a]. Disponível em: http://www.iftm.edu.br/conselho-superior/resolucoes/. Acesso em: 18 set. 2018.

IFTM. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Resolução nº 34/2017, de 24 de agosto de 2017. Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº 34/2017, que versa sobre a revisão/atualização do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – Campus Uberlândia Centro – 2017/1. Uberaba: Serviço Público Federal, MEC, IFTM, [2017b]. Disponível em: http://www.iftm.edu.br/conselho-superior/resolucoes/. Acesso em: 18 set. 2018.

IFTM. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação. Uberlândia, 2017c. Disponível em: http://www.iftm.edu.br/uberlandiacentro/cursos/graduacao-presencial/licenciatura-em-computacao/ppc/. Acesso em: 18 set. 2018.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas , v. 27, n. 94, p. 47-69, abr. 2006.

MORGADO, José Carlos. Currículo e Profissionalidade Docente. Porto: Porto Editora, 2005.

PAPI, Silmara de Oliveira Gomes; MARTINS, Pura Lúcia Oliver. As pesquisas sobre professores iniciantes: algumas aproximações. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 39-56. dez. 2010.

PASSOS, Laurizete Ferragut. O trabalho do professor formador e contexto institucional: desafios e contribuições para o debate. Educação & Linguagem, São Paulo, v. 15, p. 99-116. 2007.

PASSOS, Laurizete Ferragut. Os professores formadores dos cursos de Licenciatura e o papel do contexto institucional. In: PASSOS, Laurizete Ferragut (Org.). Formação de formadores e cursos de Licenciatura: contextos, práticas e pesquisas. São Paulo: Pontes Editores, 2018. p. 89-106.

SBC. Sociedade Brasileira de Computação. Currículo de referência para cursos de Licenciatura em Computação. Porto Alegre, 2002. Disponível em: http://www.sbc.org.br/documentos-da-sbc/summary/131-curriculos-de-referencia/763-curriculo-de-referencia-lic-versao-2002. Acesso em: 9 set. 2018.

SILVEIRA, Zuleide. Ações e recomendações do Banco Mundial a Portugal e ao Brasil, na condição de partido político, em torno da internacionalização da educação e do conhecimento. Educação Pública. Rio de Janeiro: Cecierj, jul. 12. Disponível em: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/educacao/0334_04.html. Acesso em: 20 jun. 2018.

SOUZA, Selma Rodrigues de. A formação docente em uma proposta invodora: um estudo na formação inicial de professores da Educação Básica. 2016. Orientadora: Laurizete Ferragut Passos. Dissertação (Mestrado em Educação: Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i1p262-282

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais