DA CAÇA ÀS BRUXAS AO FEMINICÍDIO: COMO A EDUCAÇÃO PODE CONTRIBUIR COM ESTA QUESTÃO?

Viviane Martins Vital Ferraz, Fernanda Monteiro Rigue, Cádia Carolina Morosetti Ferreira, Rosane Carneiro Sarturi

Resumo


Este estudo foi desenvolvido a partir do aumento da violência contra as mulheres, nomeada como “feminicídio”, e da temática da “igualdade de gênero”, tendo como cenário desencadeador a supressão do termo “gênero” em documentos relevantes como o Plano Nacional de Educação (PNE) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O objetivo foi compreender como a educação pode contribuir com a formação humana a partir das questões de “igualdade de gênero”, das relações entre “misoginia e machismo”, em busca de reduzir o número de feminicídios, além de compreender o impacto curricular da supressão do termo “gênero” na formação integral dos educandos e a materialização da retomada do pensamento conservador no campo educacional. Pautou-se em uma revisão bibliográfica de caráter qualitativo, entrelaçado às Políticas Públicas que versam sobre os direitos da mulher e o aporte teórico sobre a violência de gênero: Brasil (1988, 2015a, 2015b); Cerqueira et al. (2018); Saffioti (2004); Federici (2017); Martins (2013); Perrot (2005). O aumento das mortes de mulheres enquadradas na tipificação feminicídio aponta existir uma relação com a condição de gênero. Observou-se que o corpo feminino foi socialmente construído para ser dominado pelo masculino. Embasada pelos Direitos Humanos e a eliminação de toda forma de discriminação contra a mulher, reconhece-se que a construção de projetos pedagógicos, em parceria com as famílias, seja uma forma de enfrentamento, principalmente ao promover uma reflexão-ação sobre como educar os meninos e as meninas para o respeito às diferenças.


Palavras-chave


Igualdade de gênero; Feminicídio; Políticas públicas; Práxis pedagógicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ALMEIDA, Flávia Leme de. Mulheres recipientes: recortes poéticos do universo feminino nas artes visuais. São Paulo: Cultura acadêmica, 2010. Disponível em: http://www.santoandre.sp.gov.br/pesquisa/ebooks/364787.pdf. Acesso em: 9 set. 2018.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH). Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, em 10 de dezembro de 1948, por meio da Resolução 217 A (III). 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher. Adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas na Resolução 34/180, de 18 de dezembro de 1979. 1979. Disponível em: http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/discrimulher.htm. Acesso em: 7 set. 2018.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração sobre a eliminação da violência contra as mulheres. Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas na resolução 48/104, de 20 de dezembro de 1993. 1993. Disponível em: https://popdesenvolvimento.org/publicacoes/temas/descarregar- ficheiro.html?path=4%29+Direitos+Humanos%2Fc%29+G%C3%A9nero%2FDeclara%C3% A7%C3%A3o+Sobre+A+Elimina%C3%A7%C3%A3o+Da+Viol%C3%AAncia+Contra+As

+Mulheres.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

AUAD, Daniela. Educar meninos e meninas: relações de gêneros na escola. São Paulo: Contexto, 2006.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [2006]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- 2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 7 set. 2018.

BRASIL. GÊNERO e diversidade na escola: formação de professoras/es em Gênero, Orientação Sexual e Relações Étnico-Raciais. Livro de conteúdo. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília: SPM, 2009. Disponível em: http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2014/ig/pdf/genero_diversidade_escola_2009.pdf.

Acesso em: 8 set. 2018.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Caderno de Educação em Direitos Humanos. Educação em Direitos Humanos. Diretrizes Nacionais. Brasília: Coordenação Geral de Educação em SDH/PR, Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=32131- educacao-dh-diretrizesnacionais-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 7 set. 2018.

BRASIL. Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 120-A, edição extra, p. 1-7, 26 jun. 2014.

BRASIL. Senado Federal. Instituto de Pesquisa DataSenado, Observatório da Mulher contra a violência. Violência doméstica e familiar contra a mulher 2015. Ago. 2015a. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/arquivos/2015/08/10/violencia-domestica-e- familiar-contra-a-mulher. Acesso em: 7 set. 2018.

BRASIL. Lei Nº 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei no 2.848, de

de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 46, p. 1, 10 mar. 2015b.

BRASIL. Senado Federal. Instituto de Pesquisa DataSenado, Observatório da Mulher contra a violência. Violência doméstica e familiar contra a mulher 2017. Jun. 2017a. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/aumenta-numero-de- mulheres-que-declaram-ter-sofrido-violencia. Acesso em: 7 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é base. Homologada em 20 de dezembro de 2017. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017b. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp- content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. O poder judiciário na aplicação da Lei Maria da Penha. Brasília: CNJ, 2017c. Disponível em: https://assets-dossies-ipg- v2.nyc3.digitaloceanspaces.com/sites/3/2018/04/CNJ_PoderJudiciarioLMP_2017.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

CAVALCANTI, Hylda. Feminicídio cresce no país, apesar de aumento de ações no judiciário. Violência de Gênero. Rede Brasil Atual, 2018. Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2018/06/feminicidio-avanca-no-pais-e-cresce- 15-5-em-uma-decada-apesar-do-aumento-de-acoes-no-judiciario. Acesso em: 7 set. 2018.

CERQUEIRA, Daniel et al. Atlas da Violência 2018 Ipea e FSBP. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). 2018.

Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/170609_atlas_da_violencia_2017.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

DEL PRIORI, Mary Lucy Murray (Org.). História das mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004. Disponível em: https://democraciadireitoegenero.files.wordpress.com/2016/07/del-priore-histc3b3ria-das- mulheres-no-brasil.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e a acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017. Disponível em: http://coletivosycorax.org/wp- content/uploads/2016/08/CALIBA_E_A_BRUXA_WEB.pdf. Acesso em: 8 set. 2018.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Malleus Maleficarum (1487). Tradução Paulo Fróes. Rio de Janeiro: Le livros, 2015. E-book. Disponível em: http://www.armazem3bruxas.com.br/images/ebooks/O-Martelo-das-Feiticeiras-Heinrich- Kramer.pdf. Acesso em: 8 set. 2018.

MARTINS, Alcina Manuela de Oliveira. O corpo feminino na Idade Média: um lugar de tentações. In: BRÁS, José Vargas; GONÇALVES, Maria Neves (Orgs.). O corpo-Memória e Identidade. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2013. p. 103-116.

MENA, Fernanda. Um terço dos brasileiros culpam mulheres por estupros. Folha de São Paulo, Folha Digital, São Paulo, 21 set. 2016. Caderno Cotidiano, p. 1. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/09/1815301-um-terco-dos-brasileiros-culpa- mulheres-por-estupros-sofridos.shtml. Acesso em: 7 set. 2018.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL. Taxa de feminicídios no Brasil é quinta maior do mundo; diretrizes nacionais buscam solução. 2016. Disponível em: https://nacoesunidas.org/onu-feminicidio-brasil-quinto-maior-mundo-diretrizes-nacionais- buscam-solucao/. Acesso em: 7 set. 2018.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL. CEPAL: 2,7 mil mulheres foram vítimas de feminicídio na América Latina e Caribe em 2017. 2018a. Disponível em: https://nacoesunidas.org/cepal-27- mil-mulheres-foram-vitimas-de-feminicidio-na-america-latina-e-caribe-em-2017/. Acesso em: 7 set. 2018.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL. Direitos Humanos das Mulheres. 2018b. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/08/Position-Paper-Direitos-Humanos-das- Mulheres.pdf. Acesso em: 7 set. 2018.

PERISSÉ, Camille; LOSCHI, Marília. Trabalho de Mulher. Retrato: a Revista do IBGE, Rio de Janeiro, n. 17, p. 19-25. jul./ago. 2019.

PERROT, Michelle. As Mulheres ou os silêncios da História. Bauru: EDUSC, 2005.

PORTAL G1. Na JMJ, Papa Francisco afirma que feminicídio é uma praga que assola a América Latina. Portal G1, São Paulo, 25 jan. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/01/25/na-jmj-papa-francisco-afirma-que- feminicidio-e-uma-praga-que-assola-a-america-latina.ghtml. Acesso em: 7 set. 2018.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

VELASCO, Clara et al. Cresce o número de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídios são subnotificados. Monitor da violência. Portal G1, 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/cresce-n-de-mulheres-vitimas-de- homicidio-no-brasil-dados-de-feminicidio-sao-subnotificados.ghtml. Acesso em: 7 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i1p408-429

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais