Estoques de conhecimentos interacionais como objeto de ensino na educação médica: uma análise sociointeracional

Alexandre José Pinto Cadilhe de Assis Jácome

Resumo


Neste estudo, tenho como objetivo construir uma compreensão sobre uma prática de ensino do processo de interação profissional para estudantes de graduação na área de saúde. A partir dos conceitos de Estoques de Conhecimento Interacional (PERÄKYLÄ & VEHVILÄINEN, 2003) e Tecnologização do Discurso (FAIRCLOUGH, 2001), bem como dos estudos da fala-em-interação, analiso uma atividade de ensino da comunicação médica, em perspectiva microetnográfica. Como resultados, aponto a tensão que se instaura na produção em ato da tecnologização do discurso, e como, a partir da interação entre estudantes e professora, se produz um Estoque de Conhecimento Interacional. 


Palavras-chave


Estoques de conhecimento interacionais, Tecnologização do discurso, Educação médica

Texto completo:

PDF

Referências


BAILE, W. et al. SPIKES—A Six-Step Protocol for Delivering Bad News: Application to the Patient with Cancer. The Oncologist, n. 5, 2000.

BRASIL, Ministério da Saúde. Acolhimento nas Práticas de Produção da Saúde. Ministério da Saúde: Brasília, DF, 2006.

CAMERON, D. Styling the worker: gender and the commodification of language in the globalized service economy. Journal of Education: London, n.4 , 2000.

DER MOLEN, H. & LANG, G. Habilidades de escuta na consulta. In: LEITE, A.; CAPRARA, A. & COELHO FILHO, J. (org.). Habilidades de comunicação com pacientes e famílias. São Paulo: Sarvier, 2007.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Ed.UnB, 2001.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2006.

GOFFMAN, E. Footing. In: RIBEIRO, B.T. & GARCEZ, P. Sociolinguística Interacional. São Paulo: Edições Loyola, [1979] 2002.

___________. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, [1959] 2009.

___________. Ritual de Interação: Ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes, [1967] 2011.

GUMPERZ, J.J. Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B.T. & GARCEZ, P. Sociolinguística Interacional. São Paulo: Edições Loyola, [1982] 2002.

MERHY, E. Saúde: cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2007.

MISHLER, E.G. The discourse of medicine: the dialectics of medical interviews. USA: Ablex, 1984.

OSTERMANN, A.C. & MENEGHEL, S.N. Humanização. Gênero. Poder. Contribuições dos estudos da fala-em-interação para a atenção à saúde. Campinas: Mercado de Letras; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

PERÄKYLÄ, A. & VEHVILÄINEN, S. Conversation Analysis and professional stocks of interactional knowledge. Discourse & Society v.14, n.6. London: Sage Publications, 2003.

REVEL, J. Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

SARANGI, S. Healthcare interaction as an expert communicative system: an activity analysis perspective. Interaction and Language: News Perspective. Amsterdam: Benjamins, 2010a.

______. Practising discourse analysis in healthcare settings. In: BOURGEAULT, R. (ed.). Qualitative Methods in Health Research. London: Sage, 2010b.

SCOTT, Marvin; LYMAN, Stanford. Accounts. In: American Sociological Review, v. 33, n.1, p. 46–62, 1968.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2018v39i3a7

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)