O uso da língua inglesa em nomes de estabelecimentos comerciais como forma de persuasão e estratificação social

Leonardo Antonio Soares

Resumo


O artigo visa mostrar a influência da língua inglesa no comércio de Belo Horizonte - MG. Também procura analisar a estratificação social visualizada ao longo de uma avenida através dos recursos semióticos que compõem as placas dos estabelecimentos comerciais. Primeiro, apresento o conceito de multimodalidade, de Kress e van Leeuwen (1996; 2006) e as teorias sobre Análise Crítica do Discurso (ACD). Dentro desta perspectiva, se encontram a concepção tridimensional, a ideologia e a hegemonia de Fairclough (1994; 2001). Em seguida trato da persuasão pelo discurso sob a visão de Citelli (2005), pois tal conceito dialoga com as demais teorias. O uso dos estrangeirismos também é discutido com base em Garcez e Zilles (2001). A partir da análise linguística e imagética, verificou-se que os estrangeirismos utilizados na composição das placas dos estabelecimentos comerciais visam persuadir e estratificar os clientes a partir da aquisição de produtos e serviços direcionados a públicos específicos.


Palavras-chave


Estrangeirismo, Comércio, Inglês, Multimodalidade, Persuasão.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CITELLI, A. Linguagem e persuasão. 16. Ed. São Paulo: Ática, 2005.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editora da UnB, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Discourse and Social Change. Cambridge: Polity, 1994.

FARACO, C. (Org). Estrangeirismos – Guerras em torno da língua. 3. Ed. São Paulo: parábola Editorial, 2004.

FARELLI, E. C. O uso do estrangeirismo como estratégia de persuasão no discurso publicitário: Análise de três peças publicitária. São Paulo. 2007.

FORCEVILLE, C. Metonymy in visual and audiovisual discourse. In: Ventola, E. and Moya, A. (eds) The World Told and the World Shown: Multisemiotic Issues. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 56–74. 2009.

FUENTES-OLIVERA, P. A. et al. Persuasion and advertising English: Metadiscourse in slogans and headlines. Journal of Pragmatics, n. 33, p. 1291-1307, 2001.

GARCEZ, P. M.; ZILLES, A. S. Estrangeirismos: desejos e ameaças. In: FARACO, C. A. (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 3ª ed. São Paulo: Parábola, 2001. p. 15 - 36.

GOETHE, J.W. von. Doutrina das cores. Ed. Nova Alexandria. São Paulo. 1993.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. An Introduction to Functional Grammar. 3. ed. London: Ed. Arnold, 2004.

HODGE, R; KRESS, G. Social Semiotics. New York: Cornell University Press, 1988.

IASBECK, L.C. A. A arte dos slogans: as técnicas de construção das frases de efeito no texto publicitário. São Paulo: Annablume, 2000

KRESS, G.; van LEEUWEN, T. Reading images: The grammar of visual design. London: Routledge, 1996; 2006.

KRESS, G.; van LEEUWEN, T .Colour as a semiotic mode: notes for a grammar of colour. London: Sage Publications, 2002.

MAGIAPANE, F. Yo Logo(s): On the iconic-plastic configuration of brand symbols. In. Handbook of Brand Semiotics. Georg Rossolatos (Org.). Kassel University Press. Germany. 2015.

SANT’ANNA, A. Propaganda: teoria, técnica e prática. 6. Ed. São Paulo: Pioneira, 1996.

SOARES, L.A. A multimodalidade em peças publicitárias. In: Linguagens em contextos. Ed. Literato. Belo Horizonte. 2013.

VIVANCO, V. The absence of connectives and the maintenance of coherence in publicity texts. Journal of Pragmatics, n. 37, p. 1233-1249, 2004.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2019v40i2a9

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)