Instapoesia: Literatura em meio digital no ensino e aprendizagem de inglês

Maria de Fatima Silva Amarante, Paloma Guimarães de Lima, Eliane Fernandes Azzari

Resumo


Neste artigo, abordamos o papel das literaturas em língua inglesa no ensino de inglês na escola regular e, adotando viés sociocultural, buscamos deslocar a educação linguística da visão tradicionalmente centralizada em aspectos estruturais. Para tanto, por meio de um estudo propositivo, sugerimos o trabalho com a instapoesia, um gênero multimodal, desenvolvido no âmbito da ciberliteratura. Apropriamo-nos dessas narrativas literárias, que caracterizam práticas sociais contextualizadas no âmbito digital, para realocá-las em sala de aula, de modo a ampliar discussões atuais e situadas acerca de língua(gens) e de culturas de língua inglesa. Acatando a perspectiva dos letramentos críticos, nosso estudo favorece uma abordagem de ensino e aprendizagem pluralista. Assim, com o apoio da etnografia digital para a busca de textos no ciberespaço, selecionamos e capturamos telas em que se divulgam produções da poeta indiana Rupi Kaur, publicadas entre agosto e setembro de 2018. Adicionalmente, nossa proposta sugere que os textos escolhidos também nos permitem discutir o caráter narrativo da construção da diferença, propiciando aos estudantes de inglês a reflexão sobre representações femininas e seus espaços sociais.

Palavras-chave


Tecnologia digital, Instapoesia, Letramentos críticos, Rupi Kaur, Ensino e Aprendizagem de Inglês

Texto completo:

PDF

Referências


AZZARI, E. F. 2017. Discurso sobre a presença de tecnologia em aula de inglês na educação básica: abismos e pontes. Tese de doutorado, Campinas: Unicamp, 2017. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/322137/1/Azzari_ElianeFernandes_D.pdf. Acesso em 15 mar 2019.

BRASIL. 2006. Orientações Curriculares Para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e as suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica, Disponível em: http://portal.mec.gov.br/eb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em 15 mar 2019.

BERTH, J. 2018.O que é empoderamento? Belo Horizonte – MG: Letramento: Justificando.

CATRÓPA, A.; PRADO, G. 2018. Escrevendo com robôs - poéticas do texto digital. V Simpósio internacional de inovação em mídias interativas. Goiânia - GO, UFG.

CHAMPANGNATTE, D. M. O.; CAVALCANTI, M. A. P. 2015. Cibercultura - perspectivas conceituais, abordagens alternativas de comunicação e movimentos sociais. In: Revista de estudos da comunicação. Curitiba, v. 16, n. 41, p. 312-326, set/dez. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/estudosdecomunicacao/article/download/22532/21616. Acesso em 15 mar 2019.

FESTINO, C. G. 2015. Os avanços tecnológicos: o fim da literatura?. In: TAKAKI, Nara Hiroko; MACIEL, Ruberval Franco (orgs.). Letramentos em terra de Paulo Freire. Campinas, SP: Pontes Editores, 2ed., p. 89-100.

________. 2014. A estética da diferença e o ensino das literaturas de Língua Inglesa. Gragoatá, Niterói, n. 37, p. 312-330, 2. sem. Disponível em: http://www.gragoata.uff.br/index.php/gragoata/article/view80/366. Acesso em 15 mar 2019.

FREIRE, P. 2006. Educação como prática da Liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 29ª ed.

GIROUX, H. A. 2004. Public Pedagogy and the Politics of Neo-liberalism: making the political more pedagogical. Policy Futures in Education, vol. 2, n. 3 & 4, p. 494-503. Disponível em: http://www.cws.illinois.edu/iprhdigitalliteracies/GirouxPublicPFinE2004.pdf. Acesso em 15 mar 2019.

JORDÃO, C. M. 2010. A posição de professor de inglês no Brasil: hibridismo, identidade e agência. Revista Letras & Letras. Uberlândia - MG. v.26, n.2, p. 427-442. Jul. – Dez. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/25634. Acesso em 15 mar 2019.

________. 2013. Abordagem comunicativa, pedagogia crítica e letramento crítico - farinha do mesmo saco? In: ROCHA, C. H.; MACIEL, R. (Org.). Língua Estrangeira e Formação Cidadã: entre discursos e práticas. 1ed.Campinas: Pontes, v. 1, p. 69-90.

KUMARAVADIVELU, B. 2008. A linguística aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 129 – 147.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. 2004. A Handbook for Teacher Research: from design to implementation. New York: Open University Press.

LEMKE, J. L. 2010. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. Trabalho de Linguística Aplicada. Campinas, 49(2): 455-479, Jul./Dez. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tla/v49n2/09.pdf. Acessoem 15 mar 2019.

LEON, M. 2001. El empoderamiento de las mujeres: encuentro del primer y tecer mundos em los estudios de género. In: Revista Estudos de gênero: La Ventana, Espanha, v. 2, n. 13, p. 94-106. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5202169. Acesso em 26 set 2019.

LUKE, A. 2012. Critical literacy: Foundational notes. In: Theory into practice. Vol. 51. Disponível em: https://eprints.qut.edu.au/41519/2/41519.pdf. Acesso em 15 mar 2019.

MENEZES DE SOUZA. L. M. T. 2011. Para uma redefinição de Letramento Crítico: conflito e produção de significação. In: MACIEL, R. F.; ARAUJO, V. A. (Orgs.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco editorial. Disponível em: https://www.academia.edu/595539/Para_um_redefinição_de_letramento_crítico_conflito_e_produção_de_significação. Acesso em 19 jul 2019.

MONTE MÓR, W. M. 2014. Crítica e Letramentos Críticos: Reflexões Preliminares. In: ROCHA, C. H.; MACIEL, R. (Orgs). Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas: Pontes, p. 31 – 50.

RAJAGOPALAN, K. 2012. ‘World English’ or ‘World Englishes’? Does it make any difference? International Journal of Applied Linguistics, vol. 22, no. 3, 2012, USA: Blackwell Publishing Ltd.

SOARES, M. 2004. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica.

VADDE, A. 2017. Amateur creativity: contemporary literature and the digital publishing scene. In: Project Muse: New literary history. Vol. 48, n. 1, p. 27-52. Disponível em: https://muse.jhu.edu/article/652562. Acessoem 15 mar 2019.

VIIRES, P. 2005. Literature in cyberspace. In: Folklore: Electronic Journal of Folklore. Vol. 29. p. 153 – 174. Disponível em: https://www.folklore.ee/folklore/vol29/cyberlit.pdf. Acesso em: 15 mar 2019.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2019v40i2a8

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)