Representações de Inglês para Fins Específicos-Leitura e algumas implicações para o ensino-aprendizagem de línguas

Elaine Lima de Sousa, Marta de Faria e Cunha Monteiro

Resumo


Este artigo trata do ensino-aprendizagem de Inglês para Fins Específicos-IFE e é ancorado em representações, no ensino-aprendizagem de IFE-Leitura e nos documentos norteadores do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA (BRASIL, 2006; 2007). A pesquisa, de caráter qualitativo, foi um estudo de caso (STAKE, 2003). O contexto foi uma das turmas do PROEJA do Instituto Federal do Amazonas – IFAM e como instrumentos de pesquisa foram utilizados questionários de perfil e investigativo, com oito participantes, alunos desse curso. Os resultados apontaram que nas aulas de IFE-Leitura devem ser incluídas atividades que despertem o interesse dos alunos, promovam a interação entre os pares,  facilitem o ensino-aprendizagem de vocabulário específico e envolvam até mesmo brincadeiras que motivem os alunos.


Palavras-chave


Inglês para Fins Específicos, Representações, PROEJA, Educação Profissional

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A.J. 2008. Representações Sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Revista Múltiplas Leituras, São Bernardo do Campo, 1.1: 18-43. Disponível online em: https://www.metodista.br/revistas/revistasmetodista/index.php/ML/article/download/1169/1181. Acesso em: 30 jun. 2018. ANEAS, F. 2010. Educação de Jovens e Adultos: representações de professores e alunos sobre ensino aprendizagem de inglês. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

ANTUNES, C. 1998. As inteligências múltiplas e seus estímulos. São Paulo: Papirus.

ARAKI, L.E. 2013. A disciplina Inglês Instrumental no Ensino Superior e as representações de seus professores: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

BARDIN, L. [1977] 2001. Análise de conteúdo. 2a. ed. Lisboa: Edições 70.

BEDIN, M.C. 2017. Espanhol para Fins Específicos no ensino superior tecnológico e formação docente: articulações, rumos e possibilidades. Tese de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP).

BRASIL. 2005. Decreto n.º 5.478, de 24 junho de 2005. Institui, no âmbito das Instituições Federais de Educação Tecnológica, o Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível online em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5478.htm. Acesso em: 30 jun. 2018. BRASIL. 2006. Decreto n.º 5.840, de 13 julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível online em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5840.htm. Acesso em: 30 jun. 2018.

BRASIL. 2007. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. PROEJA – Programa Nacional da Educação Profissional com Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos: Documento Base. Brasília: Ministério da Educação. Disponível online em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf. Acesso em: 30 jun. 2018.

BRASIL. 2014. Lei n.º 13.005, de 26 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível online em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 30 mar. 2018.

BROWN, H.D. 2001. Teaching by Principles: an Interactive Approach to Language Pedagogy. 2a. ed. Englewoods Cliffs: Prentice Hall Regents.

CARVALHO, E.P. e FISCHER, A. 2013. Ressignificação identitária e processos de letramento de alunos PROEJA. EJA em Debate, 2.2: 71-89. Florianópolis.

CELANI, M.A.A. 2009. Revivendo a aventura: desafios, encontros e desencontros. In: CELANI, M.A.A.; RAMOS, R.C.G. e FREIRE, M. M. (org.), 2009, A abordagem instrumental no Brasil: um projeto, seus percursos e seus desdobramentos. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: EDUC.

CELANI, M.A.A. 2005. Questões de ética na pesquisa em Linguística Aplicada. Linguagem & Ensino, Pelotas, 8.1: 101-122.

CELANI, M.A.A. e MAGALHÃES, M.C.C. 2002. Representações de professores de inglês como língua estrangeira sobre suas identidades profissionais: uma proposta de reconstrução. In: MOITA LOPES, L.P. e BASTOS, L.C. (org.), 2002, Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras.

CELANI, M.A.A. et al. 1988. The Brazilian ESP Project: an evaluation. São Paulo: EDUC.

DENZIN, N.K. e LINCOLN, Y.S. 2006. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N.K. e LINCOLN, Y.S. (Orgs.), 2006, O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução: Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, p. 15-41.

DUDLEY-EVANS, T. e ST JOHN, M.J. 1998. Developments in ESP: a multi-disciplinary approach. Cambridge: Cambridge University Press.

FISHER, C.L.; GAZOTTI-VALLIM, M.A. e WEYERSBACH, S.R. 2015. Contribuições de videoaulas em um curso on-line de formação de professores de Inglês para Fins Específicos. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 231-257. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

FREIRE, M.M. e LESSA, A.B.C. 2003. Professores de inglês da rede pública: suas representações, seus repertórios e nossas interpretações. In: BARBARA, L. e RAMOS, R.C.G. (org.), 2003, Reflexão e ações no ensino-aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras.

FREIRE, P. 1967. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HOLMES, J.L. 1981. What do we mean by ESP? Projeto Ensino de Inglês Instrumental em Universidades Brasileiras, Working papers, n. 2. São Paulo: PUC São Paulo. Disponível online em: http://www4.pucsp.br/lael/cepril//workingpapers/wp02.PDF. Acesso em: 28 fev. 2018. HUTCHINSON, T. e WATERS, A. 1987. English for Specific Purposes: A Learning-Centred Approach. Cambridge: Cambridge University Press.

JAMES, G., DAVISON, R., CHEUNG, A. e DEERWATER, S. 1994. English in computer science: a corpus-based lexical analysis. Hong Kong: Hong Kong University of Science and Technology and Longman Asia.

LAGO, A. 2016. Jogos divertidos para a sua aula de inglês. v. 3. Barueri: Disal.

LEFFA, V.J. 2007. Como produzir materiais para o ensino de línguas. In: LEFFA, V. J. (org.), 2007, Produção de materiais de ensino: teoria e prática. 2a. ed. Pelotas: EDUCAT, p. 15-42. Disponível online em: http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/Producao_materiais_2ed_completo.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

LOPES, C.L. 2014. As representações de alunos de um curso superior de Turismo e Hotelaria acerca da disciplina Inglês Instrumental. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

MONTEIRO, M.F.C. 2009. Representações de professores de inglês em serviço sobre a abordagem instrumental: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Departamento de Linguística, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. MONTEIRO, M.F.C. 2015. Formandos professores para o ensino-aprendizagem da Leitura: uma experiência na UFAM. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 209-229. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

MOSCOVICI, S. 1978. A representação social da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

MOSCOVICI, S. [2000] 2015. Representações sociais: investigações em Psicologia Social. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. 11a. ed. Petrópolis: Vozes.

MOSCOVICI, S. [1961] 1976. La psychanalyse, son image et son public. Paris: Presses Universitaires de France.

PAIXÃO-MATOS, C.M. 2018. Vou ensinar língua estrageira num instituto federal: aspectos da formação do professor de inglês em contexto superior tecnológico de Ensino de Línguas para Fins Específicos (ELFE). Dissertação de Mestrado, Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade de Brasília.

OCHIUCCI, M.S.M. 2015. Do Projeto Nacional de Inglês Instrumental ao LinFE: A contribuição dos estudos de Rosinda de Castro Guerra Ramos ao Ensino de Línguas para Fins Específicos – A aventura continua. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 17-29. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

ONODERA, J. Análise de necessidades para negócios. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 323-345. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

RAMOS, R.C.G. A história da abordagem instrumental na PUCSP. In: M.A.A. CELANI; R.C.G. RAMOS e M.M. FREIRE, (Orgs.), 2009. A abordagem instrumental no Brasil: um projeto, seus percursos e seus desdobramentos. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: EDUC.

RAMOS, R.; LESSA, A. 2010. Ensino-aprendizagem de línguas e formação de professores à luz de representações. In: SILVA, K.A. (Org.), 2010, Crenças, Discursos & Linguagem. Campinas: Pontes Editores, p. 103-133.

RAMOS, R.C.G. 2004. Gêneros textuais: proposta de aplicação em cursos de inglês para fins específicos. the Especialist, 25.2: 107-129. São Paulo.

RAMOS, R.C.G. 2017. Gêneros, IFA e design de cursos: relato de experiência. Delta, 33.3: 787-810. São Paulo.

RAMOS, R.C.G. 2005. Instrumental no Brasil: a desconstrução de mitos e a construção do futuro. In: FREIRE, M. M.; ABRAHÃO, M. H. V.; BARCELOS, A. M. F. (org.), 2005, Linguística Aplicada e contemporaneidade. São Paulo: ALAB; Campinas: Pontes Editores.

ROBINSON, P. 1991. ESP today: a practitioner’s guide. New York: Prentice Hall.

ROSSINI, A.M.Z.P. 2017. O uso de tecnologias digitais da informação e comunicação em um curso de Inglês para Fins Específicos na área jurídica. the Especialist, 38.1: 1-20. São Paulo.

ROSSINI, A.M.Z.P. e BELMONTE, J. 2015. Panorama do ensino-aprendizagem de Línguas para Fins Específicos: histórico, mitos e tendências. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 347-382. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

SILVA, R.C. 2018. Análise de necessidades em inglês: proposição e reflexões sobre um instrumento de coleta de informações. the Especialist, 39.1: 1-20. São Paulo.

SINCLAIR, J. 2004. Corpus and text: basic principles. In: WYNNE, M. (ed.), 2004, Developing linguistic corpora: a guide to good practice. Disponível online em: http://ota.ox.ac.uk/documents/creating/dlc/chapter1.htm. Acesso em: 12 mar. 2019.

SOUSA, E.L. 2019. Representações de alunos do PROEJA sobre o ensino-aprendizagem de Inglês para Fins Específicos – Leitura: um estudo de caso no IFAM. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Amazonas.

SOUSA, Y.H. 2017. Blended English teaching: proposta de ensino-aprendizagem de Inglês para Fins Específicos. Dissertação de Mestrado, Mestrado Profissional em Ensino Tecnológico, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas.

SOUZA, S.A. 2013. Ressignificando o ensino de Inglês Instrumental em contexto profissional de Nível Médio: Uma proposta baseada em sequência didática. Dissetarção de Mestrado, Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade de Brasília.

STAKE, R.E. 2003. Case studies. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (ed.), 2003, Strategies of qualitative inquiry. 2a. ed. Londres: Sage Publications, p. 134-164.

STREVENS, P. 1988. ESP after twenty years: a re-appraisal. In: TICKO, M. L. (ed.), 1988, ESP: state of the art. Singapura: SEAMEO Regional Language Centre.

VENTURA, C.S.M. e FARIAS, A.M. 2015. A construção didática do curso de Inglês Instrumental: Leitura para Fins Acadêmicos da PUCSP. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 277-293. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

VIAN JR., O. 2015. A formação inicial do professor de inglês para Fins Específicos. In: LIMA-LOPES, R.E.; FISCHER, C.R. e GAZOTTI-VALIM M.A. (Orgs.), 2015, Perspectivas em Línguas para Fins Específicos: Festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, p. 187-208. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, v. 41).

VYGOTSKY, L. S. (1934) 2003. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2020v41i2a8

Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)