CURRÍCULO MÍNIMO DE MATEMÁTICA PROPOSTO PELA SEEDUC/RJ: PONTUAÇÕES ACERCA DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E INSTITUIÇÃO

Tarliz Liao, Jussara Martins Albernaz

Resumo


Este artigo intenciona apontar para algumas das especificidades que permearam o processo de elaboração e instituição do Currículo Mínimo de Matemática, em nível de Ensino Médio, proposto pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC/RJ), em 2011. Cabe ressaltar que diante de uma multiplicidade de materialidades curriculares, o enfoque dessa mudança ocorreu por meio de uma nova estrutura curricular, impactando uma rede com um milhão de alunos e doze mil professores de Matemática.  O currículo traz as ideias de seu tempo, o olhar da sociedade para questões humanas e outras ideias tacitamente políticas; além disso, ele traz em seu escopo toda uma trama de heranças históricas e a marca pessoal daqueles que se dedicaram à sua construção. E dessa forma, analisar as tramas de um currículo de Matemática é muito mais que olhar uma sequência de conteúdos linearmente organizados. É, sobretudo, entender, que aquela construção foi tecida de forma a sustentar um corpo de ideias que diz sobre seu tempo. Esse processo refletiu a inexistência de diálogo entre os diversos segmentos sociais e profissionais daquele campo. Interesses governamentais foram além das perspectivas educacionais e nesse ínterim subtraíram a democracia em ações de políticas públicas que se refletiram tão somente no ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Foi evidente a percepção de que não houve clareza de ideias quando dessa elaboração, contrastando com a legislação vigente. A formatação do Currículo Mínimo negou a dialética educacional e a retórica da Matemática acadêmica enquanto disciplina escolar.


Palavras-chave


Currículo Mínimo. Educação Matemática. Currículos da Matemática

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. MEC/Brasil. 2000.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF. 1997.

GOODSON, Ivor. Currículo: teoria e história. 12 ed. Petrópolis:Vozes, 2012.

LIAO, Tarliz. A Elaboração e Instituição do Currículo Mínimo de Matemática no Rio de Janeiro. 174 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Espírito Santo – (UFES). Vitória 2014.

LOPES, Alice. Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias do currículo São Paulo: Cortez, 2011.

LUDKE, M. ANDRÉ, M.E.D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo. EPU. 1986.

PIRES, C.M.C. Currículos de Matemática: da organização linear à ideia de rede. São Paulo: FTD, 2000.

RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria da Educação do Estado do Rio de Janeiro.. 1º bimestre. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA. Língua Portuguesa e Matemática. Caderno C 1101. 2º ANO DO ENSINO MÉDIO, Rio de Janeiro: SEEDUC/RJ, 2013.

RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria da Educação do Estado do Rio de Janeiro. RESOLUÇÃO 4669 de 2011.. Cartilha por Bonificação de Resultados. Rio de Janeiro: SEEDUC/RJ, 2011.

RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria da Educação do Estado do Rio de Janeiro Reorientação Curricular. Matemática. Volume IV. 2006. Rio de Janeiro: SEEDUC/RJ, 2006. Disponível em: . Acesso em 01 jan. 2014.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2017v15i1p82-102

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais