CURRÍCULO, (AUTO)BIOGRAFIAS E DIFERENÇA: POLÍTICAS E POÉTICAS DO INCONTROLÁVEL NO COTIDIANO DA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Clivio Pimentel-Junior, Maria Inez da Silva de Souza Carvalho, Maria Roseli Gomes Brito de Sá

Resumo


Neste artigo de posicionamento teórico-estratégico, por meio de uma agência pós-estrutural e pós-colonial, desenvolvemos uma argumentação crítica às bases teóricas da educação científica, focalizando a significação da identidade das disciplinas escolares como Natureza da Ciência. Para tanto, valendo-nos de (in)formações e quadros referenciais dos diversos espaços-tempos formativos vividos na graduação, na pós-graduação e na docência no ensino superior, postos em suspensão e desterritorializados em sentido (auto)biográfico, transitamos por políticas de sentido criadas em diferentes comunidades de enunciação, com vistas a problematizar e reativar os consensos hegemônicos produzidos em torno da defesa de tal significante. Nesse trajeto, argumentamos pela defesa do espaço do incontrolável, daquilo que não se pode banir do currículo e da educação em ciências, reavivando o sentido da poética como estruturante do fazer curricular. Defendemos que este modo de agência permite criar a identidade da ciência no currículo escolar como um lugar híbrido, marcado pela ausência de um discurso-mestre que possa validar uma dentre as múltiplas identidades criadas para a educação científica em seu acontecimento cotidiano, aguçando, assim, a participação dos sujeitos na luta política pelo poder de significar o currículo.


Palavras-chave


(Auto)biografias. Cotidiano. Currículo. Diferença. Educação em ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


ABD-EL-KHALICK, F.; BOUJAOUDE, S. An Exploratory Study of the Knowledge Base for Science Teaching. Journal Of Research In Science Teaching, v. 34, n. 7, p. 673–699, 1997.

ALTERS, B. J. Whose nature of science? Journal of Research in Science Teaching, v. 34, n. 1, p. 39-55, 1997.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BUTLER, J. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2009.

CUNHA, E. V. R. Cultura, Contexto e a Impossibilidade de uma Unidade Essencial para o Currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 3, p. 575-587, set./dez., 2015.

DIAS. R. E; LOPES, A. C. Discursos e textos nas políticas de currículo. In: MACEDO, E; MACEDO, R. S; AMORIM, A. C. (Orgs.). Discurso, Texto, Narrativa nas Pesquisas em Currículo. Campinas: FE/UNICAMP, 2009. (E-Book GT Currículo)

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUREZ, G. Crise no ensino de ciências? Investigações em Ensino de Ciências, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

GALVÃO, Cecília; REIS, Pedro; FREIRE, Sofia. A Discussão de Controvérsias Sociocientíficas na Formação de Professores. Ciência & Educação. São Paulo, v. 17, n. 3, p. 505-522, 2011.

GARCIA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da Modernidade. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.

GIL PÉREZ, D. Tres paradigmas básicos en la enseñanza de la ciencia. Enseñanza de las Ciencias, v 1, n. 1, p. 26-33, 1983.

GIL PÉREZ, D.; MARTÍNEZ TORREGROSA, J. Cómo evaluar si se hace ciencia en el aula? Alambique, v. 20, p. 17-2, 1999.

GIL PÉREZ, D. et al. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação. São Paulo, v. 7, n. 2, p. 125-153, 2001.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: EdUFMG, 2003.

KLINGER, D. Escrita de Si como Performance. Revista Brasileira de Literatura Comparada. Rio de Janeiro, v. 1, n. 12, p. 11-30, 2008.

LACLAU, E. A Razão Populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e Estratégia Socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LEDERMAN, N. G. Students and teachers conceptions of the nature of science: a reviewof the research. Journal of Research in Science Teaching, v. 29, n. 4, p. 331-359, 1992.

LEDERMAN, N. G. Research on Nature of Science: reflections on the past, anticipations of the future. Asia-Pacific Forum on Science Education, v. 7, n. 1, Jun., 2006.

LOPES, A. C. Por um Currículo sem Fundamentos. Linhas Críticas, v. 21, n. 45, p. 445-466, mai/ago, 2015.

LOPES, A.C.; MACEDO, E. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, E. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v.11, n. 32, p. 285-372, maio/ago, 2006.

MACEDO, E. Base Nacional para Currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação e Sociedade. Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, out./dez., 2015.

MAFFESOLI, M. A transfiguração do político: a tribalização do mundo. 3ª ed. Porto Alegre: Sulina, 2005

MATTHEWS, M. História, Filosofia e Ensino de Ciências: a tendência atual de reaproximação. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 12, n. 3, p. 164-214, dez., 1995.

MATTHEWS, M. In Defense of Modest Goals When Teaching about the Nature of Science. Journal of Research in Science Teaching, v. 35, n. 2, p. 161–174, 1998.

OLIVEIRA, G. G; OLIVEIRA, A. L; MESQUITA, R. G. A Teoria do Discurso de Laclau e Mouffe e a Pesquisa em Educação. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1327-1349, out./dez., 2013.

PEREIRA, T. V. Refletindo sobre a tensão entre pesquisa e prática: o caso do ensino de ciências. Educação. Santa Maria, v. 40, n. 2, p. 425-438, mai/ago, 2015.

PIMENTEL-JÚNIOR, C.; CARVALHO, M. I. S. S. Profanando o 'papel' da Escola? Narrativas Pós-Modernas sobre o Processo Social de Escolarização. Revista Práxis Educacional, v. 13, n. 24, p. 161-183, jan./abr., 2017. https://doi.org/10.22481/praxis.v13i24.935

PIMENTEL-JÚNIOR, C. Articulações Discursivas em torno do Significante Natureza da Ciência: currículo, formação, política. Revista Teias, v. 18, n. 50, p. 88-104, jul./set., 2017. https://doi.org/10.12957/teias.2017.26713

PIMENTEL-JÚNIOR, C.; CARVALHO, M. I. S. S.; SÁ, M. R. G. B. Pesquisa (Auto)Biográfica em Chave Pós-estrutural: conversas com Judith Butler. Práxis Educativa, v. 12, n. 1, p. 203-222, jan/abr, 2017. http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.12i1.0011

TRITTINI, S. A. C.; LOPES, A. C. Discursos cientificistas nas políticas de currículo no Chile (2003-2013): o foco no Programa ECBI – Enseñanza de las Ciências basada em la Indagación. Ciência & Educação. Bauru, v. 22, n. 2, p. 279-298, 2016.

VATTIMO, G. As Aventuras da Diferença: o que significa pensar depois de Heidegger e Nietzsche. Lisboa: Edições 70, 1980.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2018v16i1p29-59

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais