QUEM ESCONDEU O RITMO OCULTO? UM ESTUDO COMPARADO ENTRE OS RITMOS ESCOLARES NO BRASIL E NA FRANÇA

Rosa Maria Bortolotti de Camargo, Rosane Carneiro Sarturi

Resumo


Essa pesquisa adotou o termo Ritmo Escolar como sendo o componente do currículo escolar responsável pela estruturação, organização e manutenção dos horários de funcionamento da escola, das aulas, das atividades escolares, extraescolares e extracurriculares. Através de uma investigação comparada, constatou-se que no Brasil e na França o Ritmo Escolar estabelece uma relação de causalidade com o sucesso e fracasso escolar e social, através da homogeneização da ideia de que a (re) organização, criação, melhoramento e qualificação dos diferentes tempos e espaços escolares são fatores importantes para se diminuir as desigualdades escolares e, consequentemente, as sociais, sobretudo, das crianças que são oriundas das camadas mais populares. Considerou-se que se Ritmo Escolar influi diretamente na vida escolar e social das crianças ele é um componente curricular fundamental da escola, pois designa a forma como serão conduzidos e organizados os diferentes tempos e espaços escolares, as atividades desenvolvidas nesses tempos e, sobretudo, de quem participará delas. Portanto, o tema do o tempo que se passa na escola pode e merece ser estudado a partir de uma perspectiva crítica do currículo escolar, devendo ser analisado como um componente do currículo que é formal, real e oculto. Assim, esse artigo teve como objetivo analisar como os Ritmos Escolares, no Brasil e na França, se manifestam nos cotidianos escolares considerando o exemplo de duas escolas públicas de periferia, uma em cada país. A coleta de dados foi realizada a partir da observação participante e de entrevistas semiestruturadas aplicadas aos professores e monitores no contexto supracitado. 


Palavras-chave


Ritmo Escolar; Ritmo Formal; Ritmo Oculto; Cotidianos Escolares.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael. Ideologia e currículo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1970.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de setembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 set. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 14 fev. 2017.

BRASIL. Novo Mais Educação. Brasília, 2017a. Disponível em: https://novomaiseducacao.caeddigital.net/#!/home . Acesso em: 27 set. 2017.

BRASIL. Programa Novo Mais Educação/PNME. Perguntas frequentes – execução e monitoramento. Brasília: 2017b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=66561-perguntas-frequentes-monitoramento-maiseducacao-pdf&category_slug=junho-2017-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 29 set. 2017.

CHARLOT, Bernard. Relação com a escolar e o saber em bairros populares. Perspectiva. Florianópolis, v. 12, n. Especial, p.17-32, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10237/9476. Acesso em: 29 jan. 2017.

FRANÇA. Le Bulletin officiel, n.23 du 29 juin 2017. Dérogations à l'organisation de la semaine scolaire. Paris, 23 e 29 jun. 2017. 2017. Disponível em: http://www.education.gouv.fr/pid285/bulletin_officiel.html?cid_bo=118204. Acesso em: 18 sep. 2017.

MERLE, Pierre. La carte scolaire et son assouplissement. Politique de mixité sociale ou de ghettoïsation des établissements? Presses Universitaires de France, Paris, v.2, n.1, p.37-50, 2011.

GONCALVES, Maria Fernanda. Currículo Oculto e Culturas de aprendizagem na formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 1994.

LOPES, Alice C.; MACEDO, Elisabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MOREIRA, Antônio F.; SILVA, Tomaz T. Currículo, Cultura e Sociedade. 2 ed. São Paulo: Editora Cortez, 1995.

PALAMIDESSI, Mariano. Tempo e currículo: o quadro de horário e a distribuição escolar das ocupações In: LOPES, Alice C.; MACEDO, Elizabeth. Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez Editora, 2002. p. 115-132.

PERRENOUD, Philippe. Métier d’élève et sens du travail scolaire. 8. ed. Issy-les-Moulineaux : ESF Editeur, 2013.

SILVA, Tomaz T. Documentos de identidade. Uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

VIGOUR, Cécile. La Comparaison em sciences sociales. Pratiques et méthodes. : Paris: La Découverte, 2005.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i3p1336-1358

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais