“CINECONVERSAS” E FABULAÇÕES CURRICULANTES: O USO DE FILMES E A POTÊNCIA DAS CONVERSAS COMO METODOLOGIA DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

Rosa Helena de Mendonça, Joana Ribeiro dos Santos, Noale Toja, Maria Morais

Resumo


O artigo resulta, na perspectiva dos estudos com os cotidianos, de conversas entre quatro pesquisadoras que, a partir do filme O pagador de promessas (1962), apresentam questões acerca de polifonia cultural, fabulações curriculantes, “potência do falso”, intolerância religiosa, entre outras. As autoras dialogam com as “cineconversas” e os personagens conceituais como elementos da metodologia de pesquisa utilizada para a formação de professores. Como questões sociais se transformam em questões curriculares? De que maneira o uso do cinema na educação possibilita a criação de novas redes educativas, a partir das redes que formamos e nas quais somos formados? Autores como Nietzsche, Deleuze, Certeau, Maturana, Candeau, Alves, Stam, Guéron, para destacar alguns, fundamentam este texto.


Palavras-chave


Currículos; "Cineconversas"; Fabulações; Polifonia; Intolerância Religiosa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda Guimarães. Redes educativas, fluxos culturais e trabalho docente: o caso do cinema suas imagens e sons. Projeto de Pesquisa. Financiamentos CNPq, FAPERJ e UERJ, 2012-2017. 2012.

ALVES, Nilda Guimarães; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 1979.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BRASIL. Decreto-lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 1940.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988.

CANDAU, Vera Maria (Org.). Somos todos iguais?: escola, discriminação e educação em direitos humanos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DELEUZE, Gilles. O que é ato de criação? Conferência proferida no “Mardis de la Fondation” (Fundação Europeia de Imagem e Som), em 17 de março de 1987. Disponível em: http://filosofiaemvideo.com.br/conferencia-gilles-deleuze-o-que-e-o-ato-de-criacao-legendas-em-portugues/. Acesso em: 15 jul. 2017.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DETIENNE, Marcel; VERNANT, Jean-Pierre. Métis: as astúcias da inteligência. Tradução Filomena Hirata. São Paulo: Odysseus Editora, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da tolerância. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

GUÉRON, Rodrigo. Da imagem ao clichê, do clichê à imagem: Deleuze, cinema e pensamento. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2011.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal ou um prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução Márcio Pugliesi. São Paulo: Hemus, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. A genealogia da moral. Tradução Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis: Vozes, 2009.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos ‘pensadospraticados’ pelos ‘praticantespensantes’ dos cotidianos das escolas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães (Orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et Alli, 2012. p. 47-70.

O PAGADOR DE PROMESSAS. Direção: Anselmo Duarte. Cinedistri, 1962. Vídeo (91 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vUyDvdB-0u8. Acesso em: 20 jul. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 63, p. 237-280, out. 2002. Disponível em: https://www.ces.uc.pt/bss/documentos/sociologia_das_ausencias.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

STAM, Robert. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 1992.

UNESCO – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração de Princípios sobre a Tolerância. Paris, 1995.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i4p1623-1644

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais