ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE CRIANÇAS DO CLICLO DE ALFABETIZAÇÃO FRENTE À SITUAÇÕES-PROBLEMA QUE ENVOLVEM MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO
STRATEGIES AND PROCEDURES OF CHILDREN OF LITERACY CYCLE IN PROBLEM SITUATIONS INVOLVING MULTIPLICATION AND DIVISION

João Alberto Da Silva, Karin Ritter Jelinek, Vinicius Carvalho Beck, Pâmela Saraiva Miranda, Willian Fonseca

Resumo


Neste artigo relatamos um estudo sobre a competência "Resolver problemas por meio da aplicação das ideias que preparam para a multiplicação e a divisão". O objetivo da pesquisa foi investigar quais são as estratégias e procedimentos que estudantes do Ciclo da Infância constroem a partir de situações-problema que envolvem essa competência prevista na Provinha Brasil. O estudo realizado é de cunho qualitativo e se inspirou na pesquisa participante, na modalidade de investigação-ação escolar que é constituída pelos ciclos de planejamento-ação-observação-reflexão em progressivos níveis de complexidade. Os resultados demonstram que embora os algoritmos possam auxiliar na agilidade dos cálculos envolvendo multiplicação e divisão o seu uso precoce pode interferir na evolução dos significados de multiplicar e dividir.

Palavras-chave


Ciclo da Infância; Provinha Brasil; Multiplicação; Divisão.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Fernando (2012). A epistemologia do professor de matemática. Petrópolis: Vozes.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto Alegre: Porto Editora.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática para séries iniciais. Brasília: MEC/SEF.

CARR, W.; KEMMIS, Stephen (1988). Teoría crítica de la enseñanza: la investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca.

CARRAHER, T. N.; CARRAHER, D. W.; SCHLIEMANN, A. D. (1988). Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez.

CORREA, J.; SPINILLO, A. G. (2004). O desenvolvimento do raciocínio multiplicativo em crianças. In: PAVANELLO, R. M. (Org.). Matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: a pesquisa e a sala de aula. Coleção SBEM, SP, v.2.

FAVERO, Maria Helena; NEVES, Regina da Silva Pina (2009). Competências para resolver problemas e para analisar a resolução de problemas: um estudo junto a professores, licenciandos, pedagogos e psicólogos. In Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas, N.1, v. 13.

FREIRE, Paulo (2002). Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra.

KAMMI, C.; HOUSMAN, L. B. (2002). Crianças pequenas reinventam a aritmética: implicações da teoria de Piaget. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

KEMMIS, S. & MACTAGGART, R. (1988). Cómo planificar la Investigación-Acción. Barcelona: Laertes.

LARA, Isabel Cristina Machado de (2011). O uso da estrutura multiplicativa na resolução de problemas nos anos iniciais da educação básica. In VIDYA, v.31, 105-122.

_______; BORGES, R. (2012). A resolução de problemas de divisão partitiva nos anos iniciais do ensino fundamental. VIDYA, N.1, v.32, 9-20.

LAUTERT, S.; SPINILLO, A. (2011). Estudo de intervenção sobre a divisão: ilustrando as relações entre metacognição e aprendizagem. In Educ. Rev., Curitiba, Número Especial.

LÜDKE, M.; MENGA, A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

MACEDO, L. (2002). Situação-problema: forma e recurso de avaliação, desenvolvimento de competências e aprendizagem escolar. In: PERRENOUD, P. et al. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed.

MEIRIEU, P. (1998). Aprender... sim, mas como? 7 ed. Porto Alegre: Artmed.

MORO, M. L. F. (2005). Estruturas multiplicativas e tomada de consciência: repartir para dividir. Psicologia: Teoria e Pesquisa, N.21, v. 2, 217-226.

NUNES, T. (2003). É hora de ensinar proporção. Revista Nova Escola. Abril.

_____; & BRYANT, P. (1997). Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artmed.

PERRENOUD, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Artmed.

PIAGET, J. & INHELDER, B. (1993). A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

SILVA. M. C. & Valente W. (2013). Uma breve história do ensinar e aprender matemática nos anos iniciais: uma contribuição para a formação professores. In Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.15, Número Especial, 857-871.

SILVA, J. (2010). Escola, Complexidade e Construção do Conhecimento. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária.

______ ; MARINHO, J. C. B.; FRANCA, G. V. A. (2013). Consórcio entre pesquisas: possibilidades para aprofundamento dos estudos qualitativos em educação. In ETD. Educação Temática Digital, v. 15, 443-454.

_______ ; RODRIGUES, C. G. (2012) . A construção de uma unidade didática para o ensino do sistema de numeração em um curso de Pedagogia. In Experiências em Ensino de Ciências (UFRGS), v. 7, 67-52.

VERGNAUD, G. (2009). A criança, a matemática e a realidade. Curitiba: Editora UFPR.

ZABALA, A. (2000). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA