Relações macro e micro na pesquisa em Educação Matemática
Macro and micro relationships in research about Mathematics Education

Maria Isabel Ramalho Ortigao, Carlos Augusto Aguiar Junior

Resumo


Resumo

O texto analisa as relações entre abordagens qualitativa e quantitativa ou relações macro e micro na pesquisa em Educação Matemática desenvolvida em programas de pós-graduação nos últimos dez anos. A discussão é feita a partir de busca ao acervo da Capes, com o intuito de perceber articulações entre essas modalidades de pesquisa. A busca de teses e dissertações foi realizada a partir de palavras-chave e resultou em cinco dissertações e duas teses, defendidas entre 2010 e 2019. A análise evidenciou fraca articulação em cinco dos sete textos. Nestes, a abordagem quantitativa é vinculada à ideia de contagem de frequência e usada para descrever os dados. Nos outros dois trabalhos, as análises evidenciaram forte articulação entre abordagens macro e micro da pesquisa, em que se evidencia um diálogo entre o observado em um e em outro espaço, desenvolvendo um processo de hibridização nas abordagens metodológicas.

Palavras-chave: Pesquisa em Educação Matemática, Abordagem qualitativa-quantitativa, Relações macro-micro.

Abstract

The aim of the current study is to analyze the relationships between qualitative and quantitative approaches, or macro and micro relationships, in research about Mathematics Education developed in postgraduate programs in the last ten years. The discussion was based on a search carried out in Capes’ collection in order to better understand articulations between these research spaces. The search carried out in the Bank of theses and dissertations was based on keywords and resulted in five dissertations and two theses produced between 2010 and 2019. Analysis has shown weak articulation between macro and micro research spaces in five of the seven texts, whose quantitative approach was linked to the idea of frequency counting and used to describe the analyzed data. In two, the analyzes showed a strong articulation between macro and micro research approaches, in which a dialogue between what was observed in one and another space is evident, developing a process of hybridization in methodological approaches.

Keywords: Research in Mathematics Education, Qualitative-quantitative approach, Macro-micro relationships.

Resumen

Enel presente texto se analizalas relaciones entre los enfoques cualitativo y cuantitativo o relaciones macro y micro eninvestigaciónenel área de Educación Matemática desarrolladasen programas de posgradoenlos últimos diezaños. La discusión es desarrollada a partir de labúsquedadel acervo Capes, conelfin de percibirarticulaciones entre estosespacios de investigación. La búsquedaenel Banco de tesis y monografías se llevó a cabo a partir de palabras clave y se hallaron cinco monografías y dos tesis, producidas entre 2010 y 2019. El análisismostró una articulación débil en cinco de lossiete textos. Enestos textos, el enfoque cuantitativo está vinculado alaidea de conteo de frecuencias y se utiliza para describirlosdatos. Endos, losanálisismostraron una fuertearticulación entre enfoques macro y micro de investigación, enlos que se evidencia un diálogo entre lo observado en uno y otroespacio, desarrollandounproceso de hibridaciónen enfoques metodológicos.

Palabras claveInvestigación en Educación Matemática, Enfoque cualitativo-cuantitativo, Relaciones macro y micro

Palavras-chave


Pesquisa em Educação Matemática; Abordagem qualitativa-quantitativa; Relações macro-micro.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilar Júnior, C. A. (2019). Reprovação e política de avaliação na escola: um estudo na rede pública de Niterói. Tese (291f. (Doutorado em Educação – Programa de Pós-Graduação em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro), 2019. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=15621. Acesso em 25 fev. 2020.

Alencar, E. S. & Almouloud, S. A. (2017). A metodologia de pesquisa : metassíntese qualitativa. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 3, pp. 204-220. http://dx.doi.org/10.17058/rea.v25i3.9731.

Alexander, J. (1987). O novo movimento teórico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ANPOCS, v. 2, n.4, pp.5-28. Jun.

Almouloud, S. A. (2017). Fundamentos norteadores das teorias da Educação Matemática: perspectivas e diversidade. Amazônia - Revista de Educação em Ciências e Matemática, v. 13 (27), pp. 05-35. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/5514/4561

Alves, M. T. G. & Ferrão, M. E. (2019). Uma década da Prova Brasil: evolução do desempenho e da aprovação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo v. 30, nº. 75, pp. 688-720, São Paulo. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/6298/3901.

André, M. (2001). Pesquisa em Educação: buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, nº. 113, pp. 51-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a03n113.pdf.

Babbie, E. (2005). Método de pesquisas de survey. (Tradução de Guilherme Cezarino),. 3ª. edição. Belo Horizonte: Ed. UFMG, Belo Horizonte (MG).

Ball, S. J. (1994). Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press.

Ball, S. J. (2001). Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, pp. 99-116. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf.

Ball, S. J. (2002). Reformar escolas/reformar professores e os temores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, – Portugal –, v. 15, n.º 2, pp. 3-23. Disponível em: http://josenorberto.com.br/josenorberto/BALL.%2037415201.pdf.

Ball, S. J.; Maguire, M. & Braun, A. (2016). Como as escolas fazem políticas: Atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: Ed. UEPG.

Battisti, S. (2017). O ensino da Matemática e a utilização das TIC nas escolas estaduais da cidade de Erechim-RS: uma investigação. (Dissertação de Mestrado Profissional em Educação,, Universidade Federal da Fronteira Sul). Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/1580/1/battisti.pdf

Bourdieu, P. (1992). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Dife//Bertrand Brasil S.A.

Brandão, Z. (2001). A dialética macro/micro na sociologia da Educação. Cadernos de Pesquisa, nº. 113, pp. 153-165. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a08n113.pdf.

Brandão, Z. (2002). Pesquisa em Educação: conversas com pós-graduandos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio;. São Paulo: Ed. Loyola.

Corcuff, P. Les nouvelles sociologie. Paris: Nathan, 1995.

D'Ambrósio, B. S. & Lopes, C. E. (2015a). Creative insubordination in Brazilian Mathematics Education Research. USA: Lulu Press.

D'Ambrósio, B. S. & Lopes, C. E. (2015b). Insubordinação criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, v. 29, n. 51, pp. 1-17. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bolema/v29n51/1980-4415-bolema-29-51-0001.pdf.

Fiorentini, D. (2013). A investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática,. año 8, . Nn.úmero 11., pp 61-82. Disponível em: https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/cifem/article/view/14711/13962.

Gatti, B. A. (2001). Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n.º 113, pp. 65-81. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a04n113.pdf.

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa,. Mai-Ago 2006, Vvol. 22, n. 2, pp. 201-210, maio/ago. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

Hauschild, C. A. Características docentes e ações formativas necessárias ao desenvolvimento profissional na iniciação à docência em matemática no âmbito do PIBID'. [(Doutorado em Educação em Ciências Ee Matemática -, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul)]. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/7015/2/tes_cristiane_antonia_hauschild_completo.pdf.

Lave, J. & Wenger, E. (1991). Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge/Nova York: Cambridge University Press.

Lima, R. de L. Avaliação em Geometria no PISA 2012: uma análise dos conteúdos e dos itens disponibilizados pelo INEP. (Dissertação, (114f. Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense) –, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016). Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=10804. Acesso em 21 fev. 2020.

Lopes, A. C. (2006). Relações macro/micro na pesquisa em currículo. Cadernos de Pesquisa, v. 36, nº. 129, pp. 619-635. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v36n129/a0636129.pdf.

Mafra, J. R. e S. & SÁ, P. F de. (2020). Abordagens na pesquisa em Educação Matemática: algumas reflexões e perspectivas epistemológicas. Tempos Espaços Educ. v. 13, n. 32, e-13465, pp. 1-21. http://dx.doi.org/10.20952/revtee.v13i32.13465.

Moraes, E. S. (2006). Os buracos da lousa: reflexões sobre um tema de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n.º 129, pp. 653-672. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v36n129/a0836129.pdf.

Moreira, L. P. (2016). Desafios da pesquisa em política educacional: reflexões sobre modelos e abordagens. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa (ReLePe), v. 1, n. 1, pp. 90-104. Disponível em: https://www.revistas2.uepg.br/index.php/retepe/article/view/10451.

Oliveira, D. P. A. (2012). Um estudo misto para entender as contribuições de atividades baseadas nos fundos de conhecimento e ancoradas na perspectiva sociocultural da história da Matemática para a aprendizagem de funções por meio da pedagogia culturalmente relevante. [(Dissertação de Mestrado Profissional em Educação Matemática, Universidade Federal de Ouro Preto)]. Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/2986/1/disserta%c3%87%c3%83o_estudomistoentender.pdf

Ortigão, M. I. R.; Santos, M. J. C. & Lima, R. L. (2018). Letramento em Matemática no PISA: o que sabem e podem fazer os estudantes? Zetetiké, Campinas, SP, v. 26, n. 2. https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8650093.

Ortigão, M. I. R.; Santos, M. J. S.; & Aguilar Júnior, C. A. (2017). Pesquisa em avaliação: algumas reflexões. Boletim Gepem, nº. 70,. jan. / jun. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/gepem.2017.022

Paola, V. & Meaney, T. (2014). Trends in researching the socioeconomic influences on mathematical achievement. ZDM, vol. 46, n. 7, pp. 977-986. https://doi.org/DOI: 10.1007/s11858-014-0638-3.

Paranhos, R.; Figueirerdo Filho, D. B.; Rocha, E. C. da; Silva Júnior, J. A. da & Freitas, D. (2016). Uma introdução aos métodos mistos. Sociologias, Porto Alegre, ano 18, n.º 42, pp. 384-411. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/soc/v18n42/1517-4522-soc-18-42-00384.pdf.

Pelli, D. (2014). As contribuições do software GeoGebra como um medidor do processo de aprendizagem da Geometria Plana na educação a distância (EAD) em um curso de licenciatura em pedagogia. [(Dissertação de Mestrado Profissional em Educação Matemática, Universidade Federal de Ouro Preto).] Disponível em: https://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/4230/1/disserta%c3%87%c3%83o_contribui%c3%a7%c3%b5essoftwaregeogebra.pdf.

Pereira, G. & Ortigão, M. I. R. (2016). Pesquisa quantitativa em educação: algumas considerações. Periferia, vol. 8, nº. 1, pp. 66-79. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/periferia/article/view/27341/19946.

Rosa, M.; Oliveira, D. P. A. & Orey,; D. C. (2015). Delineando e conduzindo o Método Misto de Pesquisa em investigações em Educação Matemática. Perspectivas em Educação Matemática, v. 8, pp. 749-769. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/828.

Satiro, I. dos S. (2019). Mapeamento do uso de tecnologias digitais no ensino de Matemática nas escolas municipais. [(Mestrado Profissional em Educação Matemática, - Universidade Federal de Juiz de Fora]). Disponível em: https://www2.ufjf.br/mestradoedumat/wp-content/uploads/sites/134/2011/05/disserta%c3%87%c3%83o-mapeamento-do-uso-de-tecnologias.pdf.

Sriraman, B.; English, L. Surveying Theories and Philosophies of Mathematics Education. In: Sriraman, B.; English, L. Theories of Mathematics Education Advances in Mathematics Education. Springer, 2010, pp. 3-32.

Terrell, S. R. (2012). Mixed-Methods Research Methodologies. The Qualitative Report, vol. 17, nº. 1, pp. 254-280. Disponível em: https://nsuworks.nova.edu/tqr/vol17/iss1/14/.

Tréz, T. A. (2012). Caracterizando o método misto de pesquisa na educação: um continuum entre a abordagem qualitativa e quantitativa. Atos de Pesquisa em Educação,. v. 7, n. 4, pp. 1132-1157. Disponível em: https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/1132.

Valero, P. & Meaney, T. (2014). Trends in researching the socioeconomic influences on mathematical achievement. ZDM, vol. 46, n. 7, pp. 977-986. http://dx.doi.org/10.1007/s11858-014-0638-3




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2020v22i3p315-342

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2021 Educação Matemática Pesquisa : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES DA REVISTA
     
             Anti-Plágio