O NECESSÁRIO PARAMÊTRO DE IDENTIDADE PARA A INTERNACIONALIZACÃO DA EDUCACÃO SUPERIOR NO BRASIL

José Alberto Antunes de Miranda, Viviane Bischoff, Luciane Stallivieri

Resumo


A educação superior tem recebido especial atenção por parte dos governos de países centrais que compreenderam a necessidade de incorporar um novo movimento que surge como resposta à globalização: a internacionalização da educação superior. Os dirigentes investem fortemente na definição de políticas públicas, com diretrizes claras e com metas estratégicas para internacionalização de suas estruturas tanto organizacionais quanto programáticas. O presente artigo objetiva aprofundar as reflexões sobre a necessidade da definição de parâmetros de identidade para a internacionalização da educação superior brasileira. O estudo realizado é de natureza qualitativa descritiva, desenvolvido por meio de consultas documentais e bibliográficas. O estudo evidencia a ausência de documentos governamentais que apresentem com clareza as diretrizes brasileiras para a educação internacional, e a necessidade da definição de parâmetros de identidade. Constata-se ações pontuais mais propositivas por parte do Brasil no âmbito de América Latina e na África ao longo dos últimos anos, onde é possível identificar a obtenção de padrões internacionais para os programas de pós-graduação, que formam uma dimensão internacional e intercultural para a pesquisa e o ensino, via ações do Ministério da Educação, porém ainda com baixa intensidade do Ministério de Relações Exteriores.


Palavras-chave


Identidade; Internacionalização; Educação Superior; Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC. Países Parceiros da Cooperação Sul-Sul Brasileira. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

BRACKMANN, Marta Maria. Internacionalização da educação superior e política externa brasileira: a contribuição da UNILA. Revista Competência, [S.l.], v. 6, n.1, p. 11-29, jan./jul. 2013.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores - MRE. A educação na política externa brasileira. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2016.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores - MRE. Discurso proferido pelo Ministro Antonio de Aguiar Patriota por ocasião das comemorações do Dia do Diplomata - 20 de abril de 2011. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

BYRNE, Caitlin; HALL, Rebecca. Australia’s International Education as Public Diplomacy: soft power potential. The Hague: Netherlands Institute of International Relations ‘Clingendael’ and Antwerp University, July 2011. (Discussion papers in diplomacy, n. 121).

CERVO, Amado Luiz.; LESSA, Antônio Carlos. O declínio: inserção internacional do Brasil (2011-2014). Revista Brasileira de Política Internacional, [S.l.], v. 57, n. 2, p. 133-151, 2014.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES (Brasil). Plano Nacional de Pós-Graduação 2011-2020. Brasília: CAPES, 2010. v. 1. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

CROSS, Michael; MHLANGA, Ehpraim; OJO, Emmanuel. Emerging concept of internationalization in South African higher education: conversations on local and global exposure at the university of the Witwatersrand (WITS). Journal of studies in international education, v. 15, n.1, p. 75-92, 2011.

DEARDORFF, Darla. et al. (Orgs.). The sage handbook of international higher education. Califórnia, USA: Sage publications. 2012.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo sociológico. 2. ed. Lisboa: Presença, 1977.

DE WIT, Hans. Internationalization of higher education in the United States of America and Europe: a historical, comparative and conceptual analysis. Westport, CT: Greenwood, 2002.

DE WIT, Hans. Is the international university the future for higher education? International Higher Education, 80, Spring, 2015.

ESPANHA. Ministerio de Educación, Cultura y Deporte. Estrategia para la internacionalización de las universidades españolas 2015 - 2020. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

FRANÇA, Cassio Luiz. de; BADIN, Michelle Ratton Sanchez. A inserção internacional do poder executivo nacional brasileiro. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert Stiftung, 2010. (Análises e propostas, n. 40).

FRANCO, Rolando; COHEN, Ernesto. Evaluación de proyectos sociales. México: Siglo XXI, 1992.

FRANCO, Maria. Estela. et al. Expansão da educação superior e arquiteturas acadêmicas: tensões e desafios. Série-Estudos, Campo Grande. V. 30, p. 117- 139, jul./dez. 2010. (acima de três autores colocar et al)

FRANCO, Maria. Estela; MOROSINI, Marília Costa. Marcos regulatórios e arquiteturas acadêmicas na expansão da educação superior brasileira: movimentos indutores. Revista Educação em Questão. Natal. V.42, n.28, p.149-174, 2012.

HUDZIK, John. Comprehensive internationalization: from concept to action. Washington, DC: NAFSA Association of International Educators, 2011.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2016.

GACEL-ÁVILA, Jocelyne. La internacionalización de la educación superior: paradigma para una Educación Global. México: CUSCH – Universidad de Guadalajara, 2003.

GEOCAPES. Disponível em: . Acesso em: 12 out 2017.

KNIGHT, Jane. Internationalization Remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of Studies in International Education, [S.l.], v. 8, n. 1, p. 5-31, Spring 2004.

KNIGHT, Jane. An Internationalization Model: responding to new realities and challenges. In: WIT, Hans de; JARAMILLO, Isabel Christina; GACEL-ÁVILA, Jocelyne; KNIGHT,Jane. (Ed.) Higher Education in Latin America: the international dimension. Washington, DC: The World Bank, 2005. p. 1-38.

LAUS, Sonia. A internacionalização da educação superior: um estudo de caso da Universidade Federal de Santa Catarina. Tese de doutorado. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2012.

LIMA, Manolita Correia; CONTEL, Fábio Betioli. Períodos e motivações da internacionalização da educação superior brasileira. São Paulo: Escola Superior de Propaganda e Marketing, Universidade de São Paulo. Trabalho apresentado no 5. Colloque de l’IFBAE, em Grenoble, em 18 e 19 de maio de 2009.

______. Internacionalização da educação superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda, 2011.

MANJARRÉS, Natalia Jaramillo; GONZÁLEZ, Claudia Aponte. Elementos para la construcción de una política pública de internacionalización de la educación superior. In: SALMI, Jamil. et al. (Orgs.) Reflexiones para la política de internacionalización de la educación superior en Colombia. Bogotá: Ministerio de Educación Nacional, 2014. p. 267-283. Disponível em: Acesso em: 27 dez. 2014.

MERCOSUL EDUCACIONAL 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.

MERCOSUL Social e Participativo. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

MOROSINI, Marília Costa. Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 93-112, abr. 2011.

NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das Relações Internacionais. São Paulo: Campus, 2001.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Disponível em: Acesso em: 3 jul. 2017.

PINHEIRO, Leticia de Abeu; BESHARA, Gregory Louis. Política externa e educação: confluências e perspectivas no marco da integração regional. In: PINHEIRO, Leticia; MILANI, Carlos Roberto Sanchez (Org.). Política externa brasileira: as práticas da política e a política das práticas. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2012. v. 1., p. 149-180.

SALMI, Jamil. et al. (Orgs.) Reflexiones para la política de internacionalización de la educación superior en Colombia. Bogotá: Ministerio de Educación Nacional, 2014.

STALLIVIERI, Luciane. Internacionalização e intercâmbio: dimensões e perspectivas. Curitiba: Appris, 2017. UNITED NATIONS EDUCATIONAL, SCIENTIFIC AND CULTURAL ORGANIZATION - UNESCO. Higher Education in Asia: expanding out, expanding up. Montreal: UNESCO Institute for Statistics, 2014.

UNIVERSIDADE DE INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA - UNILAB. Institucional. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINOAMERICANA - UNILA. Cursos UNILA. 2016. Disponível em: Acesso em: 14 nov. 2016.

VISENTINI, Paulo Fagundes. Relações internacionais do Brasil: de Vargas a Lula. 2. ed. atual. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i2p726-747

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais