REINVENTANDO A FORMAÇÃO DOCENTE: UMA EXPERIÊNCIA DEMOCRÁTICA E EMANCIPATÓRIA NA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Maurício Cesar Vitória Fagundes, Elisa Daniele de Andrade

Resumo


Este artigo coloca em tela um processo de formação continuada desenvolvido com docentes, membros dos Conselhos Escolares e aberto à comunidade escolar de nove Unidades Educacionais do Campo do município de Araucária. O objetivo principal deste artigo é discutir as possibilidades ou provocações que podem ser geradas por um processo de formação, que sinaliza a intencionalidade na implementação e/ou avanço da democratização da Educação do Campo. A metodologia utilizada foi uma pesquisa de base qualitativa, referenciada na pesquisa participante, utilizando para a coleta de dados grupos de discussões, observação participante e complementada pela análise documental. O registro para posterior sistematização foi por meio do diário de campo. Este estudo teve como principais aportes teóricos Freire (1996, 1979), Lima (2010), Marcelo (2010), Paro (2016) e Brandão (1993). Como resultado deste estudo, foi possível perceber a necessidade da ampliação da oferta de formação continuada específica para a Educação do Campo. Também se percebeu que, de forma coletiva, os docentes redescobrem o poder e a capacidade profissional de realizar e propor outro tipo de formação, como também propor condições objetivas para o exercício profissional docente, refletindo a assunção de uma postura democrática na direção da emancipação humana.

Palavras-chave


Formação continuada; Gestão democrática; Pesquisa participante.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUCÁRIA (Município). Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Municipais de Educação. 2010.

ARAUCÁRIA (Município). Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Cultura. Coleção História de Araucária. 1997.

ARAUCÁRIA (Município). Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Educação. Plano Municipal de Educação. 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília: MEC, 2014.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org.). Pesquisa participante. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CALDART, Roseli Salete; CERIOLI, Paulo Ricardo; KOLLING, Edgar Jorge. Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, 2002. (Coleção por uma Educação do Campo, nº 4).

CASASSUS, J. El precio de la evaluación estandarizada: la pérdida de calidad y la segmentación social. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, Anpae, v. 23, n. 1, p. 71-79, 2007.

FAGUNDES, Maurício Cesar Vitória et al. Gestão e Processos em Educação, Diversidade e Inclusão. Curitiba: UFPR Litoral, 2016.

FAGUNDES, Maurício Cesar Vitória. Repensando a formação docente. Curitiba: Anpae, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LIMA, Jucimara Bengert. Formação continuada e desempenho estudantil: o caso de Araucária – Paraná. Curitiba, 2010.

MACHADO, L. M. Formação continuada e gestão da educação: por uma política de qualificação. Curitiba: UTP, 2009.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, v. 8, p. 7-22, 2009.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Operacionais Estaduais de Educação do Campo. Curitiba: Seed/PR, 2010.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2020v18i2p930-950

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais