RACIONALIDADE DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR NAS ESCOLAS FAMILIARES RURAIS MOÇAMBICANAS

Janinha Gerke, Tané Joaquim Sinalo

Resumo


A pesquisa que sustenta este artigo teve como propósito avivar os esforços das Escolas Familiares Rurais (EFRs) praticantes da Pedagogia da Alternância na República de Moçambique. Trata-se de um estudo que fez uso do método dialético e objetivou precipuamente avaliar a racionalidade do currículo desenvolvido em Pedagogia da Alternância. Os resultados da pesquisa foram alcançados mediante a aplicação da técnica de análise de conteúdo. Eles revelaram que, no contexto moçambicano, a racionalidade de um currículo desenvolvido em Pedagogia da Alternância centra-se na necessidade de que os jovens do meio rural usufruam do direito a uma educação profissional condigna, preservante dos valores autóctones, e no compromisso das Escolas Familiares Rurais em produzir uma educação integral, humanizada, de qualidade, como também para o enfrentamento dos desafios do mundo do trabalho na sociedade atual.


Palavras-chave


Currículo; Desenvolvimento curricular; Formação humana integral; Pedagogia de alternância

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, José Matias. O Projeto Fénix e a progressiva transformação da gramática escolar. In: ALVES, José Matias; MOREIRA, Luísa Tavares (Orgs.). Projeto Fénix: as artes do voo e as ciências da navegação. Porto: FEeP/UCP, 2012. p. 83-120.

APPLE, Michael. Os professores e o currículo: abordagens sociológicas. Lisboa: Educa, 1997.

AZEVEDO, Joaquim. Como construir uma escola de qualidade para todos, onde se aprende melhor? In: AZEVEDO, Joaquim de; ALVES, José Matias (Orgs.). Projeto Fénix ‒ mais sucesso para todos: memórias e dinâmicas de construção do sucesso escolar. Porto: FEeP/UCP, 2010. p. 13-30.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Indicadores da qualidade na educação. Unicef, PNUD, Inep-MEC (Coord.). São Paulo: Ação Educativa, 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Consescol/ce_indqua.pdf Acesso em: 10 mar. 2020.

BROUWER, Roland; BRITO, Lídia; MENETE, Zélia. Educação, formação profissional e poder. In: BRITO, Lídia et al. (Orgs.). Desafios para Moçambique, 2010. Maputo: IESE, 2009. p. 273-296.

CARNEIRO, Roberto. The future of knowledge acquisition and sharing (A Contribution to “Vision 2025”). Paris: UNESCO, 2009.

CONTRERAS, José Domingo. Enseñanza, curriculum y professorado. Madrid: Akal, 1990.

DOURADO, Luis Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira de; SANTOS, Catarina de Almeida. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília: INEP, 2007.

FREIXO, Manuel João Vaz. Metodologia científica: fundamentos, métodos e técnicas. Lisboa: Instituto Piaget, 2009.

GARANDERIE, Antônio de la. Crítica da razão pedagógica. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

GARCIA, Sandra Regina de Oliveira. Educação Profissional Integrada ao Ensino Médio no Paraná: avanços e desafios. Orientadora: Acácia Zeneida Kuenzer. 2009. 147 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

GARCÍA-MARIRRODRIGA, Roberto; PUIG-CALVÓ, Pedro. Formação em alternância e desenvolvimento local: o movimento educativo dos CEFFA no mundo. Belo Horizonte: O Lutador, 2010.

GERKE DE JESUS, Janinha. Formação dos professores na pedagogia da alternância: saberes e fazeres do campo. Vitória: GM, 2011.

GERKE, Janinha; SANTOS, Silvanete Pereira dos. Alternância e seus 50 anos: uma possibilidade formativa da educação do campo. Rev. Bras. Educ. Camp., v. 4, e 7292, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20873/uft.rbec.e7292. Acesso em: 10 mar. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GIMONET, Jean Claude. Nascimento e desenvolvimento de um movimento educativo: as casas familiares rurais de educação e formação. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: Alternância e Desenvolvimento, 1., 1999, Salvador. Anais... Salvador: Unefab, 1999. p. 39-48.

GOODSON, Ivor. The making of curriculum. London: Falmer Press, 1988.

GRUNDY, Shirley. Curriculum: product or praxis? London: The Falmer Press, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Teoria y praxis. Tradução Salvador Mas Torres e Carlos Moya Espi. Madrid: Tecnos, 1987.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Tradução Lúcia Mathilde Endlich Orth. 7. ed. Petrópolis: Vozes,1985.

KEMMIS, Stephen. El curriculum: más allá de la reproducción. Madrid: Morata, 1988.

KLIEBARDE, Hebert. Curriculum theory: give me a “for instance”. Curriculum Inquiry, v. 6, n. 4, p. 257-269, 1977.

KUENZER, Acácia Zeneida. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302007000300024&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 mar. 2020.

LAHIRE, Bernard. O homem plural: as molas da acção. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MAPUTO. Agenda 25: visão e estratégias da Nação. Comitê de Conselheiros da Agenda 2025. Maputo: Elo Gráfico, 2003. Disponível em https://issuu.com/laquefrancisco/docs/agenda-2025-2013__1_ Acesso em: 16 mar. 2020.

MCCUTCHEON, Gail. What in the world is curriculum theory? Theory into Practice, v. 21, n. 1, p. 18-22, 1982. Disponível em: 10.1080/00405848209542975. Acesso em: 10 mar. 2020.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Brasília: UNESCO, 2003.

OLIVEIRA, Lia Maria Teixeira; CAMPOS, Marília. Educação básica no campo. In: CALDART, Roseli Salete et al. (Orgs.). Dicionário da educação do campo. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012. p. 237-246.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em administração. Catalão: Universidade Federal de Goiás, 2011.

PACHECO, José Augusto. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 2001.

PINA, Taciana Petean. A influência da Pedagogia de Alternância na formação de jovens sucessores da agricultura familiar: a Escola Técnica Estadual (Etec) de Andrina como promotora de valorização do modo de vida rural. Orientador: Antônio Lázaro Sant Ana. 2017. Tese (Doutorado em Agronomia) – Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, São Paulo, 2017.

RIBEIRO, Antônio Carrilho. Desenvolvimento curricular: para a compreensão crítica da educação. 8. ed. Lisboa: Texto Editora, 1999.

ROLDÃO, Maria do Céu. Gestão curricular: fundamentos e práticas. Lisboa: DEB, 1999.

ROLDÃO, Maria do Céu. Gestão intermédia: conselhos de turma e departamentos curriculares. In: BETTENCOURT, Ana Maria (Coord.). Materiais de apoio a trabalho de professores. Opúsculo n. 1. ME e ESSE de Setúbal, 2008. p. 131-140.

TABA, Hilda. Elaboración del currículo. 6. ed. Buenos Aires: Troquel, 1983.

ZABALZA, Miguel. Diseñoy desarrollo curricular. Madrid: Morata, 1987.

ZABALZA, Miguel. Planificação e desenvolvimento curricular na escola. Porto: Edições ASA, 1992.

ZAIS, Robert. Curriculum: principles and foundations. New York: Harper & Row, Publishers, 1976.




DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2021v19i1p497-516

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais