Tipos de conflitos entre/nos textos de professores de matemática e acadêmicos em um trabalho colaborativo
Types of conflict between/ us math teacher and academic texts in a collaborative work

Flávia Cristina de Macêdo Santana, Jonei Cerqueira Barbosa

Resumo


O artigo tem como objetivo identificar, descrever e analisar tipos de conflitos entre/nos textos de professores de matemática e acadêmicos em um trabalho colaborativo. O procedimento metodológico utilizado foi a observação. Os dados foram coletados durante as reuniões de um grupo que realizava um trabalho colaborativo e a filmagem foi o instrumento de registro usado para esse fim. Apoiamo-nos também nos registros do diário de campo e nos materiais produzidos pelo grupo para obter dados complementares. Identificamos três tipos de conflitos, a saber: conflito conceitual, conflito pedagógico e conflito organizacional. De modo geral, dentre os resultados alcançados, destacamos que os conflitos estão relacionados, entre outros aspectos, com as diferenças entre/nos textos produzidos pelos participantes.


The article aims to identify, describe and analyze types of conflicts between / in mathematics teacher and academic texts in a collaborative work. The methodological procedure used was the observation. Data were collected during meetings of a group who performed a collaborative work and the footage was the recording instrument used for this purpose. Also we support you in the field diary records and materials produced by the group for additional information. We identify three types of conflicts, namely: conceptual conflict, teaching conflict and organizational conflict. Overall, among the results achieved, we point out that conflicts are related, among other things, with the differences between / in the texts produced by the participants.



Palavras-chave


conflito; trabalho colaborativo; professores de matemática.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHINSTEIN, B. (2002). Conflict amid community: The micropolitics of teacher collaboration. Teachers College Record, California, Santa Cruz, v. 104, n. 3, p. 421-455, Apr.

ALMEIDA, M.; SEPÚLVEDA, C. de A. S.; EL-HANI, Charbel (2013). Colaboração entre professores de ciências e pesquisadores universitários: organização social e tensões na dinâmica de um grupo colaborativo de pesquisa. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9, 2013. Águas de Lindóia. Actas... Águas de Lindóia: ABRAPEC.

ALMEIDA, Mariangela Cerqueira. (2014). Colaboração entre pesquisadores e professores de ensino de ciências e biologia: um estudo da organização e desenvolvimento da prática social do grupo Coppec. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Instituto de Física/Departamento de Ciências Exatas, Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. (2002). O método nas ciências sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. (Org.). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira.

BERDNARZ N., FIORENTINI, D. & HUANG, R. (2008). TSG 28: Inservice Education, Professional Life and Development of Mathematics Teachers: A tentative of synthesis. In: INTERNATIONAL CONGRESS MATHEMATICAL EDUCATION, 11, 2008, Monterrey, México. Actas…Monterrey: Mexican Mathematical Society.

BERNSTEIN, B. (1900). Class, codes and control: the structuring of pedagogic discourse. London: Routledge, v. 4.

_________(1996). Pedagogía, control simbólico e identidad: teoria, investigación y critica. Tradución de Pablo Manzano. Revisión de Basil Bernstein y Julia Varela, Madrid: Morata.

__________ (2000). Pedagogy, symbolic control and identify: theory, research, critique. Lanham: Rowman & Littlefield.

BOAVIDA, A. M; PONTE, J. P. (2002). Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In: GTI (ed.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM.

CORDISCO, Ariel. (2005). Roles, Imágenes y contextos socioculturales em uma situación de visita em um texto dramático argentino. In: BRAVO, D. (ed). Estudios de La (des) cortesia em español. Buenos Aires: Dunken.

COSTA, Gilvan Luiz Machado; FIORENTINI, Dario. (2007). Mudança da cultura docente em um contexto de trabalho colaborativo de introdução das tecnologias de informação e comunicação na prática escolar. Bolema, v. 20, n. 27, p. 1-19.

COSTA, Gilvan Luiz Machado. (2008). Trabalho colaborativo mediado pelas tecnologias de informação e comunicação na formação de professor de matemática: indícios de mudança da cultura docente. Boletim GEPEM, n. 52, p. 69-84, jan./jun.

CYRINO, Márcia. C. C. T. (2013). Formação de professores que ensinam matemática em comunidades de prática. CONGRESO IBEROAMERICANO DE EDUCACIÓN MATEMÁTICA, 7, 2009, Montevideo. Actas... Montevideo: S.E.M.UR.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction: the discipline and practice of qualitative research. (2003). In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. 3. ed. Thousand Oaks: Sage Publications.

ESPINOSA, Alfonso Jiménez. (2002). Quando professores de Matemática da escola e da universidade se encontram: re-significação e reciprocidade de saberes. 2002. 237f. Tese (Doutorado em Educação – Área de concentração em Educação Matemática). Faculdade de Educação da Universidade de Campinas. Campinas (SP).

FERREIRA, Ana Cristina. (2006). Desenvolvimento profissional de professoras de matemática em um grupo colaborativo: uma visita aos bastidores metodológicos da pesquisa. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 3, 2006. Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia: SBEM. 1 CD-ROM.

FERREIRA, A. C.; MIORIM, M. A. (2011). Collaborative work and the professional development of mathematics teachers: analysis of a Brazilian experience. In: BEDNARZ, N; FIORENTINI, D.; HUANG, R. (Org.). International approaches to professional development of mathematics teachers. Ottawa: University of Ottawa Press.

FIORENTINI, D. (2004). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In.: BORBA, M.; ARAÚJO, J. L. (org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

__________ (2009). Quando acadêmicos da universidade e professores da escola básica constituem uma comunidade de prática reflexiva e investigativa. In: FIORENTINI, D; GRANDO, E.C.; MISKULIN, R. G. S. (org.) Prática de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática. Campinas: Mercado de Letras.

FREUND, C. S. (2008). Professores, alunos e suas famílias: uma análise da escola a partir de idéias de Basil Bernstein. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 11, n. 1, p. 43-62.

GAMA, Renata Prenstteter; FIORENTINI, D. (2009). Formação continuada em grupos colaborativos: professores de matemática iniciantes e as aprendizagens da prática profissional. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.11, n.3, p.441-461.

GOULET, Linda; KRENTZ, Caroline; CHRISTIANSEN, Helen. (2003). Collaboration in Education: The Phenomenon and Process of Working Together. The Alberta Journal of Educational Research, v. XLIX, n. 4, p. 325-340, Winter.

ICMI - Internationl Comission on Mathematical Instruction (2012). ICMI Study 22 – Task design in mathematics education (Document). Disponível em: http://www.mathunion.org/icmi. Acesso em: 18 jan. 2013.

LICHTMAN, M. (2010). Qualitative research in education: a user`s guide. Thousand Oaks: Sage Publications.

MARQUESINI, D. F. B e NACARATO, A. M.. (2011). A prática do saber e o saber da prática em geometria: análise do movimento vivido por um grupo de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Zetetiké, CEMPEM-FE/UNICAMP, v. 19, n. 35, p. 103-137, jan./jun.

MEIRINK, J. A. (2007). Individual teacher learning in a context of collaboration in teams. Tese (Doutorado). Leiden University Graduate School of Teaching, Universiteit Leiden. Leiden.

MEIRINK, J. A., IMANTS, J., MEIJER, P.C.; VERLOOP, N. (2010). Teacher learning and collaboration in innovative teams. Cambridge Journal of Education, v. 40, n. 2, p.161–181.

MESA, Lourdes Montero. (2011). El trabajo colaborativo del profesorado como oportunidad formativa. CEE Participación Educativa, n.16, p. 69-88, marzo 2011.

MISKULIN, Rosana Giaretta Sguerra; PENTEADO, Miriam Godoy; RICHIT, Andriceli; MARIANO, Carla Regina. (2011). A Prática do Professor que Ensina Matemática e a Colaboração: uma reflexão a partir de processos formativos virtuais. Bolema, Rio Claro (SP), v. 25, n. 41, p. 173-186, dez.

MORAIS, Ana Maria Morais; NEVES; Isabel Pestana. (2007). A teoria de Basil Bernstein: alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 2, n. 2, p. 115-130, jul.-dez.

MORAIS, A. M.; NEVES, I. P. (2013). Estudo do posicionamento dos alunos na sua relação com o sucesso escolar. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 293-318, jan./mar. 2013. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 20 set.

NACARATO, A. M. (2005). A escola como lócus de formação e de aprendizagem: possibilidades e riscos da colaboração. In: FIORENTINI, D.; NACARATO A. M. (Org.). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: investigando e teorizando a partir da prática. São Paulo: Musa Editora; Campinas, SP: GEPFPM-PRAPEM-FE/UNICAMP, p. 175-195.

NACARATO, Adair Mendes; GRANDO, Regina Célia. (2009). Análise compartilhada de aulas: processo formativo na, da e sobre a docência. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 4, 2009, Brasília (DF). Anais... Brasília: SBEM.1 CD-ROM.

OLIVEIRA, A. M. P. (2010). Modelagem matemática e as tensões nos discursos dos professores. 2010. 199f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Instituto de Física/Departamento de Ciências Exatas, Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.

PASSOS, Carmem Lúcia Brancaglion; OLIVEIRA, Rosa M. M. A. de; GAMA, Renata Prenstteter. (2009). Práticas potencializadoras do desenvolvimento profissional docente: atividade de ensino, pesquisa e extensão. In: FIORENTINI, Dario; GRANDO, Regina Célia; MISKULIN, Rosana G. Sguerra (0rg.). Práticas de formação e pesquisa de professores que ensinam matemática. Campinas, SP: Mercado de Letras. (Série de Educação Matemática).

PETER-KOOP; A.; SANTOS-WAGNER, V: M.; BREEN, C.; BEGG; A. (ed.). (2003). Collaboration in teacher education: examples from the context of mathematics education. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

REMILLARD, J. T. (2005). Examining key concepts in research on teachers’ use of mathematics curricula. Review of Educational Research, v. 75, n. 2, p. 211-246.

ROLDÃO, M. C. (2007). Colaborar é preciso: questões de qualidade e eficácia no trabalho dos professores. Dossier, Lisboa: Ministério da Educação/DGIDC, n. 71, p. 24-29, out./dez.

SANTOS, L. (2003). Bernstein e o campo educacional: relevância, influências e incompreensões. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 15-49, nov.

TRALDI JR., Armando e PIRES, Célia M. C. (2009). Grupo colaborativo e o desenvolvimento profissional de formadores de professores de matemática. Zetetiké — Cempem /FE/ Unicamp, Campinas, v. 17, n. 31, p. 47-84, jan./jun.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2016



Ficha Catalográfica
 

Educação Matemática Pesquisa : revista do Programa
   de Estudos Pós-Graduados em Educação     Matemática. - São Paulo.
   Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Programa de Estudos
   Pós-Graduados em Educação Matemática .
-- v.1, n.1 (1999)- .

Quadrimestral
ISSN 1983-3156

https://revistas.pucsp.br/emp

1. Matemática - Estudo e ensino - 2.Matemática - Pesquisa.
I. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática

CDD 510.7
510.72

Bibliotecária:Carmen Prates Valls CRB 8a.-556

Indexadores da Revista

     
             Anti-Plágio