Desenvolvimento do Pensamento Teórico de Professores dos Anos Iniciais sobre Frações<br>Development of the theoretical thinking of early years teachers about fractions

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2020v22i2p425-451

Palavras-chave:

Teoria histórico-cultural, Fração, Formação de Professores

Resumo

Resumo

O artigo analisa o desenvolvimento de aspectos do pensamento teórico do professor sobre frações, em particular: mediação de grandezas contínuas e a equivalência de frações. Apoiada teoricamente na perspectiva histórico-cultural e na Teoria da Atividade, a pesquisa adotou a Atividade Orientadora de Ensino (AOE) como referência para a organização de ações de uma formação continuada de professores. A análise dos dados produzidos junto aos professores revela a superação da ideia de fração como a quantificação discreta de partes já dadas de um inteiro, a criação de subunidade como estratégia para a quantificação de grandeza contínua e a apropriação do sentido de comparação de frações por meio de frações equivalentes. Concluímos que tais elementos revelam aspectos da superação do pensamento empírico pelo pensamento teórico.

Palavras-chave: Teoria Histórico-Cultural; Fração; Formação de Professores.

                                          Abstract

The article analyzes the development of aspects of the teacher's theoretical thinking about fractions, in particular: the mediation of continuous quantities and the equivalence of fractions. Supported theoretically by the historical-cultural perspective and the Theory of the Activity, the research adopted the Teaching Guiding Activity (AOE) as a reference for the organization of continuous teacher education. The analysis of the data produced with teachers reveals the overcoming of the idea of the fraction as the discrete quantification of parts already given of a whole, the creation of a subunit as a strategy for the quantification of continuous magnitude and the appropriation of the sense of comparing fractions by means of equivalent fractions. We conclude that such elements reveal aspects of the overcoming of empirical thinking by theoretical thinking.

Keywords: Cultural-Historical-Theory; Fraction; Teaching Guiding Activity.

 

Resumen

El artículo analiza el desarrollo de aspectos del pensamiento teórico del profesor sobre fracciones, en particular: mediación de avances continuos y equivalencia de fracciones. Teóricamente apoyado en la perspectiva histórico-cultural y en la Teoría de la Actividad, una investigación adoptó la Actividad de Orientación Docente (AOE) como referencia para organizar acciones para la formación continua del profesorado. El análisis de los datos elegidos con los maestros revela una superación de la idea de fracción como una cuantificación de partes ya otorgadas un número entero, una creación de subunidad como estrategia para la cuantificación de magnitud continua y la apropiación del sentido de comparar fracciones por medio de fracciones equivalentes. Concluya que estos elementos revelan aspectos de superar el pensamiento empírico mediante el pensamiento teórico.

Palabras clave: Teoría Histórico-Cultural; Fracción; Formación del profesorado

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lidiane Chaves Zeferino, Universidade Federal de São Paulo

Doutoranda em Educação na Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Mestrado em Educação pela UNIFESP (2016). Graduação em Pedagogia (2010). Atualmente vice-diretora em uma escola do ensino fundamental do Município de Guarulhos.

Vanessa Dias Moretti, Universidade Federal de São Paulo

Doutora em Educação, Professora Associada do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Referências

Abrahão, A. M. C. (2016). Frações e Decimais: compreender para ensinar números racionais. Perspectivas da Educação Matemática, v. 9, n. 21.

Caraça, B. de . (1989). Conceitos Fundamentais da Matemática. 4 ed. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.

Caraça, B. de J. (2002). Conceitos fundamentais de matemática. 9 ed. Lisboa: Gradiva.

Catalani, E. M. T. (2002). A inter-relação forma e conteúdo no desenvolvimento conceitual da fração [Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de Campinas]. http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252233

Cedro, W. L.; de Moraes, S. P. G.; da Rosa, J. E (2010). A Atividade de Ensino e o Desenvolvimento do Pensamento Teórico em Matemática. Ciência & Educação, v. 16, n. 2, p. 427-445.

Cedro, W. L. (2008). O motivo e a atividade de aprendizagem do professor de Matemática: uma perspectiva histórico-cultural. [Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-17122009-080649/pt-br.php

Davidov, V.V. (1982). Tipos de generalización em la enseñanza. Havana: Pueblo y Educación.

Davidov, V.V. (1988). La enseñanza escolar el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Moscú: Editorial Progreso.

Dias, M. S & Moretti, V. D. (2011). Números e operações: elementos lógico-históricos para atividade de ensino. Curitiba: Ibpex.

Dias, M S. (2007). Formação da imagem conceitual da reta real: um estudo do desenvolvimento do conceito na perspectiva lógica-histórica. [Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-10102007-145627/pt-br.php

Leontiev, A. N. (1078). O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário.

Leontiev, A. N. (1983). Actividad, consciência, personalidade. Ciudad de La Habana. Pueblo y Educación.

Magina, S. & Campos, T. (2008). A fração na perspectiva do professor e do aluno das séries iniciais da escolarização brasileira. Boletim de Educação Matemática, São Paulo, v. 21, n. 31.

Marx, K. (1984). O Capital: Crítica da Economia Política. Livro I, v. I, 9. ed. São Paulo: Difel.

Mocrosky, L. F. et al . (2019). Frações na Formação Continuada de Professoras dos Anos Iniciais: fragmentos de uma complexidade. Bolema, Rio Claro, v. 33, n. 65, p. 1444-1463, Dec.

Moretti, V. D. (2007). Professores de Matemática em atividade de ensino: uma perspectiva histórico-cultural para a formação docente. [Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-05102007-153534/pt-br.php

Moretti, V. D. & Moura, M. de. O. (2011). Professores de Matemática em Atividade de Ensino: Contribuições da Perspectiva Histórico-Cultural para a Formação Docente. Ciência & Educação, v. 17, n. 2, p. 435-450.

Moura, M. O. (Org.). (1996). Controle da variação de quantidades. Atividade de ensino. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Moura, M. O. (Org.). (2010). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. Brasília: Liber livros.

Moura, M. O. (2004). Pesquisa colaborativa: um foco na ação formativa. In: Barbosa, R. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas na formação de educadores. Marília-SP: Ed. Da Unesp.

Moura, M. O. (2000). O educador matemático na coletividade de formação: uma experiência com a escola pública. [Tese de Livre Docência em Educação, Universidade de São Paulo]

Moura, M. O. & Cedro, W. L. (2012). Possibilidades Metodológicas na Pesquisa em Educação Matemática: o experimento didático. Educativa, 15.1: 25-38.

Moura, M. O. & Lanner de M. A. R. (1998). Escola: Um Espaço Cultural. Matemática na Educação Infantil: Conhecer, (re)criar – Um modo de lidar com as dimensões do mundo. São Paulo: Diadema/SECEL.

Perlin, P. (2014). A formação do professor dos anos iniciais do ensino fundamental no movimento de organização do ensino de fração: Uma contribuição da Atividade Orientadora de Ensino. [Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de Santa Maria]. https://repositorio.ufsm.br/handle/1/7129

Rosa, J. E. et al. (2013). Relações entre as proposições para o ensino do conceito de fração com base no ensino tradicional e na Teoria Histórico-Cultural. REVEMAT. Florianópolis (SC), v.08, Ed. Especial (dez.), p. 227-245.

Rubtsov, V. (1996). A atividade de aprendizado e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: Garnier, C.; Berdnarz, N.; Ulanovskaya, I. (Org.). Após Vygotsky e Piaget: perspectivas sociais e construtivista escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas.

Vigotski, L. S. (1988). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem / Lev Semenovich, Alexander Romanovich Luria, Alex N. Leontiev; Tradução Maria da Penha Villalobos. – São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo.

Vigotski, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. In Vigotsky, L.S.; organização Michael Cole...[et al.] tradução José cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange astro Afeche – 7ed. São Paulo: Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2010). A construção do pensamento e da linguagem; Tradução Paulo Bezerra. – 2ª. Ed./ 3ª. Tiragem – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Zeferino, L. C. (2016). Aprender A Ensinar Frações A Partir Do Conceito De Atividade Orientadora De Ensino: Um Estudo Com Professores De Quartos E Quintos Anos Do Ensino Fundamental. [Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de São Paulo]. http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/46976

Downloads

Publicado

2020-08-27

Como Citar

ZEFERINO, L. C.; MORETTI, V. D. Desenvolvimento do Pensamento Teórico de Professores dos Anos Iniciais sobre Frações&lt;br&gt;Development of the theoretical thinking of early years teachers about fractions. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 425–451, 2020. DOI: 10.23925/1983-3156.2020v22i2p425-451. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/48011. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos