Reflexões de professores sobre divisão de fração por fração: compreensões e filosofias

compreensões e filosofias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2023v25i1p47-77

Palavras-chave:

divisão, fração, ensino, aprendizagem, reflexões filosóficas

Resumo

Neste texto, apresentam-se resultados de uma investigação qualitativa colaborativa, realizada em 2020 e 2021, em um grupo de professores sobre conhecimentos necessários ao docente que vai ensinar divisão de fração por fração no ensino fundamental. A metodologia utilizada foi a reflexão sobre a prática de seis professoras acerca de seus entendimentos e conhecimentos sobre o tema em encontros semanais do grupo. Traz um diálogo entre ensino e aprendizagem, ao buscar a compreensão do conceito e sua transposição didática, com base nas reflexões do grupo e no que pensam autores de educação matemática e à luz da filosofia. Discutem-se alternativas de algoritmos para o acesso ao conceito formal e a relevância deste, ao procurar o entendimento instrumental e relacional de uma tarefa. Uma das autoras tinha usado anteriormente com estudantes de pedagogia tal tarefa avaliativa em 2021. O estudo sugere ser possível ensinar este tema com compreensão, desde que o professor tenha objetivos claros, conhecimento conceitual e pedagógico de como ensinar fração e operações com frações. Ademais, recomenda que o professor considere os limites da contextualização, mas com a consciência de que a matemática não se produz em um vácuo. Enfim, mostra como um grupo de seis professoras refletiu sobre os próprios conhecimentos, quando evidenciaram potencialidades e fragilidades no ensino de tal tema..

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bernadete Verônica Schaeffer Hoffman Hoffman, PMV/SEME - Secretaria Municipal de Educação de Vitória

Mestre em Educação

Jaqueline Magalhães Brum, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação

Vânia Maria Pereira dos Santos-Wagner, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação Matemática

Referências

Almouloud, S. A (2011). As transformações do saber científico ao saber ensinado: o caso do logaritmo. January, Educar em Revista, número especial (Editora UFPR), 191-210.

Ball, D. L., Thames, M. H., Phels, G. (2008) Content Knowledge for Teaching: what makes it special?. Journal of Teacher Education, v. 59, n. 5, november/december., 2008, 389-407.

Bazet, L. M. B.; Silva, S. A. F. da. (2015) Narrativas sobre o conceito de divisão em grupo de estudos. (Orgs.). Vitória: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo.

Bicudo, M. A. V., Monteiro, R. P. & Baier, T. (2019). Apresentação dossiê: Filosofia da Educação Matemática. Revista Educere Et Educare, v. 15, n. 33, set./dez. 2019, 1-6. Revista de Educação: Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Cifuentes, J. C., Santos, A. H. dos. (2019). Da percepção à imaginação: aspectos epistemológicos e ontológicos da visualização em matemática. Revista Educere Et Educare, v. 15, n. 33, set./dez. 2019, 1-21. Revista de Educação: Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

D’Ambrósio, U. (2006) Etnomatemática e educação. In Knijnik, G. Vanderer, F. & Oliveira, C. J. Etnomatemática e formação de professores. (Org.). Santa Cruz do Sul: EDUNISC (pp. 39-72).

Ernest, P., Skovsmose, O., Bendegem, J. P. Bicudo, M. Miarka R. Kvasz, L & Moeller, R. (2016). The philosophy of mathematics education. Series editor. Gabriele Kaiser. Faculty of Education, University of Hamburg, Hamburg, Germany. Disponível em https://www.springer.com/series/14352.

Fiorentini, D.; Lorenzato, S. (2007) Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 2. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados.

Gómez-Chacón, I. M. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Tradução: Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed.

Guerra, R. B., Santos da Silva, F. H. (2008). As operações com frações e o princípio da contagem. Bolema, Rio Claro (SP), Ano 21, nº 31, 2009, 41-54.

Harouani, H. (2015). Purpose and education: the case of mathematics. Doctoral dissertation, Harvard Graduate School of Education. https://dash.harvard.edu/handle/1/16461047

Hoffman, B. V. S. (2012). O uso de diferentes formas de comunicação em aula de matemática no ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Hoffman, B. V. S., Oliveira, A. P. de, Souza, S. R. De. A construção do conceito dedivisão: estratégias próprias na resolução de problemas. In Bazet, L. & Silva, S. A. F. da (Orgs.), Narrativas sobre o conceito de divisão em grupo de estudos. (Orgs.). Vitória: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (pp. 63-84).

Junior, J. G. M., Wielewski, G. D. (2021). Potenciais oportunidades formativas com MTSK e pesquisas científicas sobre frações e operações. REAMEC, Revista da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v.9, n.1, e21003, janeiro-abril, 1-18.

Lopes, A. J. (2008). O que nossos alunos podem estar deixando de aprender sobre frações, quando tentamos lhes ensinar frações. Bolema, Rio Claro (SP), v. 21, n. 31, 1-22, 2008.

Lorenzato, S. (2006). Para aprender matemática. Campinas, SP: Autores Associados.

Mathias, C. (2017) Formação ou deformação inicial de professores? Uma crítica aos cursos de Licenciatura em Matemática. Revista Thema. v.14, n. 2, 5-8.

Mathias, C. (2015) Trocando em miúdos. Ser professor é uma arte de fim social Jornal dá Licença. Ano XX, n. 65. out. nov. dez., 3. Universidade Federal Fluminense.

Muniz, C. A. (2009). Diversidade dos conceitos das operações e suas implicações nas resoluções de classes de situações. In: Guimarães, G. & Borba, R. (Org.). Reflexões sobre o ensino de matemática nos anos iniciais de escolarização. Recife: SBEM, (pp. 101-118).

Nunes, T., Carraher, D., Schliemann, A. (2011). Na vida dez, na escola zero. 16. ed. São Paulo, Cortez.

Polya, G. (1978). A arte de resolver problemas. Tradução: Heitor Lisboa de Araújo. Rio de Janeiro: Interciência. (Trabalho publicado originalmente em 1945 em inglês: How to solve it.).

Rojas, N., Flores, P., Carrillo, J. (2015). Conocimiento especializado de un profesor de matemáticas de educación primaria al enseñar los números racionales. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 51, 143-167, 2015.

Santos, V. M. P. dos (1993). Metacognitive awareness of prospective elementary teachers in a mathematics content course and a look at their knowledge, beliefs and metacognitive awareness about fractions. Tese (Doctoral of Philosophy) – Department of Curriculum and Instruction (Mathematics Education) in the School of Education, Indiana University. Publicado por Associação de Professores de Matemática, Coleção Teses. Lisboa: APM, 1996.

Santos, V. M. P. dos (1997). (Coord.) Avaliação de aprendizagem e raciocínio em matemática: métodos alternativos. Rio de Janeiro: Projeto Fundão, Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Santos, V. M. P. & Rezende, J. F. R. (1996). Números: linguagem universal. Rio de Janeiro: Editora Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Santos-Wagner, V.M. (2008). Resolução de problemas: Uma abordagem no processo educativo. Boletim Gepem, n. 53, julho/setembro, 2008, 43-74.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2 (Feb. 1986), 4-14.

Shulman, L. S. (1987). Knowledge and teaching: foundations of the new reforms. Harvard Education Review, 57(1), 1-22.

Shulman, L. S. (2014). Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec. São Paulo. v. 4, n. 2, 196-229. dez. 2014.

Shulman, L. S.; Shulman, J. H. (2004). How and what teachers learn: a shifting perspective. Journal of Curriculum Studies, v. 34, n. 2, 257-271.

Silva, S. A. F. da. (2009). Aprendizagens de professoras num grupo de estudos sobre matemática nas séries iniciais. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Skemp, R. (1976). Relational understanding and instrumental understanding. Mathematics Teaching, 77, 20-26.

Skemp, R. (1987). The Psychology of learning mathematics. Expanded American Edition. New York: Routledge. (Antes New Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates).

Vaz, R. F. N. (2016). Divisão de frações: explorando algoritmos não usuais. Educação Matemática em Revista. Sociedade brasileira de educação matemática. n. 52, jul. 2016, 58-66.

Vygotsky, L. S. (1993). Pensamento e linguagem. Tradução: Jeferson Luiz Camargo. Revisão técnica: José Cipola Neto. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado pela primeira vez no Brasil em 1987.).

Vygotsky, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Organizado por Michel Cole et al. Tradução: José Cipolla Neto; Luiz Silveira Menna Barreto; Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes. (Publicado pela primeira vez no Brasil em 1984.).

Wielewski, S. A. (2008). Pensamento instrumental e pensamento relacional na educação matemática. Tese de doutorado em Educação Matemática. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. https//:www.livrosgratis.com.br.

Publicado

2023-04-29

Como Citar

SCHAEFFER HOFFMAN HOFFMAN, B. V.; MAGALHÃES BRUM, J.; PEREIRA DOS SANTOS-WAGNER, V. M. Reflexões de professores sobre divisão de fração por fração: compreensões e filosofias: compreensões e filosofias. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 47–77, 2023. DOI: 10.23925/1983-3156.2023v25i1p47-77. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57424. Acesso em: 16 jul. 2024.