Ensino de álgebra para deficientes visuais

contribuições das situações desencadeadoras de aprendizagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2024v26i1p283-312

Palavras-chave:

Ensino de álgebra, Deficiência visual, Teoria histórico-cultural, Atividade orientadora de ensino, Situações desencadeadoras de aprendizagem

Resumo

Considerando-se a necessidade de aliar teoria e prática no planejamento de situações de ensino para estudantes deficientes visuais, esta pesquisa adotou os pressupostos da Teoria Histórico-Cultural e da Teoria da Atividade e fundamentou-se na Atividade Orientadora de Ensino. Foram elaboradas situações desencadeadoras de aprendizagem de conhecimentos algébricos e analisaram-se intervenções realizadas com um estudante de 7º e outro do 8º ano, ambos deficientes visuais e frequentando a sala de recursos multifuncionais de uma escola pública da rede estadual. O objetivo deste artigo é reconhecer a apropriação de conhecimentos algébricos por deficientes visuais a partir de situações desencadeadoras de aprendizagem. Para tal, organizaram-se os dados em dois isolados: manifestações dos nexos conceituais e manifestações do pensamento e da linguagem. Estes dois isolados permitem compreender o fenômeno “apropriação dos conhecimentos algébricos” a partir das situações apresentadas aos estudantes. Ao fim do estudo, destaca-se que as situações elaboradas permitiram mediação simbólica e instrumental, possibilitando a apropriação dos nexos conceituais da álgebra (variação, campo de variação e fluência) e de alguns conteúdos escolares selecionados (reconhecimento de incógnitas, dependência de variáveis e operações com monômios e polinômios). Cabe ressaltar que as situações desencadeadoras propostas alcançaram estes resultados a partir de um processo de organização do ensino que considerou as condições para a acessibilidade dos estudantes atendidos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Natalia Mota Oliveira, UTFPR

Licenciatura em Matemática

Maria Lucia Panossian, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Educação Matemática

Referências

Alves, B. A. S. (2016). A álgebra na perspectiva histórico-cultural: uma proposta de ensino para o trabalho com equações de 1º grau. [Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Uberlândia]. https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18423.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Brasil (1996). Lei de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm.

Brasil (2001) Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001.: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf.

Brasil (2004) Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm.

Brasil (2015) Estatuto da pessoa com deficiência. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Caraça, B. J. (1951) Conceitos Fundamentais da Matemática. Editora Livraria Sá da Costa.

Cedro, W. L. (2004). O espaço de aprendizagem e a atividade de ensino: O Clube de Matemática. [Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-21062005-104453/pt-br.php.

Dias, C. E. (2018). Matemática para cegos: uma possibilidade de ensino de polinômios [Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Matemática, Universidade Tecnológica Federal do Paraná]. https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/9030.

Fiorentini, D., Miorim, M. A. & Miguel, A. (1993). Contribuição para um repensar... a Educação Algébrica Elementar. Revista Pro-Posições, 4 (1), p.79-91.

Florio, L. H. (2016). Entendendo o quê é ACUIDADE VISUAL. Site Stargardt. http://www.stargardt.com.br/entendendo-o-que-e-acuidade-visual/.

Hilsdorf, C. R. R. (2014). Educação matemática em escolas inclusivas: a sala de recursos em destaque. [Dissertação de mestrado. Universidade Estadual Paulista]. https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/123984/000829707.pdf.

Kaleff, A. M. M. R., Oliveira, M. F. De., Rosa, F. M. C. & Rodrigues, V. L. (2013). Vendo com as mãos: em busca da inclusão do aluno com deficiência visual nas aulas de Matemática. Caderno Dá Licença. 8 (s/n). http://dalicenca.uff.br/projetos/caderno/.

Leontiev, A. N. (2017). Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: L. S. Vygotsky; A. R. Luria & A. N. Leontiev. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. (pp. 59 - 84). 16. ed. Editora Ícone.

Lucion, P. (2015). A organização do ensino de matemática no contexto da inclusão. [Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Federal de Santa Maria]. http://repositorio.ufsm.br/handle/1/7234.

Luria, A. R. (2017). O desenvolvimento da escrita na criança. In: L. S. Vygotsky; A. R. Luria & A. N. Leontiev. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. (pp. 143 - 190). 16. ed. Editora Ícone.

Ministério da Educação (MEC). (2001). Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica.

Ministério da Educação (MEC). (2017). Base Nacional Comum Curricular. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Ministério da Educação (MEC). (2020). Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação.

Moura, M. O. (2006). Saberes pedagógicos e saberes específicos: desafios para o ensino de matemática. Anais do XII ENDIPE.

Moura, M. O. (2015). Números racionais - Arquivo. https://slideplayer.com.br/slide/10437712/.

Moura, M. O. De & Lanner De Moura, A. R. (1998). Matemática na educação infantil: conhecer, (re)criar - um modo de lidar com as dimensões do mundo. Editora SECEL.

Moura, M. O. de, Araujo, E. S., Souza, F. D. de, Panossian, M. L. & Moretti, V. D. (2016). A Atividade Orientadora de Ensino como Unidade entre Ensino e Aprendizagem. In: M. O. de Moura (org.). A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural. (pp. 93 - 126). 2. ed. Editora Autores Associados.

Oliveira, N. M. (2020). Situações desencadeadoras de aprendizagem no ensino de álgebra para estudantes deficientes visuais. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

Pacheco, K. M. De B. & Alves, V. L. R. (2007). A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Revista Acta Fisiatr. 41(4): 242-248. DOI: 10.11606/issn.2317-0190.v14i4a102875.

Padilha, P. R. (2001). Planejamento Dialógico: Como construir o projeto político pedagógico da escola. Editora Cortez.

Panossian, M. L. (2008). Manifestações do pensamento e da linguagem algébrica de estudantes: indicadores para a organização do ensino. [Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade de São Paulo]. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-23012009-143154/pt-br.php.

Panossian, M. L., Moretti, V. D. & Souza, F. D. de. (2017). Relações entre movimento histórico e lógico de um conceito, desenvolvimento do pensamento teórico e conteúdo escolar. In: M. O. de Moura (org.). Educação escolar e pesquisa na teoria histórico-cultural. Editora: Loyola.

Panossian, M. L., Sousa, M. C. & Moura, M. O. (2017). Nexos conceituais do conhecimento algébrico a partir do movimento histórico e lógico. In: V. D. Moretti & W. L. Cedro. Educação matemática e a teoria histórico-cultural: um olhar sobre as pesquisas. (pp. 125 - 160). Editora Mercado de Letras.

Secretaria do Estado da Educação do Paraná. (2018). Referencial Curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações. SEED/PR. https://professor.escoladigital.pr.gov.br/crep

Sousa, M. C., Panossian, M. L. & Cedro, W. L. (2014). Do movimento lógico histórico à organização do ensino: o percurso dos conceitos algébricos. Editora Mercado de Letras.

Unesco (1994). Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf.

Unesco (1998). Declaração Mundial sobre Educação para Todos. https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990.

Usiskin, Z. (1995). Concepções sobre a álgebra da escola média e utilização das variáveis. In: Coxford, A. F. Shulte, A. P. As idéias da álgebra. (pp. 9 – 22) Editora Atual.

Vygotsky, L. S. (1997). Fundamentos de defectología: obras completas. Editorial Pueblo y Educación.

Vygotsky, L. S. (2017). Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: L. S. Vygotsky; A. R. Luria & A. N. Leontiev. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. (pp. 103 - 118). 16. ed. Editora Ícone.

Publicado

2024-04-30

Como Citar

OLIVEIRA, N. M. .; PANOSSIAN, M. L. . Ensino de álgebra para deficientes visuais: contribuições das situações desencadeadoras de aprendizagem. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 283–312, 2024. DOI: 10.23925/1983-3156.2024v26i1p283-312. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/56743. Acesso em: 15 jul. 2024.