Contribuições do Modelo dos Campos Semânticos para a formação inicial de pedagogas e pedagogos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p083-107

Palavras-chave:

Formação de professores que ensinam Matemática, Formação matemática, Pedagogia, Modelo dos Campos Semânticos, Filosofia da Educação Matemática

Resumo

Neste artigo analisamos estranhamentos causados pela Matemática do matemático como uma possibilidade para a formação de futuras pedagogas e futuros pedagogos, a partir de duas narrativas autobiográficas. As narrativas foram produzidas a partir das ações didáticas dos autores, junto a dois cursos de Licenciatura em Pedagogia, relatando as interações com as alunas destes cursos, que ocorreram em aulas nas quais os Axiomas de Peano foram objeto de discussão. A análise desse material é feita conforme o modo de proceder característico do Modelo dos Campos Semânticos (MCS). Nas discussões apresentamos a nossa compreensão acerca da Matemática do matemático, bem como as principais noções do MCS mobilizadas na análise. Destacamos em seguida os enlaces das discussões que aqui realizamos com o que se mostra na literatura correlata. Consideramos que a Matemática do matemático possibilita uma ampliação da lucidez matemática das futuras pedagogas e dos futuros pedagogos ao proporcionar a elas e eles a ampliação de seus repertórios de modos legítimos de produzir significado. Apresentamos, também, considerações concernentes à mobilização do MCS como um referencial teórico no âmbito da Filosofia da Educação Matemática. Ao colocar em foco aspectos epistemológicos da interação entre professores e alunos, esse modelo teórico contribui com as discussões nessa região de inquérito.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Pedro Antunes de Paulo, Instituto Federal Catarinense

Doutor em Educação Matemática

Rejane Siqueira Julio, Universidade Federal de Alfenas

Doutora em Educação Matemática

Referências

Bicudo, M. A. V. (2010). Filosofia da Educação Matemática segundo uma perspectiva fenomenológica. In Bicudo, M. A. V. (org.). Filosofia da Educação Matemática: fenomenologia, concepções, possibilidades didático-pedagógicas (pp. 23-48). Unesp.

Curi, E. (2005). A matemática e os professores dos anos iniciais. Musa Editora.

Curi, E. (2020). A formação do professor para ensinar Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental: algumas reflexões. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 11 (7), 1-18.

Dantas, S. C.; Lins, R. L. (2017) Reflexões sobre Interação e Colaboração a partir de um Curso Online. Bolema: Boletim de Educação Matemática [online], 31 (57), 1-34.

Julio, R. & Ferreira, J. C. (2018). Uma possibilidade de discussões filosóficas e matemáticas na formação de professores de matemática. Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação, 20 (02), 357-368.

Julio, R. S., Ferreira, G. F. & Lins, R. C. (2018). Uma discussão sobre legitimidades matemáticas utilizando o contexto dos números irracionais. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 20 (01), 315-333.

Julio, R. S. & Silva, G. H. G. (2018). Compreendendo a Formação Matemática de Futuros Pedagogos por meio de Narrativas. Bolema: Boletim de Educação Matemática [online], 32 (62), 1012-1029.

Lima, E. L., Carvalho, P. C. P., Wagner, E. & Morgato, A. C. (2016). A matemática do ensino médio. SBM.

Lins, R. C. (1996). Notas sobre o uso da noção de conceito como unidade estruturante do pensamento. In. Atas da III Escola Latino-Americana sobre Pesquisa em Ensino de Física (pp. 137-141), UFRGS.

Lins, R. C. (1999). Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In Bicudo, M. A. V. (org.). Perspectivas em educação matemática: concepções e perspectivas (pp. 75-94). Editora da Unesp, 1999.

Lins, R. C. (2004). Monstros, Matemática e Significados. In Bicudo, M. A. V. & Borba, M. C. (orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento (pp. 92-120). Cortez, 2004.

Lins, R. C. (2005). A formação pedagógica em disciplinas de conteúdo matemático nas licenciaturas em Matemática. Revista de Educação PUC-Campinas, (18), 117–123.

Lins, R. C. (2012). O modelo dos campos semânticos: estabelecimento e notas de teorizações. In Angelo, C. L., Barbosa, E. P., Viola dos Santos, J. R., Dantas, S. C., & Oliveira, V. C. A. (Org.). Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história (pp. 11-30). Midiograf.

Lorenzato, S. (2011). Educação Infantil e percepção matemática. 3 ed. Autores Associados.

Nacarato, A. M., Passos, C. L. B. & Silva, H. (2014). Narrativas na pesquisa em Educação Matemática: caleidoscópio teórico e metodológico. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 28 (49), 701-716.

Oliveira, V. C. A. (2011). Uma leitura sobre formação continuada de professores de matemática fundamentada em uma categoria da vida cotidiana. [Tese de doutorado em Educação Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista]. http://hdl.handle.net/11449/102098

Paulo, J. P. A. (2020). Compreendendo formação de professores no âmbito do Modelo dos Campos Semânticos. [Tese de doutorado em Educação Matemática, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista]. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/191665

Viola dos Santos, J. R. & Lins, R. C. (2016). Uma Discussão a Respeito da(s) Matemática(s) na Formação Inicial de Professores de Matemática. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 18 (01), 351-372.

Viola dos Santos, J. R. & Santos, E. S. (2018). Uma discussão da matemática do professor que ensina matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Boletim GEPEM, (72), 38-51.

Zanetti, M. (2020) As formações dos pedagogos e suas contribuições para a docência em Matemática. [Dissertação de mestrado em Educação, Universidade Federal de Alfenas]. https://bdtd.unifal-mg.edu.br:8443/handle/tede/1648.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

ANTUNES DE PAULO, J. P.; JULIO, R. S. Contribuições do Modelo dos Campos Semânticos para a formação inicial de pedagogas e pedagogos. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 083–107, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i2p083-107. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57153. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Finalizada - Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022