Articulações entre Etnomatemática & História da Matemática: condições de possibilidade a partir de ações pedagógicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p465-496

Palavras-chave:

Etnomatemática, História da Matemática, Método de Ensino, Educação Básica, Ações pedagógicas

Resumo

De cunho teórico, este texto objetiva descrever ações pedagógicas que potencializam, à luz das teorizações pós-estruturalistas de Foucault e Wittgenstein, o ensino da Matemática na Educação Básica por meio da articulação entre Etnomatemática e História da Matemática. Retoma os conceitos filosóficos de poder, saber e contraconduta de Michel Foucault e jogos de linguagem e formas de vida de Ludwig Wittgenstein, essenciais à compreensão das ações pedagógicas apontadas, propondo uma reflexão acerca das contribuições desses filósofos ao se articular a Etnomatemática e a História da Matemática, destacando as possíveis implicações no ensino de Matemática. A partir dessa perspectiva, apresenta algumas articulações já propostas por outros autores, seja implicitamente, ou explicitamente, como D’Ambrosio (2000, 2007), Lara (2013, 2019) e Roque (2014). Finalmente, ao descrever algumas ações pedagógicas emergentes da prática realizada com propostas de ensino elaboradas, aplicadas e analisadas a partir dessa articulação, sustentada pelos filósofos supracitados, conclui que tais ações pedagógicas: potencializam o ensino da Matemática a partir de uma visão mais humanista que valoriza diferentes formas de matematizar; oportunizam aos estudantes a compreensão das relações de poder-saber constituídas historicamente; criam condições de possibilidade para que os estudantes realizem movimentos de contraconduta frente aos jogos de linguagem presentes na Matemática Escolar.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana Batista Pereira dos Santos, Secretaria Estadual de Educação do Rio Grande do Sul

Licenciada em Matemática - Universidade Federal de Pelotas

Especialista em Educação Matemática - Universidade Federal de Santa  Maria

Mestre em Educação em Ciências - Universidade Federal de Santa  Maria

Doutora em Educação em Ciências e Matemática - Pontifícia Universidade Católica do RS

Professora de Matemática da Rede Estadual de Educação do Rio Grande do Sul

Referências

D’Ambrosio, U. (2000). A interface entre história e matemática: Uma visão histórico-pedagógica, In J. A. Fossa (Org.). Facetas do Diamante: ensaios sobre educação matemática e história da matemática. Rio Claro, SP: Editora da SBHMat, p. 241-271.

D’Ambrosio, U. (2007). Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade. 2ª ed. 3ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica.

Ferreira, E. S. O que é Etnomatemática. Texto digital. 2003. Disponível em: < http://www.ufrrj.br/leptrans/arquivos/etno.pdf >. Acesso em: ago. 2018.

Foucault, M. (1973). Entrevista con Michel Foucault. In R. Bellour, El libro de los otros. Barcelona: Editorial Anagrama.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 7ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (1991). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Ligia M. Pondé Vassallo. 9ª ed. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In P. Rabinow, P.& H. Dreyfus. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2000). Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Org. e seleção de textos. Manoel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2008). Segurança, Território, População: curso dado no Collège de France (1977 – 1978). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

Glock, H. (1998). Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lara, I. C. M. de. (2001). Histórias de um “lobo mau”: a matemática no vestibular da UFRGS. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lara, I. C. M. de. (2013). O ensino da matemática por meio da história da matemática: possíveis articulações com a Etnomatemática. VIDYA, Santa Maria, v. 33, n. 2, p. 51-62, jul/dez.

Lara, I. C. M. de. (2019). Formas de vida e jogos de linguagem: a Etnomatemática como método de pesquisa e de ensino. Com a Palavra o Professor, Vitória da Conquista, v.4, n.9, p. 36-54, maio/ago.

Mendes, I. A. (2006). A investigação histórica como agente da cognição Matemática na sala de aula. In I. A. Mendes et al. A História como um agente de cognição na Educação Matemática. Porto Alegre: Editora Sulina.

Revel, J. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.

Roque, T. (2014). Desmascarando a equação. A história no ensino de que matemática? Revista Brasileira de História da Ciência. Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 167-185, jul – dez.

Santos, J. B. P. dos; Lara, I. C. M. de. (2019). O algoritmo da multiplicação: possibilidades de diferentes formas de matematizar. Actio: Docência em Ciências, v. 4, p. 629-651.

Santos, J. B. P. dos; Lara, I. C. M. de. (2021a). O Ensino de Logaritmos: uma proposta que articula História da Matemática e Etnomatemática. Hipátia - Revista Brasileira de História, Educação e Matemática, v. 6, p. 181-198.

Santos, J. B. P. dos; Lara, I. C. M. de. (2021b). História Da Matemática e Etnomatemática: o ensino de Progressões Aritméticas. Revista De Educação, Ciências E Matemática, v. 11, p. 1-20.

Silva, P. V. da; Silveira, M. R. A. da. (2013) Matemáticas ou diferentes usos da matemática? Reflexões a partir da filosofia de Wittgenstein. Acta Scientiarum Education Maringá, v. 35, n. 1, p. 125-132, Jan.-Jun.

Spaniol, W. (1990). “Formas de vida”: significado e função no pensamento de Wittgenstein. Sintese. v. 17, n. 51, p. 11 – 31.

Veiga-Neto, A. (2014). Foucault e a Educação. 3 ed. 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica.

Veiga-Neto, A.; Lopes, M.C. (2011). Gubernamentalidad, biopolítica y inclusión. In R. Cortez-Salcedo & D. Marín-Díaz (comp.). Gubernamentalidad y educación: discusiones contemporâneas. Bogotá: IDEP, p. 105-122.

Vilela, D. S. (2013). Usos e jogos de linguagem na matemática: diálogo entre Filosofia e Educação Matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Wanderer, F. (2013). Etnomatemática e o pensamento de Ludwig Wittgenstein. Acta Scientiae. v. 15, n. 2, p. 257 – 270, maio/ago.

Wittgenstein, L. (1958). O Livro Castanho. Trad. Jose Marques. Edições 70: Rio de Janeiro.

Wittgenstein, L. (1979). Investigações Filosóficas. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Edição

Seção

Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022