A construção do conhecimento matemático vetorial à luz do desenvolvimento do espírito científico e dos obstáculos epistemológicos de Bachelard

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p682-727

Palavras-chave:

História dos Vetores, Epistemologia de Bachelard, Obstáculos Epistemoógicos, Espírito Científico

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar o desenvolvimento do conhecimento científico da história dos vetores a partir do desenvolvimento do Espírito Científico e dos Obstáculos Epistemológicos propostos por Bachelard (1884-1962), a fim de responder ao seguinte questionamento: De que forma se deu a presença e a ruptura dos obstáculos epistemológicos propostos por Bachelard ao longo do desenvolvimento do espírito científico da história dos vetores? No período Pré-Científico, compreendido desde a Antiguidade Clássica até os séculos XVI ao XVIII, o estudo partiu das análises e definições de Aristóteles, Newton, Leibniz’, Well e Argand Gauss, que foram os principais e os primeiros autores a utilizar a ideia de vetores. No Estado Científico, final do século XVIII até o início do século XX, foram analisados o surgimento das teorias sobre vetores, sendo os principais autores: Möbius, Hamilton, Grassmann, Cliford, Gibbs e Heaviside. Na Era do Novo Espírito Científico, observou-se a preocupação com a axiomatização da teoria de vetores, em especial, pelos seguintes autores: Peano, Shimmarck, Georg Hamel, Hahn, Wiener e Banach e a axiomatização proposta por Garret Birkhoff e Saunders Mac Lane. Ao finalizar o estudo e análise das teorias que marcam o desenvolvimento do sistema vetorial, é evidente a presença da ruptura e da vigilância epistemológica tratadas por Bachelard. De acordo com o autor, o espírito científico amadurecido e formado deve estar em constante vigilância, em constante reflexão sobre a reflexão para que porventura não venham surgir novamente obstáculos já superados ou novos e que impeçam o desenvolvimento do espírito científico.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita de Cássia Florêncio Rocha Kasahara, Universidade Estadual do Pará

Possui graduação em ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES pela Faculdade Estácio de Belém(2006), graduação em Sistema de Informação pela Faculdade Estácio de Belém(2018), especialização em ESPECIALIZAÇÃO EM DOCÊNCIA PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL pelo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA(2017), especialização em Redes de Computadores pela Escola Superior Aberta do Brasil(2016) e mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Pará(2009). Atualmente é PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO, TÉC E TECNOLÓGICO do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA e Professora do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Tem experiência na área de Engenharia Elétrica, com ênfase em Telecomunicações. Atuando principalmente nos seguintes temas:BLINDAGEM ELETROMAGNÉTICA, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA, FDTD. Atualmente, cursa Doutorado n Progrma de Pós-Gaduaçaõ em Educação na Universidade Estadual do Pará, com linha de pesquisa em Educação Matemática.

Ivanilde Apoluceno de Oliveira, Universidade Estadual do Pará

Ivanilde Apoluceno de Oliveira realizou pós-doutoramento em educação na Pontificia Universidade Católica do Rio de Janeiro em junho de 2010. Concluiu o doutorado em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 2002. Realizou, em 2001, doutorado sanduiche na UNAM e UAM-Iztapalapa no México, com estudos sobre ética com o filósofo Enrique Dussel. Realizou mestrado em Educação Popular na UFPB. É graduada em Filosofia pela UFPA. Atualmente é Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação e professora titular da Universidade do Estado do Pará. Coordena o Procad-Amazônia do PPGED-UEPA-CAPES desde 2018. Coordena o Núcleo de Educação Popular Paulo Freire da UEPA. É editora da Revista Cocar. Coordena a Cátedra Paulo Freire da Amazônia. Coordena a Rede de Educação Inclusiva da Amazônia. É Pesquisadora do Observatório Nacional de Educação Especial, da Rede Freireana de Pesquisadores, da Rede Luso-brasileira de Alfabetização de Jovens e Adultos e da Rede Interculturalidade e Movimentos Sociais - Rede Mover. Exerceu a vice-presidencia Norte da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED de dezembro de 2019 a dezembro de 2021. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA de 2014 a 2021. Exerceu a coordenação do Forpred Norte de 2016 a 2018. Exerceu a vice-coordenação do Forpred Norte de outubro de 2015 a outubro de 2016. Exerceu a coordenação do FEPAE no período de outubro de 2014 a outubro de 2015. Exerceu a coordenação do Fórum de Editores de Periódicos em Educação do Norte e Nordeste no período de 2012 a 2013. Exerceu a vice-coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA de 2010 a março de 2012.. Exerceu a coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPA (2003-2007), a Vice-coordenação do Fórum de Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação em Educação das Regiões Norte e Nordeste (2005-2007), a direção do Centro de Ciências Sociais e Educação da Universidade do Estado do Pará (1996-1998), a vice-direção do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Pará (1990-1991) e a coordenação do Curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Pará (1988-1990). Bolsista produtividade do CNPq - PQ2 (2017-2020). Atua na área de Educação, com ênfase em Filosofia da Educação, Educação Popular e Educação Inclusiva, envolvendo ações educacionais com infância, crianças e com jovens e adultos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: educação, educação especial, educação de jovens e adultos, inclusão, educação popular, filosofia, Filosofia da Educação e ética.

Pedro Franco de Sá, Universidade Estadual do Pará

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Matemática pela Universidade Federal do Pará (1988), mestrado em Matemática pela Universidade Federal do Pará (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003). Foi o diretor, no periodo de junho de 2012 à maio de 2016, do Centro de Ciencias Sociais e Educação da Universidade do Estado do Pará onde é professor Titular de Educação Matemática do Departamento de Matemática, Estatística e Informática desde 2013. É docente fundador do Programa de Mestrado em Educação do CCSE- UEPA, docente fundador da REAMEC e docente fundador do Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática do CCSE- UEPA. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, ensino de matemática por atividades, matemática no ensino fundamental e uso de novas tecnologias em sala de aula, em particular uso didático da calculadora.

Referências

Bachelard, G. (1977). Epistemologia. Zahar.

Bachelard. G. (1996). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. (Estela dos Santos Abreu, Ed. & Trad.). Contraponto.

Bachelard, G. (2006). A Epistemologia. (Fátima Lourenço Coutinho e Mário Carmino Oliveira, Ed. & Trad.). Edições 70, LDA.

Beltran, M., & Saito, F. (2012) História da ciência, epistemologia e ensino: uma proposta para atualizar esse diálogo. Atas do VIII ENPEC http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R1396-1.pdf

Caire, E. (2020). Uma cronologia histórica sobre as ideias de conjuntos linearmente independentes e de base até o século XIX [Tese de doutorado em Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista]. http://hdl.handle.net/11449/192751.

Cezare, P., & Andrade, M. (2016). A epistemologia de Bachelard e a construção do conceito de adaptação das espécies. Revista Investigações em Ensino de Ciências, 22 (3), pp.53-73. https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/26/420.

Clifford, W. K. (1878). Elements of Dynamic: An Introduction to the Study of Motion And

Rest in Solid and Fluid Bodies, Part I, Kinematica. Macmillan And Co.

Crowe, M. J. (1994). A history of vector Analysis : the evolution of the idea of a vectorial system. Dove Publications.

D’Ambrosio, U. (2012). Tendências e Perspectivas Historiográficas e Novos Desafios na História da Matemática e na Educação Matemática. Educação Matemática e Pesquisa, 14 (3), 336-347. https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/12769/9349

Dugas, R. (2011). A History of Mechanics. Routledge & Kegan Paul LTD.

Genese, R. W. (1893). Grassmann’s “Ausdehnungslhere”. Nature, 48 (1248), p. 517. https://www.nature.com/articles/048517a0.pdf

Gibbs, J. W. (1881). Elements of Vector Analysis: arranged for the use of students in physics. Tuttle, Morehouse & Taylor.

Gibbs, J. W. (1906a) Quaternions and Ausdehnungslehre. In J. W. Gibbs, Scientific Papers of Josiah Willard Gibbs (pp. 255-269). https://en.wikisource.org/wiki/Scientific_Papers_of_Josiah_Willard_Gibbs,_Volume_2

Gibbs, J. W. (1906b) Quaternions and the Algebra of Vectors. In J. W. Gibbs, Scientific Papers of Josiah Willard Gibbs (pp. 270-277). https://en.wikisource.org/wiki/Scientific_Papers_of_Josiah_Willard_Gibbs,_Volume_2

Gil, A. C. (2002) Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Heath, T. L (1897). The works of Archimedes. University Press.

Heath, A. E. (1917). Hermann Grasmann. The Monist, 27 (01), 1-2. https://www.jstor.org/stable/27900621?seq=1

Heaviside, O. (1925). Electromagnetic Theory. The Electrician.

Hamilton, W. R. (1843) On quaternions; or on a New System of Imaginaries in Algebra. Philosophical Magazine Series 3, 25 (3), 511-519 http://dx.doi.org/10.1080/14786444708645898

Iskandar, J. I., & Leal, M. R. (2002). Sobre Positivismo e Educação. Revista Diálogo Educacional, 3 (7), 89-94. https://doi.org/10.7213/rde.v3i7.4897

Japiassu, H. F. (1981). Questões Epistemológicas. Imago, 1981.

Japiassu, H. F (1986). Introdução ao pensamento epistemológico. Alves, 1986.

Lacerda, G. B. (2009). Augusto Comte e “positivismo” redescobertos. Revista Sociologia Política, 17 (34), 319-343. https://www.scielo.br/j/rsocp/a/wNFWrdJ7j3G4GZwgzJF4V4C/?lang=pt&format=pdf

Leibiniz, G. W. (2012). Studies in a geometry of situation with a letter to Christian Huygens: 1679. In Loemker, L. E (org), Philosophical Papers and Letters: a Selection, (pp. 248-258). Kluwer Academic Publishers.

Lopes, A. R. C. (1993). Bachelard o Filósofo da Desilusão. Ensenãnza de las Ciencias, 11 (3). Barcelona, v. 11, n. 3.

Lopes, A. (1996). Bachelard: o filósofo da desilusão. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, 3 (3). 248-273.https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/7049/6525

Marconi, M., & Lakatos, E. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. Atlas S.A.

Martins, A. (2004). Concepções de estudantes a cerca do conceito de tempo: uma análise à luz da epistemologia de Gaston Bachelard. [Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo]. http://doi,org/ 10.11606/T.48.2004.tde-30112004-183841

Martins, J., Boemer, M., Ferraz, C. (1990) A fenomenologia como alternativa metodológica para pesquisa: algumas considerações. Revista da Escola de Enfermagem, 24 (1), 139-147. https://www.scielo.br/j/reeusp/a/wfHN6qH33k7WK5nBfYgTtYy/?lang=pt&format=p df

Maxwell, J. C. (1873). Treatise on Eletricity and Magnetism, Oxford University Press.

Melo, A. (2005). Contribuições da Epistemologia Histórica de Bachelard no estudo do desenvolvimento dos conceitos da óptica. [Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina]. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/102161/221544.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Menon, M. J. (2009). Sobre as origens das definições dos produtos escalar e vetorial. Revista Brasileira de Ensino de Física, 31 (2). https://doi.org/10.1590/S1806-11172009000200006

Moore, G. (1995). The Axiomatization of Linear Algebra:1875-1940. Historia Mathematica, 22, 262-303. https://doi.org/10.1006/hmat.1995.1025

O’Connor, J. J., & Robertson, E. F. (1998). Sir William Rowan Hamilton. MacTutor History of Mathematics Archive, School of Mathematics and Statistics, University of St Andrews, Escócia. https://mathshistory.st-andrews.ac.uk/Biographies/Hamilton

O’Connor, J. J., & Robertson, E. F. (2004). Georg Karl Wilhelm Hamel. MacTutor History of Mathematics Archive, School of Mathematics and StatisticsUniversity of St Andrews, Escócia. https://mathshistory.st-andrews.ac.uk/Biographies/Hamel/

O’Connor, J. J., & Robertson, E. F. (2005) Hermann Günter Grassmann. MacTutor History of Mathematics Archive, School of Mathematics and StatisticsUniversity of St Andrews, Escócia. https://mathshistory.st-andrews.ac.uk/Biographies/Grassmann/

Oliveira, I. A. (2016). Epistemologia e Educação: bases conceituais e racionalidades científicas e históricas. Vozes.

Otte, M. (1989). The Ideas of Hermann Grassmann in the Context of the Mathematical and Philosophical Tradition since Leibniz. Historia Mathematica, 16, 1-35. https://doi.org/10.1016/0315-0860(89)90096-7

Pritchard, C. (1998). Tendril of the Hop and Tendril of the Vine: Peter Guthrie Tait and the Promotion of Quaternions, Part I. The Mathematical Gazette, 82 (493), 22-36 http://www.jstor.org/stable/3620147

Saito, F. (2012). History of Mathematics and History of Science: Some remarks concerning contextual framework. Educação Matemática e Pesquisa, 14 (3), 363-385. https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/12763/9351

Silva, C. C., & Martins, R. (2003). Por que os quatérnions são compostos por quatro números? [Apresentação de trabalho]. Anais do V Seminário Nacional de História da Matemática. Rio Claro/SP.

Silva, E.; & Arcanjo, F. (2021) História da ciência, epistemologia e dialética. Transformação, 44 (2), 149-174. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n2.11.p149

Stigar, R., Ruthes, V., & Mendes, A. (2019) Revisões Epistemológicas Contemporâneas. Universitas, 13 (24).

https://revistauniversitas.inf.br/index.php/UNIVERSITAS/article/view/359

Tait, P. G. (1890). An Elementary Treatise on Quaternions. Cambridge at the University Press.

Tesser, G (1994) Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educar em Revista, 10, 91-98., https://doi.org/10.1590/0104-4060.131

Wessel, G. (1897). Essay sur la Représentation Analytique de La Direction. Copenhague. https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k99681g/f1.item

Xambó-descamps, S. (2018). From Leibniz’ scharacteristica geométrica to contemporary geometric algebra. Quaderns d’Història de l’Enginyeria, XVI, 109-141. https://web.mat.upc.edu/sebastia.xambo/HistoricalEssays/2018-Xambo--From-Leibniz-CG-to-GA.pdf

Downloads

Publicado

2022-08-31

Edição

Seção

Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022