Do sentido de beleza em Matemática e do que se mostrou belo para nós na demonstração dos teoremas da incompletude de Gödel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p618-646

Palavras-chave:

demonstrações matemáticas, evidência clara, teoremas da incompletude, fenomenologia

Resumo

Neste artigo apresentamos um estudo que teve como pergunta norteadora: O que é a beleza em Matemática e a beleza do teorema da incompletude de Gödel? Buscamos apresentar conteúdo identificável para o que entendemos como beleza no teorema da incompletude de Gödel. Para isso, um estudo bibliográfico foi realizado e diferentes noções de beleza na Matemática são trazidas e articuladas. Também apresentamos nosso entendimento sobre beleza no teorema de Gödel. Compreendemos que o sentido de beleza matemática de um teorema é o de uma iluminação que evidencia o resultado. Além disso, entendemos que essa luz se permite ser vista na medida em que se esteja familiarizado com a teoria e com o ferramental utilizado na demonstração, a ponto de ser possível perceber os axiomas utilizados, a concisão da prova, a originalidade da articulação das ideias, as possibilidades de generalização do resultado e as aberturas de novas frentes de pesquisa. Entendemos também que os conhecimentos construídos por Gödel na elaboração do seu teorema da completude foram fundamentais na visão do problema da consistência da aritmética e na abordagem escolhida para a demonstração da consistência da aritmética que se tornou a demonstração da incompletude da teoria da aritmética.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosemeire de Fatima Batistela, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFSFeira de Santana/BA, Brasil

Departamento de Ciências Exatas - Área de Educação Matemática

Referências

Batistela, R. F., Barbariz, T. A. M., Lazari, H. (2016). Um estudo sobre demonstração matemática por/com computador. Revemat, 11, p. 204-215.

Becker, O. (1965). Os limites do pensamento matemático. In: O. Becker. O pensamento matemático: suas grandezas e seus limites (pp. 114-189). Herder Editorial.

Bicudo, M. A. V., & Klüber, T. E. (2021) Experiências Estéticas em Educação Matemática: um olhar fenomenológico. In: R. S. R. SILVA & R. C. Idem (orgs.). Experiências Estéticas em Educação Matemática (pp. 25-80). Editora Fi.

Bourbaki, N. (1950). The Architecture of Mathematics. The American Mathematical Monthly, 57 (4), p. 221-232.

Brolezzi, A. C., & Ota, I. N. N. (2018). Arte, Educação Matemática e Empatia: algumas reflexões. Revemat, 13 (2), p. 228-249. https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2018v13n2p228

Chaitin, G. J. (2002). Conversations with a Mathematician: Math, Art, Science and the Limits of Reason. Springer-Verlag London.

Da Silva, J. J. (2007). Filosofias da Matemática. Editora UNESP.

Davis, M. (2005). What Did Gödel Believe and When Did He Believe It? The Bulletin of Symbolic Logic, 11(2), p. 194-206.

Ferreira, F. (1995). No paraíso, sem convicção… uma explicação do programa de Hilbert. In J. F. Coelho (org.). Matemática e Cultura II. Lisboa: Centro Nacional de Cultura e SPB Editores.

Ghys, E. (2015). A beleza da matemática. Palestra para Academia Brasileira de Ciências. https://www.abc.org.br/2015/05/15/a-beleza-da-matematica

Gödel, K. (1977). Acerca das Proposições Formalmente Indecidíveis dos Principia Mathematica e Sistemas Correlatos. In M. Lourenço (org.). O Teorema de Gödel e a Hipótese do Contínuo (pp. 245-290). Fundação Calouste Gulberkian.

Goldstein, R. (2008). Incompletude: a prova e o paradoxo de Kurt Gödel. Tradução de I. Koytowski. Companhia das Letras.

Hintikka, J. (2000). On Gödel. Wadsworth/Thomson Learning.

Kant, I. (1995). Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valério Rohden e António Marques. Editora Forense Universitária

Poincaré, J. H. (1946). Ciencia y método. Espasa-Calpe Argentina S. A.

Poincaré, J. H. (1984). A Ciência e a Hipótese. Tradução de Maria Auxiliadora Kneipp. Editora Universidade de Brasília.

Rota, G. C. (1997). The Phenomenology of Mathematical Beauty. Synthese, 11 (2), p. 171-182.

Silva, R. S. R., & Idem, R. C. (2021). Experiências Estéticas em Educação Matemática: Apresentação. In: R. S. R. SILVA & R. C. Idem (orgs.). Experiências Estéticas em Educação Matemática (pp. 25-51). Editora Fi.

Zeki, S., Romaya, J. P., Benincasa, D. M. T., Atiyah, M. F. (2014). The experience of mathematical beauty and its neural correlates. Frontiers in Human Neuroscience. 8 (Artigo 68), p. 1-12.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Edição

Seção

Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022