Pesquisa em Educação Matemática: um olhar histórico-filosófico para a formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p558-5990

Palavras-chave:

Educação Matemática, Formação Docente, PEP

Resumo

Esta pesquisa tem como foco evidenciar a Filosofia como âmbito de reflexão sobre as contribuições do campo de pesquisa da Educação Matemática e da Didática da Matemática para a formação de professores, bem como ponderar sobre um dispositivo didático-metodológico denominado Percurso de Estudo e Pesquisa construído na Teoria Antropológica do Didático (TAD). Dessa forma, buscamos explicitar que a Educação Matemática, assim como a Didática da Matemática, se consolidam pelas pesquisas e produções científicas no que tange ao ensinar e a aprender matemática, bem como a produção de teorias e metodologias para contribuir na fortificação dessas como áreas de conhecimentos. Para isso, tomamos como aportes teóricos os estudos sobre a pesquisa em Educação Matemática e a Teoria Antropológica do Didático (TAD). Assim sendo, temos a intenção de utilizar os pressupostos teóricos de um Percurso de Estudo e Pesquisa (PEP) no que diz respeito ao ensino e à aprendizagem da Matemática voltado para a formação de professores. Nesse sentido, a presente pesquisa aponta suportes qualitativos significantes que fornecem meios que proporcionem a compreensão do ensino e da aprendizagem da Matemática no contexto da formação de professores da escola básica, especialmente com uso do dispositivo PEP.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Saul Rodrigo da Costa Barreto, Universidade Federal do Pará - UFPA

Possui Graduação em Matemática (2008) pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Especialização em Educação Matemática (2016), Mestrado em Ensino de Matemática (PMPEM - 2018) pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) e atualmente é Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM/UFPA). Tem experiência nas áreas de Matemática, Estatística, Educação Matemática, física e informática na Educação. Participa dos projetos de pesquisa Grupo de Estudos e Pesquisas em Matemática e Tecnologia (GPEMT/UEPA) desde de 2016 e "Grupo de Estudos e Pesquisa em Didática das Matemáticas" (GEDIM/UFPA) desde 2017.

José Messildo Viana Nunes, Universidade Federal do Pará

Graduado em Licenciatura Plena Em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (UEPA 1998); com Aperfeiçoamento em Informática Educativa (UEPA, 1999); Especialização em Educação Matemática (UEPA, 2000); Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas (UFPA, 2007) e Doutorado em Educação Matemática pala Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor da Universidade Federal do Pará, com experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática e Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Argumentação em Matemática, História da Matemática, Didática da Matemática, Aprendizagem Significativa e Formação de Professores.

Saddo Ag Almouloud, Universidade Federal do Pará

Saddo Ag Almouloud concluiu o doutorado em mathematiques et applications - université de Rennes i em 1992 - França. Foi professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e da Fundação Santo André. Atualmente é professor colaborador da UFPA. Consultor ad hoc da fundação de amparo a pesquisa do estado de São Paulo, da capes, bolsista pesquisador de CNPq, foi coordenador do programa de estudos pós-graduados em educação matemática da PUC-SP de 2007 a 2009 e de 01/08/2013 a 31/07/2017. Foi vice coordenador do referido programa. Foi coordenador do curso de especialização em educação matemática da PUC-SP de 2006 a 2017. Foi professor visitante da UFSC (2020-2021)Publicou mais de 50 artigos em periódicos especializados e mais de 83 trabalhos em anais de eventos. Possui mais 5 capítulos de livros e 12 livros publicados. Possui 1 software e mais de 62 itens de produção técnica. Participou de vários eventos no exterior e mais de 112 no Brasil. Orientou mais 80 dissertações de mestrado e teses de doutorado na área de educação matemática entre 1996 e 2019. Participou de mais de 200 bancas de defesa de dissertações e doutorados. Coordenou mais de 5 projetos de pesquisa. Atualmente coordena 2 projetos de pesquisa. Atua na área de educação, com ênfase em educação matemática. É avaliador do prêmio Victor Civita desde 2013. Consultor adhoc da FAPESP, capes e CNPq, é bolsista de pesquisa e produtividade do CNPq, editor chefe da revista educação matemática pesquisa do PEPG em educação matemática da PUC-SP e parecerista de várias revistas cientificas na área de educação matemática. Em suas atividades profissionais interagiu com mais 80 colaboradores em coautoria de trabalhos científicos.De abril de 1994 a março de 2020, foi professor do Programa de Estudos Pós-graduados em Educação Matemática da PUC-SP. Em seu currículo lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: ensino, aprendizagem, geometria, educação matemática, matemática, demonstração, ensino básico, formação de professores, geometria dinâmica, TIC.

Referências

Almouloud, Saddo Ag (2007). Fundamentos da didática da matemática. Curitiba: Editora da UFPR.

Almouloud, S. A. & Silva, M. J. F. da. (2012). Engenharia didática: evolução e diversidade. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, 7 (2), p. 22-52. https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/19811322.2012v7n 2p22/23452.

Barquero, Berta, Bosch, Marianna, Romo, Avenilde (2019. El uso del esquema herbartiano para analizar un REI online para la formación del profesorado de secundaria. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.21, n.4, pp. 493-509. http://dx.doi.org/10.23925/1983-3156.2019v21i4p493-509

Bicudo, M. A. V. (1993) Pesquisa em Educação Matemática. Pro-Posições, 4 (1)[10], p. 18-23.Unicamp.

Bicudo, M. A. V. (2012). . A pesquisa em educação matemática: a prevalência da abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 5, p. 15-26, 2012. .

Bicudo, M. A. V. (2013). Um ensaio sobre concepções a sustentarem sua prática pedagógica e produção de conhecimento (da Educação Matemática). In Flores, C. R. & Cassiani, S. (orgs.). Um ensaio sobre concepções a sustentarem sua (da educação matemática) prática pedagógica e produção de conhecimento. 1. ed. (1), p. 17-40. Mercado das Letras.

Bosch, Marianna, Chevallard, Y. (1999). La sensibilité de l’activité mathématique aux ostensifs. Objet d’étude et problématique. Recherches en Didactique des Mathématiques. Grenoble: La Pensée Sauvage-Éditions. p.77-124, v.19, n°1.

Bosch, M. & Gascón, J. (2009). Aportaciones de la Teoría Antropológica de lo Didáctico a la formación del profesorado de matemáticas de Secundaria. En González, M.J., González,M.T. y Murillo, J. (Eds.) Investigación en Educación Matemática XIII. (pp. 89-113).

Brousseau, G. (1986). Fondements et méthodes de la Didactique des Mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, Grenoble : La Pensée Sauvage-Éditions, 1986. p.33-115, v.7.2.

Brousseau, G. (1996). Fundamentos e métodos da didática da matemática In: Didáctica das matemáticas, Direção: Jean Brun. Coleção horizontes pedagógicos: Instituto Piaget, Lisboa.

Chevallard, Y. (1991) La transposition didactique. Grenoble : La Pensée Sauvage-Éditions.

Chevallard, Y (1999). A análise das práticas na teoria antropológica da didactico1 de ensino. Recherches em Didactique des mathématiques, v. 19, n. 2, p. 221-266.

Chevallard, Y. (2001). Les TPE comme problème didactique. < http://yves.chevallard. free.fr/>.

Chevallard, Y. (2002). Organiser l´étude. 3. Ecologie & régulation. Actes de la 11 École d´Été de Didactique des Mathématiques. France : La Pensée Sauvage. p. 41-55, 2002b

Chevallard, Y. (2005). La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor.

Chevallard, Y. (2007). Passé et présent de la Théorie Anthropologique de Didactique. En A. Estepa, L. Ruiz, F. J. García (Eds.), Sociedad, escuela y matemáticas. Aportaciones de la Teoría Antropológica de lo Didáctico (TAD) (pp. 705-746). Jaén: Publicaciones de la Universidad de Jaén.

Chevallard, Y. (2009a). La notion d’ingénierie didactique, un concept à refonder: questionnement et éléments de réponse à partir de la TAD. <http://yves.cheva llard.free.fr/ >.

Chevallard, Y. (2009b). La notion de PER: problèmes et avancées. < http://yves.chevalla rd.free.fr/ >.

Chevallard, Y. (2009c). La TAD face au professeur de mathématiques. .

Chevallard, Y. (2011). Introduction à la théorie anthropologique du didactique / Introdução à teoria antropológica do didático. <http://yves.chevallard.free.fr/>.

Chevallard, Y. (2013) La Matemática en la escuela: Por una revolución epistemológica y didáctica. 1ª ed. Buenos Aires: Libros del Zorzal, 2013.

Chevallard, Y. (2015). Teaching Mathematics in Tomorrow’s Society: A Case for an Oncoming Counter Paradigm. En S.J. Cho (Ed.), The Proceedings of the 12th International Congress on Mathematical Education (pp. 173-187). Dordrecht: Springer.

Chevallard, Y. (s/d). Approche anthropologique du rapport au savoir et didactique des mathématiques. In:

http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Approche_anthropologique_rapport_au_savoir.pdf

D’Amore, B. (2007). Elementos de didática da matemática. Tradução de Maria Cristina Bonomi. São Paulo: Livraria da Física.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1991). Qu'est-ce que la philosophie ? Minuit.

Franchi, A, et al. (2010). Educação matemática: uma (nova) introdução. Org. Silvia Dias Alcântara Machado, 3 ed. São Paulo: EDUC

Galvão, A. M. de O. (2019). Pesquisa em Educação. Seção Especial. Vocabulário da Educação [online]. 4 (13). http://pensaraeducacao.com.br/rbeducacaobasica/wp content/uploads/sites/5/2019/11/Ana-Maria-de-Oliveira_Pesquisa-em-Educação _N-13_-RBEB.pdf.

Go, H. L. (2021). Filosofia e didática: de uma instituição a outra. Pensado de outro lugar: revisão de filosofia e história da educação, Laboratório Interuniversitário de Ciências da Educação e Comunicação, Equipe Normas & Valores, pp.88-100. ffhal-03581285ff.

Gomes, S. C. & Morey, B. (2016). A concepção ontológica dos objetos matemáticos na teoria da objetificação. Revista Eletrônica de Educação Matemática – Revemat, 11 (2), p. 216-231.

Kambouchner, D. (2013). L'école, question philosophique. Fayard

Kilpatrick, J. (1996). Ficando estacas: uma tentativa de demarcar a educação matemática como campo profissional e científico. Zetetiké, 4 (5), p. 99-120.

Moraes, Sergio Cardoso de. Saberes da pesca: uma arqueologia da ciência da tradição. Natal. 2005. Disponível em: Ftp://ftp.ufrn.br/pub/biblioteca/ext/bdtd/SergioCM.pdf . Acesso em: 20 fev. 2022

Matos, F. C. D; Pereira, J. C. S Nunes, J. M. V; Almouloud, S. A.; Guerra, R. B. (2019) A metodologia do percurso de estudo e pesquisa adaptada à formação inicial e continuada de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa. 20 (1), p. 448-470.

Nóvoa, A. (1999). Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, 25 (1).

Nascimento Junior, J. V. do., Carvalho, E. F. & Farias, L. M. S. (2019). As três dimensões do Percurso de Estudo e Pesquisa: teórica, metodológica de pesquisa e dispositivo didático. Revista Educação Matemática Pesquisa. 21 (5), p. 363-373.

Nunes, J. M. V; Almouloud, S. A.; Matos, F. C. D; Pereira, J. C. S; Guerra, R. B. (2019) A metodologia do percurso de estudo e pesquisa adaptada à formação inicial e continuada de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa. 20 (1), p. 448-470.

Pais, L. C. Didática da matemática: uma análise da influência francesa. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica (Coleção tendências em educação matemática). 2011.

Pineau, G. (2004). Temporalidades na formação. Triom.

Sandes, J. P. & Moreira, G.E. (2018). Educação matemática e a formação de professores para uma prática docente significativa. Revista @mbienteeducação, 11 (1), p. 99-109. Universidade Cidade de São Paulo

Santos, M. X. (2017). A formação em serviço no PNAIC de professores que ensinam Matemática e construções de práxis pedagógicas. [Dissertação de Mestrado em Educação] Universidade de Brasília.

Silva, J. (1999). Filosofia Da Matemática E Filosofia Da Educação Matemática. In Maria A. V. B. (org.). Pesquisa Em Educação Matemática: Concepções e Perspectivas. 1. Ed, 1, p. 21-43, Unesp.

Silva, Renata Lourinho Da (2019). Engenharia didática reversa como um dispositivo de formação. Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas do Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará.

Silva, Jane Cristina da, Ribeiro, Ivo Antônio; Rocha, Maria Lúcia Pessoa Chaves. Construção e utilização do Matapi: Um estudo etnomatemático. In: VII Congresso Internacional de Ensino de Matemática (CIEM). 2017. Rio Grande do Sul. Anais.Canoas/RS: ULBRA, 2017. Disponível em:

Http://www.conferencias.ulbra.br/index.php/ciem/vii/paper/viewFile/7510/3703. Acesso em: 21 fev. 2018.

Trouche, L. (2016). Didactics of mathematics: Concepts, roots, interactions and dynamics from France. In Monaghan, L., Trouche, L. & Borwein J. (eds.). Tools and mathematics, instruments J.for learning, p. 219–256. Springer.

Vergnaud, G. (1981). Quelques orientations théoriques et méthodologiques des recherches françaises en didactique des mathématiques. Recherches en didactique des mathématiques, 2 (2), p. 215–232.

Vergnaud, G. (1990) La théorie des champs conceptuels. Recherches en Didactique des Mathématiques, Grenoble : La Pensée Sauvage. v. 10, n°2-3 p.133-170.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

DA COSTA BARRETO, S. R.; VIANA NUNES, J. M. .; AG ALMOULOUD, S. . Pesquisa em Educação Matemática: um olhar histórico-filosófico para a formação de professores. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 558–599, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i2p558-5990. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57390. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Finalizada - Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022