Experiências Estéticas na Formação de Professores de Ciências e Matemática: Influências da Hermenêutica Gadameriana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p404-432

Palavras-chave:

Experiência Estética, Gadamer, Educação em Ciências, Educação Matemática, Formação de Professores

Resumo

O presente artigo apresenta repercussões da Hermenêutica Filosófica (HF) no processo formativo de estudantes vinculados ao projeto “Atelier Científico: Experiências Estéticas na Educação em Ciências”. O Atelier Científico (AC) é um espaço coletivo destinado ao estudo, criação e planejamento de experiências estéticas em Ciências e Matemática. Busca promover uma articulação entre o educar por meio de experiências estéticas elaboradas por estudantes de Licenciatura em Ciências Exatas (Física, Matemática e Química). Partimos do conceito de experiências estéticas fundamentado nos estudos da Hermenêutica Filosófica de Hans-Georg Gadamer para delinearmos sua contribuição ao modo de tratamento das ciências exatas, em uma perspectiva vinculada à percepção e à interpretação como busca de (auto)compreensão daquele(a) que percebe e interpreta no mundo. Neste artigo, iniciamos por apresentar a fundamentação do Atelier Científico, e a seguir descrevemos, sustentados por esta fundamentação, uma das atividades desenvolvidas no AC de modo a salientar contribuições da HF na formação de professores a  partir dos registros de bolsistas do projeto no que chamamos de Diário do Atelier Científico e nos Relatórios Finais. Os relatos apontam para uma experiência formativa capaz de aguçar a percepção dos futuros professores na medida em que proporciona momentos de estranhamento frente ao novo, fomenta uma atitude estética,  valoriza a pergunta autêntica,  as tradições e as diferentes visões de mundo, bem como uma visão de ensino menos instrumental e mais ontológica.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paula Carvalho do Carmo, Universidade Federal do Paraná

Licenciada em Ciências Exatas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Palotina, PR, Brasil. E-mail: anapaula-cdc@hotmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0513-0018. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1372-5070

Robson Simplicio de Sousa, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Docente Adjunto na Universidade Federal
do Paraná (UFPR), Palotina, PR, Brasil. E-mail: robson.simplicio@ufpr.br. Orcid: http://orcid.org/0000-
0002-4637-5014

Maria do Carmo Galiazzi, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Professora titular aposentada da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande, RS, Brasil. E-mail: mcgaliazzi@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0513-0018

Referências

Amabilino, D. B. (2012). Beauty in chemistry: artistry in the creation of new molecules. Springer Science & Business Media.

Bicudo, M. A. V. (2009). O estar-com o outro no ciberespaço. ETD-Educação Temática Digital, 10(2), 140-156.

Bicudo, M. A. V. (2011). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Editora Cortez.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora.

Brown, T. (2012). Mathematics education and language: Interpreting hermeneutics and post-structuralism. Springer Science & Business Media.

Calixto, V. S., & Galiazzi, M. C. (2015). A Disciplina de Monografia como Espaço Coletivo de Produção de Experiências Sobre ser Professor/Pesquisador. Revista Debates em Ensino de Química, 1(1), 36-47.

Charland, C. C. C. (2014). [Fotografia digital]. Retirado de https://calebcharland.com/

Dahlin, B. (2001). The primacy of cognition–or of perception? A phenomenological critique of the theoretical bases of science education. Science & Education, 10(5), 453-475.

Donnelly, J. F. (1999) Schooling Heidegger: On being in teaching. Teaching and Teacher Education, 15(8), 933-949.

Østergaard, E. (2017). Earth at Rest. Science & Education, 26(5), 557-582.

Østergaard, E. (2014). How can science education foster students’ rooting?. Cultural Studies of Science Education, 10(2), 515-525.

Eger, M. (1992). Hermeneutics and Science Education: An Introduction. Science & Education, 1(4), 337-348.

Escher, M. C. (2000). MC Escher: the graphic work. Taschen.

Facco, M. L. C. (2017). Reflexões sobre o ateliê como lugar/espaço em processos de criação em Artes Visuais. Revista Digital do LAV, 10(2), 213-227.

Flickinger, H. G. (2010). A caminho de uma pedagogia hermenêutica. São Paulo: Autores Associados.

Fokides, E., Sfakianou, M. (2017). Virtual museums in arts education. Results of a pilot project in primary school settings. Asian Research Journal of Arts & Social Sciences, 3(1), 1-10.

Gadamer, H. G. (2015). Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes.

Grondin, J. (2012). Hermenêutica. (Marcionilo, M. Trad.). São Paulo: Parábola Editorial. (Título original: hermeneutics).

Hermann, N. (2002). Hermenêutica e Educação. Rio de Janeiro: DP&A.

Hermann, N. (2010). Autocriação e horizonte comum: ensaios sobre educação ético-estética. Ijuí: Unijuí.

Lago, C. (2012). Experiência estética como experiência formativa a partir da ontologia de Hans-Georg Gadamer. EccoS Revista Científica, 28, p. 17-30.

Leiviskä, A. (2013). Finitude, Fallibilism and Education towards Non-dogmatism: Gadamer’s hermeneutics in science education. Educational Philosophy and Theory, 45(5), 516–530.

Mondini, F., Mocrosky, L. F., & Bicudo, M. A. V. (2016). A hermenêutica em educação matemática: compreensões e possibilidades. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 12(1), 1-10.

Oefner, F. (2020). Studio Oefner [Fotografia digital]. Retirado de https://fabianoefner.com/.

Pereira, M. V. (2011). Contribuições para entender a experiência estética. Revista Lusófona de educação, 18(18), 111-123.

Santos, D. J. S., Forato, T. C. M., & SILVA, J. A. (2021). História e Filosofia das Ciências no contexto escolar pós-moderno: uma contribuição ao ensino de ciências a partir da hermenêutica filosófica de Gadamer. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 38(2), 1282-1308.

Sousa, R. S. (2021). O Atelier Científico como Invenção: Experiências Estéticas na Educação em Ciências e Matemática como Modo de (Auto) Compreensão. Extensão em Foco, especial(25), 17-32.

Sousa, R. S., & Galiazzi, M. C. (2016). Compreensões acerca da hermenêutica na análise textual discursiva: marcas teórico-metodológicas à investigação. Revista Contexto & Educação, 31(100), 33-55.

Sousa, R. S., & Galiazzi, M. C. (2017). Traços da hermenêutica filosófica na educação em ciências: possibilidades à educação química. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 10(2), 279-304.

Sousa, R. S., & Galiazzi, M. C. (2018) A tradição de linguagem em Gadamer e o professor de química como tradutor-intérprete. ACTIO: Docência em Ciências, 3(1), 268-285.

Sousa, R. S., & Galiazzi, M. C. (2019). Experiências Estéticas na Pesquisa em Educação Química: Emergências Investigativas na Formação de Professores de Química em uma Comunidade Aprendente. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 9(2), 107-126.

Sousa, R. S., Carmo, A. P. C., Silva, E. M. R., & Silva, M. H. A. (2020, dezembro 14). Exposição Fotográfica Viver em Ciências: um ciclo estético da vida [Artsteps]. Recuperado de https://www.artsteps.com/view/5fb807cadaa49d039aaeddec

Toscano, M., & Quay, J. (2021). Beyond a Pragmatic Account of the Aesthetic in Science Education. Science & Education, 30(1), 147-163.

Vella, R. (2018). Curating as a dialogue-based strategy in art education. International Journal of Education through Art, 14(3), 293-303.

Wickman, P-O. (2006). Aesthetic experience in science education: Learning and meaning-making as situated talk and action. Routledge.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

CARVALHO DO CARMO, A. P.; SIMPLICIO DE SOUSA, R. .; DO CARMO GALIAZZI, M. . Experiências Estéticas na Formação de Professores de Ciências e Matemática: Influências da Hermenêutica Gadameriana . Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 404–432, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i2p404-432. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57412. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Finalizada - Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022