Perspectivas de Interdisciplinaridade explicitadas em Projetos Pedagógicos de Cursos de Licenciatura em Matemática em Universidades Públicas Brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i3p464-500

Palavras-chave:

Licenciatura em Matemática, Projeto Pedagógico de Curso, Interdisciplinaridade

Resumo

Neste artigo analisamos e discutimos perspectivas de interdisciplinaridade presentes nos projetos pedagógicos de cursos (PPC) de licenciatura em matemática em universidades públicas do Brasil. Utilizamos uma revisão sistemática, do tipo metassíntese, a partir de cinco estudos regionais, publicados em e-book resultante de uma pesquisa nacional que apresenta e discute o conteúdo dos PPC de cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. A metassíntese consistiu em duas etapas, a primeira constituída de pequenas sínteses interpretativas que buscaram identificar e categorizar as conceituações e formas de implementação da interdisciplinaridade. A segunda consistiu numa síntese integrativa das três perspectivas identificadas, de forma a obter um panorama nacional. Os resultados apontam que dos 105 cursos analisados pelos autores dos cinco artigos presentes no livro, apenas seis PPC apresentam indícios de uma perspectiva de formação PELA interdisciplinaridade, a qual visa propiciar aos futuros professores de matemática oportunidades para “vivenciar” e “exercitar” propostas interdisciplinares. Diante da importância desta perspectiva interdisciplinar na formação de professores de matemática, o cenário apresentado se mostra preocupante, e novas pesquisas podem ser necessárias para compreender os efeitos após as reformulações previstas na Resolução CNE/CP 02/2019, na qual a interdisciplinaridade é pouco definida e citada.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Eliane Matesco Cristovão, Universidade Federal de Itajubá

rofessora Adjunta no Instituto de Matemática e Computação da Universidade Federal de Itajubá, onde atua como docente no Curso de Licenciatura em Matemática e no Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências. Integrante do GT7 da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, membro do Grupo de Pesquisa em Práticas Formativas e Educativas em Ciências e Matemática e do Grupo de Estudos Interdisciplinares e Formação de Professores, voltado para extensão. Tem atuado, desde 2014, como Coordenadora de área do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência e/ou do Programa Residência Pedagógica. Doutora em Educação, subárea Ensino e Práticas Culturais (2015), Mestre em Educação Matemática (2007), Especialista (1997) e licenciada em Matemática (1995), todos pela Unicamp. Atuou por 20 anos como professora de Matemática na educação básica e se dedica à formação inicial e continuada de professores de Matemática desde 2005. Seus temas de interesse/pesquisa são: aprendizagem docente, conhecimento profissional do professor, práticas de letramento, práticas interdisciplinares, práticas inclusivas, abordagem investigativa e grupos colaborativos.

Fabiana Fiorezi de Marco, Universidade Federal de Uberlândia

Pós-Doutora em Educação. Doutora e Mestre em Educação Matemática. Licenciada em Matemática. Docente Associada na Faculdade de Matemática da Universidade Federal de Uberlândia. Membro do corpo permanente nos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ensino de Ciências e Matemática.

Bruna da Rosa Santos, Universidade Federal de Itajubá

Mestranda (bolsista CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências - PPGEC/UNIFEI. Graduada em Matemática Licenciatura pela UNIFEI (2019). Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática e Práticas Formativas (GPEMPF).

Lóren Grace Kellen Maia Amorin, Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz – Uberlândia/MG

Doutora em Educação, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática, Especialização em Geometria e Licenciada em Matemática, todos pela UFU. Professora de Matemática da Rede Municipal de Ensino de Uberlândia. Atualmente, compõe a equipe do Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz (Cemepe).

Referências

Alvarenga, A. M.; Tauchen, G.; Alvarenga, B. T. (2017). A interdisciplinaridade nos componentes curriculares de cursos de licenciatura da área de ciências exatas e da terra. Revista Thema, [S.l.], v.14, n.3, p.151-166. https://doi.org/10.15536/thema.14.2017.151-166.486.

Araújo, R. R. De; Tauchen, G.; Heckler, V. (2017). Como a busca “da” e “pela” interdisciplinaridade permeia as pesquisas na área de formação de professores em Ciências da Natureza? In: Revista Thema, [S.l.], v.14, n.3, p.132-150. https://doi.org/10.15536/thema.14.2017.132-150.485.

Brasil (2015). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file.

Brasil (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Diretrizes. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file.

Brito, E. P. P. E. (2017). A interdisciplinaridade e a arte do malabarismo na formação de professores e professoras. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, [S.l.], v.33, n.1, p.133-149, abr. https://doi.org/10.21573/vol33n12017.67488.

Coura, F. C. F., Oliveira A. T. C. C., Cristovão, E. M., Andrade, F., Marco, F. F., Franchi, R. H. O. L. (2021). Panorama das Licenciaturas em Matemática em Universidades Federais e Estaduais na Região Sudeste: adequação à Resolução CNE/CP Nº. 02/2015. In: Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). A Licenciatura em Matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

De Moura, F. M. T.; Carneiro, C. C. B. E. S. (2016). Interdisciplinaridade e contextualização nos projetos políticos pedagógicos em cursos de formação inicial de professores de química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v.9, n.2. https://doi.org/10.3895/rbect.v9n2.3000.

Fazenda, I. C. A. (2002). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia? 5º ed. São Paulo: Loyola.

Fazenda, I. C. A. (2012). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Editora Papirus.

Ferreira, A. C. et. al. (2021). Panorama das Licenciaturas em Matemática em Universidades Federais e Estaduais da Região Norte: adequação à Resolução CNE/CP Nº. 02/2015. In: Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). A Licenciatura em matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

Fidelis, A. K., & Geglio, P. C. (2019). Interdisciplinaridade e contextualização: desafios de professores de Ciências Naturais em preparar os alunos para o ENEM. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 10(6), 215-234. https://doi.org/10.26843/rencima.v10i6.2047.

Fiorentini, D., & Crecci, V. M. (2017). Metassíntese de pesquisas sobre conhecimentos/saberes na formação continuada de professores que ensinam matemática. Zetetike, 25(1), 164–185. https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647773.

GEPFPM (2018). Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Formação de Professores de Matemática e as Revisões Sistemáticas. In: Oliveira, A. M. P.; Ortigão, M. I. R. (org.) Abordagens Teóricas e Metodológicas nas Pesquisas em Educação Matemática. Brasília: SBEM. p. 234-254. Disponível em: http://www.sbem.com.br/files/ebook_.pdf .

Japiassú, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Leis, H. R. (2005). Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, n. 73, ago. https://doi.org/10.5007/2176.

Lopes, D. S., & De Almeida, R. O. (2019). Percepções sobre limites e possibilidades para adoção da interdisciplinaridade na formação de professores de Ciências. In: Investigações em Ensino de Ciências, v.24, n.2, p.137-162. https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/1311.

Nascimento, N. G. Do, Pereira, L. L., Shaw, G. S. L. (2020). Conceitos de interdisciplinaridade em pesquisas publicadas na área de ensino e educação (2009-2018). Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 143-165, ago./dez. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2020v13n2p143.

Pereira, P. P. et al. (2021). Panorama das Licenciaturas em Matemática em Universidades Federais e Estaduais na Região Centro-Oeste: adequação à Resolução CNE/CP Nº. 02/2015. In: Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). A Licenciatura em Matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

Pombo, O. (1994). A interdisciplinaridade: reflexão e experiência. (Coleção Educação Hoje). 2. Ed. Lisboa: Wachawisk.

Santana, F. C. M. et. al. (2021). Panorama das Licenciaturas em Matemática em Universidades Federais e Estaduais da Região Nordeste: adequação à Resolução CNE/CP Nº. 02/2015. In: Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). A Licenciatura em matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

Sestari, F. B., Durand, Â. M., Brauner, E., Halberstadt, F. F., Garcia, I. K., & Santarosa, M. C. P. (2020). Teaching concepts about Integrated High School and Interdisciplinarity: case study in a Technical Course in Agricultural of the Federal Institute of Rio Grande do Sul. Research, Society and Development, 9(8), e624985790. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5790.

Stormowski, V. et al. (2021). Panorama das Licenciaturas em Matemática em Universidades Federais e Estaduais da Região Sul: adequação à Resolução CNE/CP N° 02/2015. In: Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). A Licenciatura em Matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

Taha, M. S., Souza, A., Lopes, C. S., Lima, E.; Cortez, M. (2017). Valor nutricional dos alimentos: uma situação de estudo à contextualização e interdisciplinaridade no ensino de ciências. Revista Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias. Bogotá, v.12. n.12. p. 131-141.

Zaidan, S., Ferreira, A. C., Paula, E. F., Santana, F. C. M., Coura, F. C. F., Pereira, P. S., Stormowski, V. (Orgs). (2021). A Licenciatura em matemática no Brasil em 2019: análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. Brasília, DF: SBEM Nacional.

Downloads

Publicado

2022-10-31