A trajetória acadêmico-profissional de um formador de professores de matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2024v26i1p114-150

Palavras-chave:

Formador de professores de matemática, Ensino de sistemas de equações lineares, Identidade docente, Análise narrativa

Resumo

Esta pesquisa envolve um formador de futuros professores de Matemática e o ensino de Álgebra Linear e é parte de um estudo em andamento. O estudo traz como objetivos: (i) refletir e analisar as narrativas de um formador de professores sobre as características da disciplina de Álgebra Linear em um curso de Licenciatura em Matemática; e (ii) compreender como o perfil acadêmico/profissional de um formador de professores modela e/ou interfere no planejamento da disciplina de Álgebra Linear para o ensino de Sistemas de Equações Lineares. Os dados foram produzidos a partir de uma pesquisa documental e da observação de uma entrevista episódica realizada individualmente com um formador de professores de Matemática. A pesquisa qualitativa interpretativa foi o caminho metodológico utilizado para a construção dos textos de campo, que envolveu a pesquisa documental e a seleção de trechos de uma entrevista episódica, realizada de forma remota, referente às reflexões por meio de uma análise narrativa dos dados. Os resultados apontaram que a experiência pessoal do formador de professores de Matemática influenciou a construção de sua identidade docente no Ensino Superior; sobre a organização da disciplina, por meio do plano de ensino, observa-se que o formador de professores procurou trabalhar a formalização e a argumentação, tendo em vista atender os conteúdos da ementa da disciplina. Verificou-se a necessidade de mais estudos sobre os papéis e identidades dos formadores de professores de Matemática, as fragilidades do Projeto Político Pedagógico relacionadas à prática docente e o envolvimento de formadores de professores em contextos formativos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Janaína Mendes Pereira da Silva, Universidade Federal do ABC

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ensino e História das Ciências e da Matemática - Universidade Federal do ABC (UFABC), Mestra em Educação pela Universidade de Brasília - Linha de pesquisa: Educação em Ciências e Matemática/ECMA (2019), Especialista em Metodologias de Ensino em Matemática pelo Departamento de Matemática/UnB (2018). Licenciada em Matemática e Pedagogia. Atua como docente no Ensino Fundamental (anos finais) e Ensino Médio. Membra dos Grupos de Pesquisas: Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação em Ciências, Matemática e Sexualidade (GECIMAS/UFABC), Formação Matemática para o Ensino (FORMATE/UFABC) e Grupo de Investigação em Ensino de Matemática da UnB (GIEM/Mat/UnB).

Evonir Albrecht, Universidade Federal do ABC

Formado em Magistério, para atuar com os anos iniciais da Educação Básica pelo Colégio Cenecista Marechal Arthur da Costa e Silva de Guarujá do Sul, SC; Atuou nos anos iniciais da Educação Básica e Ensino Infantil; Licenciado em Matemática com habilitação em Física pela Universidade do Oeste de Santa Catarina; Licenciado em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho; Especialista em Psicopedagogia, Ensino de Física, Gestão da educação Pública; Mestre e Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul; Pós Doutorado com ênfase nos Elementos do Enfoque CTS e da Educação Matemática Crítica contemplados nas diretrizes curriculares e nas questões do ENADE para os cursos de Licenciatura em Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul; Avaliador do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD); Professor da rede municipal de Guarujá do Sul-SC, Caraguatatuba e São Paulo/SP e da rede estadual de Educação Básica nos estados de Santa Catarina e São Paulo; Professor no Centro Universitário Módulo na cidade de Caraguatatuba, nas Universidades Nove de Julho, FMU, Cruzeiro do Sul na cidade de São Paulo; Atuou como Tutor on-line pela FUNCAMP no programa REDEFOR do governo do Estado de São Paulo. Foi Pró-Reitor Adjunto de Extensão e Cultura, é Professor Adjunto na Universidade Federal do ABC na graduação e pós-graduação. Atua junto ao Programa de Pós-Graduação da UFABC, nas linhas de pesquisa: ensino, aprendizagem, currículo, CTS, estágio supervisionado, ensino de astronomia e formação de Professores. É parecerista em diferentes revistas científicas.

Regina da Silva Pina Neves, Universidade de Brasília

Possui Licenciatura em Matemática (1995) e Especialização em Matemática (1998) pela Universidade Federal de Goiás, Mestrado em Educação (2002), Doutorado em Psicologia (2008) pela Universidade de Brasília e Pós-doutorado em Educação em Ciências, Matemática e Tecnologias (2021) pela Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência profissional: 1) na Educação Básica como docente de matemática e coordenadora de área em instituições de ensino públicas e particulares; 2) no Ensino Superior como docente nos Cursos de Licenciatura em Matemática e Pedagogia e Coordenadora do Curso de Licenciatura em Matemática;3) na pós-graduação como docente dos cursos de Especialização em Educação Matemática e Psicopedagogia; coordenadora do Curso de Especialização em Educação Matemática; Docente e orientadora do Mestrado Profissional em Matemática em Rede (PROFMAT);4) na Educação à Distância como tutora, formadora e autora de material didático para a formação continuada de professores que ensinam matemática (Ensino Fundamental Anos Iniciais e Finais; Ensino Médio) e alfabetizadores de Jovens e Adultos; Atuou como primeira secretária da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (gestão 2010-2013); Atuou como Diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, Regional Distrito Federal (Gestão 2014-2017). Atualmente é professora adjunta do Departamento de Matemática da Universidade de Brasília(UnB); Coordenadora do Laboratório de Ensino de Matemática (LEMAT); Docente do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Exatas, Mestrado Profissional em Matemática em Rede (PROFMat/IE/UnB); Colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação (UnB); Líder do Grupo de Investigação em Ensino de Matemática da UnB (GIEM); Membro do Grupo de Pesquisas Interdisciplinares sobre Tecnologias e Educação (ÁBACO/FE/UnB).

Referências

Avalos, B. (2011). Teacher professional development in teaching and teacher education over ten years. Teaching and Teacher Education, 27(1), 10-20. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0742051X10001435

Barros, P. M. P. (2018). O ensino e a aprendizagem de conceitos de álgebra linear no ensino superior politécnico. [Tese de Doutoramento em Ciências da Educação – Especialidade Educação Matemática, Universidade do Minho]. https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/56688

Bauer, M. W., & Aarts, B. A. (2017). Construção do corpus: Um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer & G. Gaskell. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (13ª ed., pp. 39-63). Vozes.

Belo, E. S. V. (2018). Cartografias experienciais de formadores de professores de matemática: Consciência de si e autoformação. [Tese de Doutorado em Educação em Ciências e em Matemática, Universidade Federal do Pará]. https://repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/13333/1/CartografiasExperienciaisFormadores_Tese.pdf

Belo, E. V., Gonçalves, T. O., & Manfredo, E. G. (2021). Mobilização de experiências narrativas como processo de reflexão e transformação da prática pedagógica de um professor de matemática do ensino superior. Ciência & Educação, 27, e21009. https://www.scielo.br/j/ciedu/a/tstgxpJqwWVLtg3wZN5sZzm/abstract/?lang=pt

Beltrão, K. I., & Mandarino, M. C. F. (2014). Evidências do ENADE – mudanças no perfil do matemático graduado. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(84). http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362014000300007 &lng=es&tlng=pt.

Bertolazi, K. S., & Savioli, A. M. P. D. (2018). Sistemas de equações lineares: Perspectivas e didáticas. In B. L. Bianchini & S. D. A. Machado (Org.). Álgebra Linear sob o ponto de vista da Educação Matemática (pp. 33-49). Editora da Física.

Bianchini, B. L., Lima, G. L., & Gomes, E. (2018). Cálculo, Análise e álgebra linear: Indicações para novas pesquisas a partir das investigações do GT04. Anais do 7º Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1-11). Foz do Iguaçu: Sociedade Brasileira de Educação Matemática.

Bianchini, B. L., Lima, G. L. de, & Machado, S. D. A. (2019). O Grupo de Pesquisa em Educação Algébrica (GPEA): Mapeamento de algumas de suas produções. Educação Matemática Pesquisa, 21, 1-28.

Brasil. (2001). Parecer CNE/CES nº 1.302/2001, aprovado em 6 de novembro de 2001 - Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Ministério da Educação.

Brasil. (2015). Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1(124), 8-12. Brasília.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica.

Coura, F. C. F., & Passos, C. L. B. (2017). Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil. Zetetiké, 25(1), 7-26. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647556

Coura, F. C. F., & Passos, C. L. B. (2021). Conhecimento do formador de professores de matemática que é investigador da docência. Zetetiké, 29(00), p. e021007. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8661842

Coura, F. C. F., & Passos, C. L. B. (2022). Como formadores de professores de matemática se tornam investigadores da docência. Educação em Revista, 38, e22101. https://periodicos.ufmg.br/index.php/edrevista/article/view/22101

Creswell, J. W. (2014). Pressupostos filosóficos e estruturas interpretativas. In J. W. Creswell. Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Penso.

Cunha Neto, J. H. & Costa, V. G. (2018). Processos de socialização do professor formador nos cursos de licenciatura em matemática: O emergir da identidade. Educação Matemática Pesquisa, 20, 419-447.

Curado Silva, K., & Kochhann, A. (2018). Tessituras entre concepções, curricularização e avaliação da extensão universitária na formação do estudante. Revista Espaço Pedagógico, 25(3), 703-725.

Dalby, D. (2017). The professional identity of mathematics teachers in further education. Adults Learning Mathematics: An International Journal, 12(1), 7-16.

Dias, M. A., Santos Júnior, V. B., & Andrade, S. N. (2017). Transição entre os ensinos fundamental, médio e superior em São Paulo. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, 18, 372-381.

Diniz, M. I., & Ferreira, F. E. (2019). BNCC comentada para o ensino médio. Instituto Reúna. htps://institutoreuna.org.br/?s=Bncc+comentada

Félix Correia, C. E. (2010). Os erros no processo ensino/aprendizagem em matemática. Educação: Teoria e Prática, 20(34), 169-186.

Fiorentini, D. (2004). A investigação em educação matemática sob a perspectiva dos formadores de professores. Anais do 15º Seminário de Investigação em Educação Matemática (p. 13-35). Covilhã, Portugal: APM.

Fiorentini, D., Passos, C. L. B., & Lima, R. C. R. (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina matemática: Período 2001-2012. Universidade Estadual de Campinas.

Flick, U. (2015). Entrevista episódica. In M. W. Bauer, & G. Gaskell (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático (13ª ed., pp. 114-136). Vozes.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa (25ª ed.). Paz e Terra.

Gonçalves, T. O. (2000). Formação e desenvolvimento profissional de formadores de professores: O caso dos professores de matemática da UFPA. [Tese de doutorado em Educação, Universidade Estadual de Campinas]. https://doi.org/10.23925/2358-4122.2020v7i2p255-260

Holland, D., Lachicotte, W., Jr., Skinner, D., & Cain, C. (1998). Identity and agency in cultural worlds. Cambridge University Press.

Loughran, J. (2014). Professionally developing as a teacher educator. Journal of Teacher Education, 65(4), 271-283. https://doi.org/10.1177/0022487114533386

Losano, L., & Fiorentini, D. (2018). A constituição identitária de professores de matemática no contexto dos mestrados profissionais. Educação em Revista, 34. https://doi.org/10.1590/0102-4698190193

Losano, L., & Fiorentini, D. (2021). Identidade e agência profissional de um professor de matemática na interface dos mundos da escola e do mestrado profissional. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 35(71), 1217-1245. https://doi.org/10.1590/1980-4415v35n71a01

Luckesi, C. C. (2013). Avaliação da aprendizagem escolar: Estudos e proposições. Cortez.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. (2015) Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas (2ª ed, reimp.). E.P.U.

Lunenberg, M., Korthagen, F., & Zwart, R. (2011). Self-Study research and the development of teacher educators’ professional identities. European Educational Research Journal, 10(3), 407-420. https://doi.org/10.2304/eerj.2011.10.3.407

Marcelo, C. (2009, jan./abr.). Desenvolvimento profissional docente: Passado e futuro. Sísifo, 8, 7-22.

Mizukami, M. G. N. (2005). Aprendizagem da docência: professores formadores. In J. Romanowski, P. L. Martins, & S. R. A. Junqueira. Conhecimento local e conhecimento universal: Formação docente, aprendizado e ensino (pp. 69-80). Editora Universitária Champagnat.

Moreira, P. C., & David, M. M. M. S. (2003). Matemática escolar, matemática científica, saber docente e formação de professores. Zetetiké, 11(19), 57-80.

Morgado, J. C. (2011). Identidade e profissionalidade docente: Sentidos e (im)possibilidades. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 19(73), 793-812.

Oliveira, A. T. C. C., & Fiorentini, D. (2018). O papel e o lugar da didática específica na formação inicial do professor de matemática. Revista Brasileira de Educação, 23, 1-17.

Pina Neves, R. da S., Fiorentini, D., & Silva, J. M. P. da. (2022). Lesson Study presencial e o estágio curricular supervisionado em Matemática: Contribuições à aprendizagem docente. Paradigma, 43(1), 409-442. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p409-442.id1178

Ping, C., Schellings, G., & Beijaard, D. (2018). Teacher Educator’s Professional Learning: A Literature Review. Teaching and Teacher Education, 75, 93-104. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0742051X17320115

Ramírez-Montes, G. E. (2020). Aprendizagem da álgebra linear num contexto de modelação matemática: Uma experiência de ensino com estudantes costarriquenhos do ensino superior. [Tese de doutorado em Educação Didática da Matemática, Universidade de Lisboa]. http://hdl.handle.net/10451/45285

Riessman, C. K. (2002). Analysis of personal narratives. In J. D. Gubrium, & J. A. Holstein (Eds.), Handbook of interview research: Context and method (pp. 695-710). SAGE Publishings, Inc.

Riessman, C. K. (2005). Narrative Analysis. In Narrative, Memory & Everyday Life (pp. 1-7). University of Huddersfield.

Rodríguez, C. (2011). Diagnóstico de las dificultades de la enseñanza-aprendizaje en un curso de Álgebra Lineal. Anais do XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática (1-12). Recife, Brasil. https://xiii.ciaem-redumate.org/index.php/xiii_ ciaem/xiii_ciaem/paper/viewFile/2359/711

Santos, D. M. F. (2016). A relação entre a álgebra acadêmica e a álgebra escolar em um curso de licenciatura em matemática: Concepções de alunos e professores. [Tese de doutorado em Educação, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente]. https://acervodigital.unesp.br/handle/11449/138852

Scheiner, T. (2019). If we want to get ahead, we should transcend dualisms and foster paradigm pluralism. In G. Kaiser, & N. Presmeg (Eds.), Compendium for Early Career Researchers in Mathematics Education (pp. 511-532). Springer.

Skovsmose, O. (2000). Cenários para Investigação. Bolema, 13(14), 66-91.

Serrazina, M. (2017). Planificação do ensino e aprendizagem da matemática. In GTI (Org.). A prática dos professores: Planificação e discussão em sala de aula (pp. 9-31). APM.

Silva, J. M. P. da, & Jardim, V. B. F. (2022). Revisão sistemática de teses sobre álgebra na formação inicial de professores de matemática. Anais do XIV Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-10). https://www.even3.com.br/anais/xivenem2022/483727-revisao-sistematica-de-teses-sobre-algebra-na-formacao-inicial-de-professores-de-matematica/

Silva, J. M. P. da, Albrecht, E., & Pina Neves, R. da S. (2023). A construção de uma tarefa matemática sobre sistemas de equações lineares: Trabalho colaborativo no contexto da formação de um formador de professores. Perspectivas da Educação Matemática, 16(42), 1-34. https://doi.org/10.46312/pem.v16i42.18319

Stewart, S., Andrews-Larson, C., & Zandieh, M. (2019). Linear algebra teaching and learning: Themes from recent research and evolving research priorities. ZDM – Mathematics Education, 51(7), 1017-1030.

Zaidan, S. et al. (2021). A Licenciatura em Matemática no Brasil em 2019: Análises dos projetos dos cursos que se adequaram à Resolução CNE/CP 02/2015. SBEM Nacional.

Zandonay, J. (2020). Educação matemática crítica: Aproximações ou distanciamentos em relação à BNCC. [Dissertação de mestrado em Educação, Universidade Federal da Fronteira Sul]. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/3892

Zeichner, K. M. (2010). Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades (M. A. Pereira, trad.). Educação, 35(3), 479-504.

Revisoras: Márcia Aparecida Mariano da Silva Pina e Gislene Maria Barral Lima Felipe da Silva

Tradutora/revisora: Gislene Maria Barral Lima Felipe da Silva

Publicado

2024-04-30

Como Citar

SILVA, J. M. P. da; ALBRECHT, E. .; NEVES, R. da S. P. A trajetória acadêmico-profissional de um formador de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 114–150, 2024. DOI: 10.23925/1983-3156.2024v26i1p114-150. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/63270. Acesso em: 13 jul. 2024.