ISSN 2318-7115: A revista The ESPecialist (QUALIS B2) com seus mais de 35 anos de existência, é uma das primeiras revistas de Linguística Aplicada no Brasil. É uma publicação semestral do Programa de Pós-Graduação de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem da PUC-SP , em conjunto com o grupo de pesquisa ILCAE - Inclusão Linguística em Cenários de Atividades Escolares. Está aberta a colaboradores de todas as partes do país e do exterior, interessados em áreas como: línguas para fins específicos; abordagens teóricas e aplicadas ao ensino e à aprendizagem de línguas maternas e estrangeiras; formação de professores e coordenadores de programas de ensino de línguas; análise do discurso; interação em sala de aula; análise de gêneros linguísticos; linguística de corpus; educação a distância; tecnologia digital e ensino-aprendizagem de línguas; relatos de experiência docente sistematizada.

Capa da revista
v.39 - n.1 - 2018

A revista recebe artigos em fluxo contínuo.

Diretrizes para autores

Condições para a submissão de artigos

Modelo em word

Arquivo em word (.docx) para escrever seu artigo.

Notícias

 

DOSSIÊ TEMÁTICO: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS EM CONTEXTOS (SUPER)DIVERSOS

26/01/2018

Chamada de Dossiê Temático: Ensino-aprendizagem de Línguas em Contextos (super)diversos

GEADEL – Grupo de Estudo em Análise de Discurso e Ensino de Línguas 

Prazo de Submissão: 30 de JULHO de 2018

Data de Publicação: Agosto a Dezembro de 2018

 

As (inter)ações econômicas, sociais, políticas, tecnológicas e culturais, por terem transformado o modo como vivemos, convidam-nos a um necessário deslocamento para que compreendamos a globalização como um fenômeno complexo, o qual, das mais diferentes formas, atravessa a vida humana e nela atua. Com a acentuada ruptura das noções de espaço e tempo, novas práticas de informação e de comunicação ocasionaram novos movimentos, tornando intensos, viáveis e rápidos os fluxos globais e o contato entre as pessoas.

Fato é que a mobilidade e a complexidade de tais fluxos, causaram desdobramentos e evidenciaram os desafios encontrados nas relações humanas, nelas incluídas as práticas de linguagens que ainda insistem em uma perspectiva sistêmica, estável, normativa e monolíngue de língua, diferentemente do que postula Canagarajah (2013), ao propor que devemos ter uma orientação translíngue, tendo em vista que devem ser compreendidas como formas de práticas comunicativas e não como variedades estáveis.  Para Blommaert e Rampton (2011), o pensamento translíngue desafia a visão de língua como algo autônomo, estruturado, restrito a grupos fechados de falantes, autodenominados proprietários dessa língua, pois, para que se perceba o  translinguismo,  faz-se necessário observar o caráter situado e local das práticas sociais, que são desenvolvidas por meio da negociação de sentidos, pela mobilidade, pelo conflito e pela complexidade (CANAGARAJAH, 2013), sendo estes constantemente ressignificados e revalidados no meio social.

É diante desse cenário e, por considerar de suma importância que diferentes práticas discursivas sejam apresentadas em decorrência de novas práticas educativas, capazes de permitir aos sujeitos a possibilidade de adquirirem mobilidades para atuarem em contextos comunicativos diversos, convidamos você(s) para um diálogo crítico/reflexivo de como pensar questões de ensino-aprendizagem de línguas em contextos cada vez mais moventes, translíngues e (super)diversos.  

Organizadores: Profa. Dra. Paula Tatiana Silva Antunes (UFAC),  Profa. Ma. Grassinete C. de Albuquerque Oliveira (UFAC),  Prof. Dr. Adolfo Tanzi-Neto (UNILAB) e Profa. Dra. Fernanda Liberali (PUC-SP).

 
Outras notícias...
© The ESPecialist - 2018
Desenvolvido por Rodrigo Veiga