O problema filosófico da teoria da representação e desdobramentos para a Modelagem Matemática na Educação Matemática

Autores

  • Tiago Emanuel Klüber Universidade Estadual do Oeste do Paraná https://orcid.org/0000-0003-0971-6016
  • Carla Melli Tambarussi Instituto Federal do Paraná - Assis Chateaubriand https://orcid.org/0000-0002-4359-1766
  • Gabriele de Sousa Lins Mutti Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná, Foz do Iguaçu, PR

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p289-324

Palavras-chave:

Educação Matemática, Modelo Matemático, Realidade, Fenomenologia

Resumo

Este texto expõe compreensões sobre o problema filosófico da representação, tanto do ponto de vista da teoria clássica do conhecimento, quanto do ponto de vista fenomenológico, no primeiro caso, sendo tomado como vorstellung, e no segundo, como re-presentation. A discussão se dá em decorrência de o problema não ser enfrentado no âmbito da Modelagem na Educação Matemática, na qual a compreensão se alinha de modo naturalizado à concepção clássica. Explicitam-se, o quanto foi possível, diferenças entre as duas compreensões; efetuamos uma hermenêutica acerca dos termos correlatos à representação: realidade e modelo matemático; explicitam-se as compreensões de trabalhos de Modelagem na Educação Matemática que focaram o tema da realidade e correlatos; abrem-se interpretações concernentes aos desdobramentos de assumir uma posição fenomenológica do conhecimento para a Modelagem Matemática na Educação Matemática, em termos de ensino, aprendizagem, limitações da visão anterior, bem como indica-se a necessidade de revisar compreensões naturalizadas sobre os seus efeitos na Educação Matemática.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tiago Emanuel Klüber, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutor em Educação Científica e Tecnológica (2012) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

Carla Melli Tambarussi, Instituto Federal do Paraná - Assis Chateaubriand

Doutorado em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Gabriele de Sousa Lins Mutti, Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná, Foz do Iguaçu, PR

Doutora em Educação em Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

Abbagnano, N. (2007). Dicionário de Filosofia. Martins Fontes.

Anastácio, M. Q. A. (2007). Concepções de Matemática e de Realidade no processo de Modelagem Matemática: alguns apontamentos. Anais da 5ª Conferência nacional sobre modelagem na educação matemática. Ouro Preto: UFMG.

Ales Bello, A. (2016). Primeira parte: pensar Deus. In A. Ales Bello. Edmund Husserl: pensar Deus (pp. 1-100). Paulus.

Ales Bello, A. (2021). La ricerca qualitativa e le questioni etiche. Revista Pesquisa Qualitativa, 9(22), 511-520.

Anastácio, M. Q. (2010). A. Realidade: uma aproximação através da modelagem matemática. Revista de Modelagem na Educação Matemática, 1(1), 2-9.

Almeida, L. M. W. de., Silva, K. P. da. & Vertuan, R. E. (2012). Modelagem Matemática na educação básica. Contexto.

Araújo, J. de L. (2007). Relação entre matemática e realidade em algumas perspectivas de modelagem matemática na educação matemática. In J. C. Barbosa, A. D. Caldeira, J. de., & L. Araújo (Org.). Modelagem Matemática na Educação Matemática Brasileira: pesquisas e práticas educacionais (pp.17-32). SBEM.

Araújo, J. de. L. & Martins, D. A. (2017). A oficina de Modelagem #OcupaICEx: empoderamento por meio da Matemática. Revista Paranaense de Educação Matemática, 6(12), 109-129.

Barbosa, J. C. (2001). Modelagem na Educação Matemática: contribuições para o debate teórico. Anais da 24ª Reunião anual da ANPED (pp. 1-15). Caxambu: ANPED.

Bassanezi, R. C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. Contexto.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2008). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Trad. Floriano de Souza Fernandes. Vozes.

Bicudo, M. A. V. (2000). Fenomenologia: confrontos e avanços. Cortez.

Bicudo, M. A. V. (ed.). (2020a). Constitution and production of Mathematics in the Cyberspace: a phenomenological approach. Springer.

Bicudo, M. A. V. (2020b). The origin of number and the origin of geometry: issues raised and conceptions assumed by Edmund Husserl. Revista Pesquisa Qualitativa, 8(18), 387-418.

Bicudo, M. A. V. (2020c). Pesquisa Fenomenológica em Educação: possibilidades e desafios. Revista Paradigma, XLI, 30-56.

Bicudo, M. A. V., & Rosa, M. (2010). Educação matemática na realidade do ciberespaço-que aspectos ontológicos e científicos se apresentam? Revista latinoamericana de investigación en matemática educativa, 13(1), 33-57.

Bombassaro, L. C. (1994). As fronteiras da epistemologia: uma introdução ao problema da racionalidade e da historicidade do conhecimento. Vozes.

Borba, M. C., & Skovsmose, O. (2001). A Ideologia da Certeza em Educação Matemática In O. Skovsmose. Educação Matemática Crítica – A Questão da Democracia (pp. 127-160). Papirus.

Borges, P. A. P., & Silva, D. K. (2007). Modelagem Matemática, escola e a transformação da realidade. Anais da 5ª Conferência nacional sobre modelagem na educação matemática. Ouro Preto: UFMG.

Burak, D. (2004). A modelagem matemática e a sala de aula. Anais do 1º Encontro paranaense de modelagem em educação matemática (pp. 1-10). UEL.

Cifuentes, J. C., & Negrelli, L. G. (2012). Uma interpretação epistemológica do processo de Modelagem Matemática: implicações para a matemática. Bolema, 26(43), 791-815.

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. (2008-2021). Representação, [em linha]. https://dicionario.priberam.org/representa%C3%A7%C3%A3o

Gravina, M., & Contiero, L. (2011). Modelagem com o GeoGebra: uma possibilidade para a educação interdisciplinar? RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, 9(1), 01-10.

Greca, I. M., & Moreira, M. A. (2002). Mental, physical, and mathematical models in the teaching and learning of physics. Science Education, 86(1), 106-121.

Guilhermino, D. P. (2019). Simbolismo e Intuicionismo na primeira filosofia de Husserl. [Dissertação de Mestrado em Filosofia] Universidade de São Paulo. https://doi.org/10.11606/D.8.2019.tde-12062019-132152

Heidegger, M. (2006) Prolegomena zur Geschichte des Zeitbegriffs (curso do semestre de verão 1925, proferido da universidade de Marburg) [GA 20]. Petra Jaeger (ed.). Frankfurt/Main: Vittorio klostermann. Tradução inglesa de Theodore kiesiel: History of the Concept of Time. Prolegomena. Bloomington: Indiana university Press, 1985. Tradução francesa de Alain Boutot: Prolégomènes à l’histoire du concept de temps. Gallimard.

Hessen, J. (1982) Teoria Geral do Conhecimento. In J. Hessen. Teoria do Conhecimento. Tradução de Dr. Antônio Correia (pp. 25-57). Arménio Amado.

Houaiss, A. (2017). Dicionário Houaiss de sinônimos e antônimos. Objetiva.

Husserl, E. (1996). Investigações Lógicas: sexta investigação – Elementos de uma Elucidação Fenomenológica do Conhecimento. Seleção e Tradução de de Zeljko Loparic e Andréa Maria Altino de Campos Loparic. Nova Cultural.

Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Tradução de M. Suzuki. Ideias & Letras.

Husserl, E. (s. d.). A ideia de Fenomenologia. Tradução de Artur Morão. Edições 70.

Inwood, M. (1944). Dicionário Heidegger. Tradução: Luísa Buarque de Holanda, revisão técnica, Márcia Sá Cavalcanti Schuback. Jorge Zahar.

Klüber, T. E. (2012). Uma metacompreensão da Modelagem Matemática na Educação Matemática. [Tese de Doutorado em Educação Científica e Tecnológica] Universidade Federal de Santa Catarina. http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/96465

Klüber, T. E. (2017). Formação de professores em Modelagem Matemática na Educação Matemática brasileira: questões emergentes. Educere et educare, 12(24), 1-11.

Moura, C. A. R. de. (1989). Crítica da representação. In C. A. R. de. Moura. Crítica da razão na Fenomenologia (pp.77-100). Nova Stella Editorial.

Moura, C. A. de. (2006). Prefácio. In E. Husserl. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Tradução de M. Suzuki (pp. 15-23). Ideias & Letras.

Negrelli, L. G. (2008). Uma reconstrução epistemológica do processo de Modelagem Matemática para a Educação (em) Matemática. [Tese de doutorado em Educação] Universidade Federal do Paraná. http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/MATEMATICA/Tese_Negrelli.pdf

Ornek, F. (2008). Models in science education: Applications of models in learning and teaching science. International Journal of Environmental and Science Education, 3(2), 35-45.

Rocha, A. P. F. P. da. (2015). Realidade, Matemática e Modelagem: as referências feitas pelos alunos. [Dissertação de mestrado em Educação] Universidade Federal de Minas Gerais. http://hdl.handle.net/1843/BUBD-A7DHKX

Skovsmose, O. (2001). Educação Matemática Crítica – A Questão da Democracia. Papirus.

Skovsmose, O. (2007). Educação Crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. Cortez.

Soares, F. de. P. (2008). A idealidade e a fenomenologia nas investigações lógicas de Husserl. [Dissertação de mestrado em Filosofia] Universidade Federal de Minas Gerais. http://hdl.handle.net/1843/ARBZ-7KDET8

Sodré, U. (2007). Modelos matemáticos. UEL, 2007. http://www.uel.br/projetos/matessencial/superior/pdfs/modelos.pdf.

Sokolowski, R. (2004). Introdução à Fenomenologia. Edições Loyola.

Tambarussi, C. M. (2021). A produção do conhecimento matemático ao se trabalhar com Modelagem Matemática. [Tese de doutorado em Educação Matemática] Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. http://hdl.handle.net/11449/204075

Vecchia, R. D. (2012). A Modelagem Matemática e a realidade do mundo cibernético [Tese de doutorado em Educação Matemática] Universidade Estadual Paulista. http://hdl.handle.net/11449/102151

Veleda, G. G. (2010). Sobre a realidade em atividades de Modelagem Matemática [Dissertação de mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática] Universidade Estadual de Londrina. https://1library.org/document/qvx982ry-gabriele-granada-veleda-sobre-realidade-atividades-modelagem-matematica.html

Vertuan, R. E. & Almeida, L. M. W. de. (2016). Práticas de monitoramento cognitivo em atividades de Modelagem Matemática. Bolema, 30(56), 1070- 1091.

Vila-Ochoa, J. A., Quitero, C. A. B., Arboleda, M. de J. B., Castaño, J. A. O., & Bedoya, D. A. O. (2009). Sentido de Realidad y Modelación Matemática: el caso de Alberto. Alexandria Revista de Educação em Ciências e Tecnologia, 2(2), 159-180. http://funes.uniandes.edu.co/890/1/jhony.pdf

Downloads

Publicado

2022-08-31

Edição

Seção

Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022