O pesquisar-com a Fenomenologia em Filosofia da Educação Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p535-557

Palavras-chave:

Filosofia da Educação Matemática, Fenomenologia, Pesquisa Qualitativa

Resumo

Este texto enfoca a Fenomenologia como uma possibilidade de pesquisar em Filosofia da Educação Matemática. Apresenta algumas características da Fenomenologia para a pesquisa nesse contexto e expõem os procedimentos realizados em uma tese de doutorado com bases fenomenológicas, para exemplificar o que é dito em termos teóricos. Sua intenção não é apresentar um modo universal de pesquisar, mas tão somente dar direções e contribuir com outras pesquisas, especialmente com as que buscam compreender fenômenos situados na Educação Matemática sob a perspectiva fenomenológica. Com os autores lidos e a pesquisa exemplificada, compreendo que o pesquisar-com a Fenomenologia é um movimento de abertura para o fenômeno, cujo ponto de partida é a experiência vivida de um Ser que, ao estar no mundo, é sempre consciência.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Paulo Wichnoski, UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduado em licenciatura plena em matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Aluno regular do programa de pós graduação stricto sensu em Ensino da Universadade Estadual do Oeste do Paraná. Professor da FAMPER - Faculdade de Ampére.

Referências

Bicudo, M. A. V. (2011a). A pesquisa qualitativa olhada para além dos seus procedimentos. In M. A. V. Bicudo et al. (org): Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. (pp.11-28). Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2011b). Aspectos da pesquisa qualitativa efetuada em uma abordagem fenomenológica. In M. A. V. Bicudo et al. (org): Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. (pp.29-40). Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2011c). Pesquisa qualitativa fenomenológica: interrogação, descrição e modalidades de análises. In M. A. V. Bicudo et al. (org): Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. (pp.41-52). Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2011d). Análise fenomenológica estrutural e variações interpretativas. In M. A. V. Bicudo et al. (org): Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. (pp.53-74). Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2020). Pesquisa fenomenológica em Educação: possibilidades e desafios. Revista Paradigma, (41), 30-56. http://revistaparadigma.online/ojs/index.php/paradigma/article/view/928/779

Bicudo, M. A. V., & Garnica, A. V. (2011). Filosofia da Educação Matemática. Autêntica.

Bicudo, M. A. V., & Klüber, T. E. (2013). A questão da pesquisa sob a perspectiva da atitude fenomenológica de investigação. Filos. Educ., 18(3), 24-40. http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/1949/pdf_170

Bicudo, M. A. V., & Klüber, T. E. (2011). Pesquisa em Modelagem Matemática no Brasil: a caminho de uma metacompreensão. Cadernos de Pesquisa, 41(144), 904-927. http://educa.fcc.org.br/pdf/cp/v41n144/v41n144a14.pdf

Bicudo, M. A. V., & Paulo, R. M. (2010). Um Estudo Fenomenológico sobre a Compreensão da Geometria. In A. P. P. Baumann et al. (org.): Maria em Forma/Ação. (pp. 243 - 254). IGCE.

Bruyne, P.; Herman, J., & Schoutheete, M. (1977). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da pratica metodológica. F. Alves.

Detoni, A. R. (2003). Contribuições de uma investigação sobre o espaço para a Educação Matemática. Bolema, 16(19), 19-36. https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10553

Fiocruz. Sistema de Informação em Biossegurança. Disponível em: <http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/bemtevi.htm>. Acesso em: 04/02/2022.

Giorgi, A. (2014). Sobre o método fenomenológico utilizado como modo de pesquisa qualitativa nas ciências humanas: teoria, prática e avaliação. In J. Poupart et al (org.): A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. (pp. 396-409). Vozes.

Heidegger, M. (2015). Ser e Tempo. Vozes.

Husserl, E. (2002). A crise da humanidade europeia e a Filosofia. EDIPUCRS.

Husserl, E. (1989). A idéia de fenomenologia. Edições 70.

Machado, O. V. M. (1994). Pesquisa Qualitativa: modalidade fenômeno situado. In Bicudo, M. A. V., & Espósito, V. H. (org.): Pesquisa qualitativa em Educação. Editora da UNIMEP.

Martins, J. (2006a). O existencialismo de Kierkegaard. In J. Martins & M. A. V. Bicudo. (org.): Estudos sobre Existencialismo, Fenomenologia e Educação. Centauro.

Martins, J. (2006b). A Ontologia de Heidegger. In J. Martins & M. A. V. Bicudo. (org.): Estudos sobre Existencialismo, Fenomenologia e Educação. Centauro.

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da Percepção. Martins Fontes.

Moura, C. A. R. (1989). Crítica da razão na fenomenologia. Nova Stela.

Nóbrega. T. P. (2008). Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, 13(2), 141-148. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-506094

Palmer, R. E. (2018). Hermenêutica. Edições 70.

Pinheiro, J. M. L. (2021). A transcrição na análise fenomenológica: um olhar ao trabalho com geometria dinâmica. Perspectivas da Educação Matemática, 14(35), 1-20. https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/10269/9340

Schmidt, L. (2014). Hermenêutica. Vozes.

Souza, J. S., & Paulo, R. M. (2020). A Hermenêutica na pesquisa fenomenológica: expondo uma possibilidade de análise dos dados. Educ. Matem. Pesq., 22(3), 285-314. https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/50866

Wichnoski, P. (2021). Fenomenologia da Investigação Matemática na Educação Matemática [Tese de Doutorado em Educação em Ciências e Educação Matemática]. Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Wichnoski, P., Klüber. T. E. (2022). A hermenêutica na pesquisa qualitativa fenomenológica: um exemplo situado na Educação Matemática. Paradigma., 43, 158 – 177. http://revistaparadigma.online/ojs/index.php/paradigma/article/view/1222

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

WICHNOSKI, P. O pesquisar-com a Fenomenologia em Filosofia da Educação Matemática . Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 535–557, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i2p535-557. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57314. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Finalizada - Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022