O Pensamento Algébrico na Base Nacional Comum Curricular: reflexões e alternativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i2p325-352

Palavras-chave:

Ensino da Álgebra, BNCC, Fenomenologia, Pensamento Algébrico e Expressão

Resumo

Este trabalho é orientado pela indagação a respeito da concepção de pensamento algébrico presente no texto da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Para dar conta desta investigação, analisamos o documento destacando os aspectos concernentes ao pensamento algébrico que nele se apresentam e os compreendemos criticamente tomando como base a concepção descrita pela Fenomenologia de Edmund Husserl (1859-1938) sobre o ato de pensar. A análise do documento evidenciou uma visão tecnicista, pragmática e computacional para as práticas de ensino e aprendizagem da Álgebra, visão centrada mais na linguagem do que nos sentidos do pensamento que essa linguagem explicita. Essa constatação motivou-nos a procurar alternativas para o tratamento dessa área da Matemática. Uma delas é a do educador matemático holandês Hans Freudenthal (1905-1990), que faz considerações sobre a importância de uma compreensão da Álgebra para além de suas regras operatórias.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliano Bortolete, Universidade Estadual Paulista - UNESP/Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFSP

Possui graduação em Matemática pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2003) , mestrado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2011) e mestrado em Matemática Aplicada e Computacional pela UNICAMP (2016). Atualmente é doutorando no Programa de Educação Matemática da UNESP Rio Claro e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando, principalmente, nos seguintes temas: otimização matemática; tecnologia; sociedade e educação. (Texto informado pelo autor)

Referências

Bachelard, G. (1986). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Contraponto.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. http://basenacionalcomum.mec.gov.br

Budden, F. J. (1972). The fascination of Groups.Cambridge University Press.

Costa, A. M. (1971). As ideias fundamentais da Matemática e outros ensaios. Editora da Universidade de São Paulo.

Freudenthal, H. (1970). Mathematics as an Educational Task. D. Reidel.

Freudenthal, H. (2002) Didactical phenomenology of mathematical structures. Kluwer Academic Publishers.

Houaiss, A.; Villar, M. S. (2001). Dicionário Houaiss da lingua portuguesa. Objetiva.

Husserl, E. (1962). Lógica formal y Lógica Transcendental: ensayo de uma crítica de la razón lógica. Centro de Estudios Filosóficos. Universidad Nacional Autónoma de México.

Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica: Introdução geral à fenomenologia pura. Ideias & Letras.

Husserl, E. (2012). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à Filosofia fenomenológica. Gen.

Husserl, E. (2012a). Investigações Lógicas: investigações para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. Gen.

Husserl, E. (2014). Investigações lógicas: prolegômenos à lógica pura. Forense.

Lyotard, J. F. (2000). Peregrinações: Lei, Forma, Acontecimento. Estação Liberdade.

Moura, C. A. R. de. (1989) Crítica da Razão na Fenomenologia. Nova Stella: Edusp.

Peacok, G. (1830). A Treatise on Albegra. J. and J.J. Deighton.

Santos, E. & Tomé, L. (2020). O discurso ausente de democracia na Base Nacional Comum Curricular do Ensino Fundamental. Jornal de Políticas Educacionais. 14 (25), 1-19.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

BORTOLETE, J.; GUARANHA, M. F.; OLIVEIRA, V. de. O Pensamento Algébrico na Base Nacional Comum Curricular: reflexões e alternativas . Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 325–352, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i2p325-352. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/57397. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Finalizada - Número especial: Filosofia da Educação Matemática –2022