O Programa Residência Pedagógica

uma reflexão tomando por base a experiência francesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2022v24i4p096-137

Palavras-chave:

Residência Pedagógica, Pré-profissionalização, Formação de professores na França, Formação inicial de professores no Brasil, Professor de Matemática

Resumo

Este artigo tem como objetivo ampliar o debate sobre a residência pedagógica no Brasil fazendo um comparativo com o que ocorre na França, com ênfase na formação inicial de professores(as) de matemática. A França está passando por mudanças na educação nacional. Um dos objetivos é melhorar o desempenho discente em matemática que vem caindo nos últimos 30 anos. No quadro de um grande plano que começa a ser implementado na educação nacional da França, temos o investimento nas condições da atuação docente como um dos pontos fortes da reforma, que traz como uma das medidas uma proposta de pré-profissionalização. Procuramos comparar essa proposta com a residência pedagógica no Brasil, sem esquecer as diferenças histórico-culturais. Para tanto, realizamos uma pesquisa exploratória baseada em dados documentais oficiais atuais disponíveis dos governos brasileiro e francês sobre as propostas que vêm ocorrendo no ensino de matemática. Essa pesquisa deriva de um estudo de pós-doutorado na França. Entre os resultados observados na França, consideramos que seria pertinente a ampliação do tempo da residência pedagógica no Brasil proposto inicialmente pela CAPES, bem como aumento do valor das bolsas, de forma a valorizar a formação inicial docente. Consideramos que também se faz necessário um projeto nacional de valorização da carreira de professor(a) no Brasil com mais investimentos em educação.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vladimir Lira Veras Xavier de Vladimir, UFRPE - Professor do Departamento de Matemática

Possui mestrado em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2005). Atualmente é professor assistente 3 da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Doutorando em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco e em Sciences de lÉducation pela Universidade Lumière Lyon 2. Linhas de pesquisa expressão gráfica, educação matemática, educação estatística.

Jean-Claude Régnier, UMR 5191 ICAR Université Lumière Lyon2

Possui graduação em Matemática - Université de Bourgogne Dijon (FRA) (1973), mestrado em Matemática e em Didática da Matemática - Université Nancy1 Nancy (FRA) (1980) e doutorado em Matemática e Didática da Matemática - Université Louis Pasteur Strasbourg (FRA) (1983). Realizou também o mestrado em Ciências da Educação - Université de Lyon - Université Lumière Lyon 2 (FRA) (1986). É Doutor d'Etat-HDR em Ciências e Teorias das Formas da Educação - Université Marc Bloch Strasbourg (FRA) (2000). Atualmente é professor Émérite des Universités (Classe Exceptionnelle) - Université de Lyon (FRA). Recebeu a medalha Chevalier de l?ordre des palmes académiques (França, 2008), o título de Doctor Honoris Causa ? (Universidade de Caxias do Sul ? Brasil, 2017) e Laureado da Medalha de National Research Tomsk State University - Tomsk (Russia, 2018). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: novas tecnologias educativas, ambiente virtual de trabalho, ensino e aprendizagem da Estatística e da Matemática, autonomia, autoavaliação e autocorreção, Didática da Matemática e da Estatística. Ordinary Member of the International Statistical Institute (eleito em 1999). Member of SFDS - Société Française de Statistique - Presidente do Grupo "Ensino da Estatística"(2003-2011). Professor visitante na UCS-RS-Brasil. (2008-2018) Orientador de tese (doutorado em Educação) na Universidade de Sherbrooke, Canadá. Membro permanente do laboratório ICAR (UMR5191, CNRS, Universidade Lumière-Lyon 2, França) e no Grupo de Pesquisa: (1995-2016) Psicologia da Educação Matemática e Estatística (UNICAMP Campinas, Brasil). Professor colaborador PUC-SP PPG em Educação Matemática. Professor do corpo docente do Programa de Pós-graduação em Ensino das Ciências da UFRPE - Recife e UFN ? Universidade Franciscana -Santa Maria. Professor convidado de National Research Tomsk State University - Tomsk (Rússia). Pesquisador Visitante Especial (PVE Processo: 88881.068033/2014-01- UFRPE 2015-2017).

Referências

Acioly-Régnier, N. M., & Monin, N. (2009). Da teoria dos campos conceituais à didática profissional para a formação de professores: contribuição da Psicologia e da Sociologia para a análise de práticas pedagógicas. Educação Unisinos, 13 (1), 5-16.

Auduc, J.-L. (2021). Le système éducatif français aujourd´hui. De la maternelle à la terminale. Un état des lieux. Hachette Livre.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da educação Nacional, LDB. 9394/1996. Brasil, Brasília. Incluindo atualizações e modificações realizadas até 2022. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (2017). Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasil, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm#art7.

Chevallard, Y. (1991). La transposition didactique, du savoir savant au savoir enseigner. La Pensée Sauvage.

Conselho Nacional de Educação (CNE). (2015). Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial República Federativa do Brasil: Brasília.

Conselho Nacional de Educação (CNE). (2019). Resolução nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica/Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial República Federativa do Brasil: Brasília.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2018). Portaria Gab. No 38, de 28 de fevereiro de 2018. Institui o Programa de Residência pedagógica. CAPES: Brasília.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2019). Portaria Gab. No 259, de 17 de dezembro de 2019. Regulamenta o Programa de Residência pedagógica e do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). CAPES: Brasília.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2022). Portaria Gab. No 82, de 26 de abril de 2022. Dispõe sobre o regulamento do Programa Residência pedagógica – PRP. CAPES: Brasília.

Direction de l´évaluation, de la prospective et de la performance (DEPP). (2019). Note d´Information n. 19.08 – Mar 2019: L’évolution des performances en calcul des élèves de CM2 à trente ans d’intervalle (1987-2017). Ministère de l’Éducation Nationale, de la Jeunésse et des Sports : Paris.

Duarte, V. de M. (2020). Residência pedagógica: a estruturação do sistema didático em um programa de formação de professores de matemática. [Tese de doutorado em Ensino das Ciências e Matemática, Universidade Federal Rural De Pernambuco]. http://ww2.ppgec.ufrpe.br/sites/default/files/testes-dissertacoes/Residência%20Pedagógica%20a%20estruturação%20do%20sistema%20didático%20em%20um%20programa%20de%20formação%20de%20professores%20de.pdf

Faria, J. B. & Diniz-Pereira, J. (2019). Residência pedagógica: afinal, o que é isso? R. Educ. Públ. Cuiabá, 28(68), 333-356.

França. (2019). Lei n. 2019-791 pour une École de la Confiance. Journal Officiel de la République Française: Paris. https://www.legifrance.gouv.fr/download/file/SCydN48I7rta6Nw42aSgrO1pWrS6r3xlNl0T8Bw0saA=/JOE_TEXTE

Freitas, M. C. de, Freitas, B. M. de., & Almeida, D. M. (2020). Residência pedagógica e sua contribuição na formação docente. Ensino em Perspectivas, 1(2), 1-12.

Governo do Brasil. (2022). Portaria que estabelece o novo piso salarial dos professores da educação básica é assinada. Governo do Brasil: Brasília. https://www.gov.br/pt-br/noticias/educacao-e-pesquisa/2022/02/portaria-que-estabelece-o-novo-piso-salarial-dos-professores-da-educacao-basica-e-assinada

IHEAL (2016). Guide : Comment rédiger son mémoire en M1 et en M2 ?, Documentation interne. Institut des hautes Études de L´Amérique Latine (Université Paris 3), Paris. http://www.iheal.univ-paris3.fr/sites/www.iheal.univ-paris3.fr/files/Guide%20du%20memoire%20M1%20et%20M2%20Conclure%20et%20rediger.pdf

Laukkanen, R. (2014). Finnish model of teacher education for lifelong teaching career. Revista Fuentes, (15), 19-42.

Longuet, G. (2021). Réagir face à la chute du niveau en mathématiques : pour une revalorisation du métier d'enseignant (rapport d'information, n.691). Sénat (Paris). https://www.senat.fr/rap/r20-691/r20-6911.pdf

Avolio, J. C. & Faury, M. L. (2009) Licence. In Dicionário Escolar Francês Michaelis. Editora melhoramentos.

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2021a). Préprofessionnalisation : une entrée progressive et rémunérée dans le métier de professeur. MENJS: Paris. https://www.devenirenseignant.gouv.fr/cid137417/preprofessionnalisation-une-entree-progressive-et-remuneree-dans-le-metier-de-professeur.html

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2021b). Les données statistiques des concours du capes de la session 2021. MENJS: Paris. https://www.devenirenseignant.gouv.fr/cid159040/donnes-statistiques-capes-2021.html

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2022a). Les Inspé pour former les futurs enseignants. MENJS: Paris. https://www.devenirenseignant.gouv.fr/pid33962/les-inspe-pour-former-les-futurs-enseignants.html

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2022b). Les régions académiques, académies et services départementaux de l'Éducation nationale. MENJS: Paris. https://www.education.gouv.fr/les-regions-academiques-academies-et-services-departementaux-de-l-education-nationale-6557

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2022c). Relever le niveau en mathématique de la maternelle à la terminale. MENJS: Paris. https://www.education.gouv.fr/relever-le-niveau-en-mathematique-de-la-maternelle-la-terminale-324680

Ministère de l´Éducation Nationale, de la Jeunesse et des Sports (MENJS) (2022d). Réforme de la formation initiale des professeurs et des conseillers principaux d’éducation en instituts nationaux supérieurs du professorat et de l’éducation (VADEMECUM). MENJS: Paris. https://media.devenirenseignant.gouv.fr/file/Actualites/71/5/2021_vademecum_reforme_du_concours_etudiants_DGRH_1392715.pdf

Ministère de l´Éducation Nationale, de l´Enseignement Supérieur et de la Recherche (MESRI) (2013). Référentiel des compétences professionnelles des métiers du professorat et de l'éducation. MESRI : Paris. https://inspe.u-pec.fr/medias/fichier/referentiel-des-competences-professionnelles-des-metiers-du-professorat-et-de-l-education_1469181496629-pdf

Ministério da Educação (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular. MEC: Brasília. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Ministério da Educação (MEC). (2020). Perguntas Frequentes: Informações sobre docência na educação básica. MEC: Brasília. https://www.gov.br/mec/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/secretarias/secretaria-de-educacao-superior/perguntas-frequentes-educacao-superior.

Nascimento, M. D. (2022). A atuação da noosfera na construção da Base Nacional Comum Curricular de Matemática dos anos iniciais do ensino fundamental: o caso da álgebra. [Tese de doutorado em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Pernambuco].

Organisation de Coopération et de Développement Économiques (OCDE). (2014). L’enseignement a’ la loupe - 2014 (septembre). Paris: OCDE. https://www.oecd.org/fr/education/scolaire/TIF5FR.pdf

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). (2016). Os desafios do ensino de matemática na educação básica. Tradução Yurico Y. B. et al. Brasília: UNESCO/ UFSCar. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000246861

Pastré, P., Mayen, P., & Vergnaud, G. (2006). La didactique professionnelle. Revue française de pédagogie, 154 (1), 145-198.

Pereira, I. C., Silva, P. V., Gomes, C. R. (2021). Benefits and challenges of collaborative work in the teaching of Mathematics in the Pedagogical Residency Program. Educação Matemática Pesquisa, 23 (1), 613-631.

Quebec (2020). Référentiel de Compétences Professionnelles : Profession enseignante. Ministère de l’Éducation (Gouvernement du Québec). https://cdn-contenu.quebec.ca/cdn-contenu/adm/min/education/publications-adm/devenir-enseignant/referentiel_competences_professionnelles_profession_enseignante.pdf?1606848024

Régnier, J.-C. (2014). Mathématiques : réflexions historiques, épistémologiques, pédagogiques et didactiques pour une contribution à la refondation de l’enseignement Scientifique. In M. Boudet & F. Saint-Luc. (org.), Le système éducatif à l'heure de la société de la connaissance (pp. 321-355). Presses Universitaires du Mirail.

Silva, K. A. C. P. da, & Cruz, S. P. (2018). A Residência pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento diálogos em educação, 27(2), 227-247.

Silvestre, M. A. & Valente, W. R. (2019). Professores em Residência pedagógica: estágio para ensinar Matemática. Vozes.

Uliana, M. R., P. da S. S., Nascimento, T. R. A., & Oliveira, B. L. S. (2020). Um Panorama dos Cursos de Licenciatura que Formam Professores de Matemática no Brasil. Educação Matemática em Revista. 25 (66), 169-183.

Downloads

Publicado

2022-12-26

Como Citar

VLADIMIR, V. L. V. X. de; RÉGNIER, J.-C. O Programa Residência Pedagógica: uma reflexão tomando por base a experiência francesa. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 096–137, 2022. DOI: 10.23925/1983-3156.2022v24i4p096-137. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/58193. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Número Temático: Formação de Professores de Matemática na interface com o Programa Residência Pedagógica 2022