Percurso de estudo e pesquisa

um dispositivo de pesquisa e formação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/1983-3156.2023v25i2p278-328

Palavras-chave:

Geometria analítica plana, Teoria antropológica do didático, Percurso de estudo e pesquisa, Formação profissional, Dispositivo teórico-metodológico

Resumo

Neste texto nós apresentamos a estruturação de um Percurso de Estudo e Pesquisa (PEP) realizado no âmbito da formação inicial de futuros professores de matemática, cursistas do estágio supervisionado em uma universidade pública no Brasil. Um dos objetivos da pesquisa se configurou na constituição de um dispositivo teórico-metodológico capaz de promover pesquisa e formação continuada de professores sobre tópicos de Geometria Analítica Plana. O trabalho construído em torno da questão geratriz do PEP, “como ensinar a geometria analítica do ponto e da reta?”, trouxe a possibilidade de responder à questão geral da pesquisa promovendo um processo de formação profissional, a partir de um dispositivo teórico-metodológico com certas características. Os momentos de planejamento identificados nas atividades realizadas pelos professores estagiários foram bastante significativos, apesar de não ser possível identificar nas gravações as possíveis praxeologias pensadas para o ensino de GAP. Globalmente, o PEP-FP desenvolvido se mostrou ser em um dispositivo teórico-metodológico que tem um potencial para a pesquisa científica em Didática da Matemática e para a formação profissional de futuros professores

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita Lobo Freitas, Universidade de Estado da Bahia

Doutora em Educação Matemática pela PUCSP

Saddo Ag Almouloud, PUC-SP

Doutorado em Mathematiques et Applications - Université de Rennes 1 em 1992 - frança. Assistente doutor - pontifícia universidade católica de São Paulo, e assistente doutor da fundação Santo André. Consultor ad hoc da fundação de amparo a pesquisa do estado de são Paulo, da capes, bolsista pesquisador de CNPQ, foi coordenador do programa de estudos pós-graduados em educação matemática da PUC-SP de 2007 à 2009 e de 01/08/2013 a 31/07/2017. Atualmente é vice coordenador do referido programa. Foi coordenador do curso de especialização em educação matemática da PUC-SP de 2006 a 2017. Publicou mais de 50 artigos em periódicos especializados e mais de 83 trabalhos em anais de eventos. Possui 5 capítulos de livros e 12 livros publicados. Possui 1 software e mais de 62 itens de produção técnica. Participou de vários eventos no exterior e mais de 112 no brasil. Orientou mais 77 dissertações de mestrado e teses de doutorado na área de educação matemática entre 1996 e 2016. Participou de mais de 200 bancas de defesa de dissertações e doutorados. Coordenou mais de 5 projetos de pesquisa. Atualmente coordena 2 projetos de pesquisa. Atua na área de educação, com ênfase em educação matemática. É avaliador do prêmio victor civita desde 2013. Em suas atividades profissionais interagiu com mais 70 colaboradores em coautorias de trabalhos científicos. Em seu currículo lattes os termos mais frequentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: ensino-aprendizagem, geometria, educação matemática, matemática, demonstração, ensino básico, formação de professores, geometria dinâmica, TIC.

Referências

Artigue, M (1988). Ingénierie didactique. Recherches em Didactique des Mathématiques. La Pensée Sauvage-Éditions, 9(3), 281-308.

Ball, D. L.; D. L.; Thames, M. H. Phelps. G. (2008). Content Knowledge for Teaching What Makes It Special? Journal of Teacher Education, 59(5), 389-407.

Briot, C. ; Bouquet, J. C. (1860). Leçons de Géométrie Analytique. Dezobry, E. Magdeleine et C., Paris: Libraires-Éditeurs..

Chevallard, Y. (1999). Les analyses de pratiques enseignantes en théorie anthropologique de la didactique. Recherches en Didactique de Mathématiques. La Pensée Sauvage-Éditions, 19(2), 221-266.

Chevallard, Y. (2003). Approche anthropologique du rapport au savoir et didactique des mathématiques. Maury S. & Caillot, M. (Éd.). Rapport au savoir et didactiques (pp. 81-104)., Paris: Éditions Fabert. Acessado em de : http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Approche_anthropologique_rapport_au_savoir.pdf

Chevallard, Y. (2007a). Passé et présent de la théorie anthropologique du didactique. França, Acessado em 03 de julho de:

http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/Passe_et_present_de_la_TAD-2.pdf.

Chevallard, Y. (2007b). Um concept en émergence: la dialectique es médias et des milieux. Université de Provence, França.

Chevallard, Y. (2009a). La notion d’ingénierie didactique, un concept à refonder. Questionnement et éléments de réponse à partir de la TAD. 15e École d’Été de Didactique des Mathématiques. Clermont-Ferrand,. Acessado em 15 de abril de 2015 de: http://www.ardm.eu/book/export/html/676.

Chevallard, Y. (28 avril 2009b). La notion de PER: problèmes et avancées. Toulouse, . Acessado em 17 de abril de 2015 de:

http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/IMG/pdf/La_notion_de_PER___problemes_et_avancees.pdf.

Chevallard, Y. (2020). Some sensitive issues in the use and development of the anthropological theory of the didactic. Educ. Matem. Pesq., 22(4), 13-53.

Duval, R. (1995). Sémiosis et pensée humaine: Registres sémiotiques et apprentissages intellectuels. Bern: Peter Lang.

Freitas, Rita Lobo. (2019). Dispositivo de pesquisa e formação profissional PEP-FP/TAD: constituição do conhecimento docente para o ensino de geometria analítica plana do ponto e da reta. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Iezzi, G. et al. (2010). Matemática Ciência e Aplicações. São Paulo: Editora Saraiva,.

Maire, I. (1637). La Géométrie, in Discours de la Méthode pour bien conduire sa raison et trouver la vérité dans les sciences. Plus La Dioptrique, Les Météores et La Géométrie. Acessado em 28 de maio de 2018 de: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b86069594/f4.double.r.

Mishra, P.; Koehler, M. (2006). Technological Pedagogical Content Knowledge: A Framework for Teacher Teachers College. Record, 108(6), 1.017–1.054.

Sierra, T. Á. D. (2006). Lo matemático en el diseño y analisis de Organizaciones didácticas: los sistemas de Numeración y la medida de magnitudes.Tese de Doutorado, Universidad Complutense de Madrid. Madri, España.

Sierra, T. Á; GascON, J. (2018). Los recorridos de estudio e investigación para la formación del profesorado y la construcción de praxeologías matemáticas para la enseñanza. El caso de los sistemas de numeración. Recherche en Didactique des Mathématiques, 38(1), 79-117.

Shulman, L. S. (1986). Those Who understand: Knowledge growth in teaching. Education Researcher, 15(2), 4-14.

Shulman, L. (1987). Conhecimento e Ensino: Fundamentos da Nova Reforma. Harvard Educational Review, 57(1), 1-23.

Silva, M. J. F. da. Lima, G. L. de. (2015). Conhecimentos desenvolvidos em um curso de Licenciatura em Matemática na modalidade a distância. In Anais do XIV CIAEM-IACME, Chiapas, MX. México: CIAEM-IACME.

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes.

Publicado

2023-08-20

Como Citar

FREITAS, R. L.; ALMOULOUD, S. A. Percurso de estudo e pesquisa: um dispositivo de pesquisa e formação profissional. Educação Matemática Pesquisa Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 278–328, 2023. DOI: 10.23925/1983-3156.2023v25i2p278-328. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/62248. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

NÚMERO ESPECIAL - COMEMORAÇÃO DOS 25 ANOS DA REVISTA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PESQU