Uma Revisão Sistemática Abordando o Tangram, o GeoGebra e as Opções de Isometria do Plano

Roberio Pereira Rocha, Maria Deusa Ferreira da Silva

Resumo


Resumo

Este artigo apresenta os resultados de parte uma pesquisa de mestrado, e tem como objetivo mapear e analisar pesquisas publicadas de 2015 até 2020, realizadas em nível de ensino básico sobre a utilização do Tangram, GeoGebra e opções de isometria do plano no ensino da matemática. A metodologia utilizada foi a revisão sistemática de literatura, e partiu de buscas de artigos e dissertações realizadas nos periódicos da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), no Banco de Teses e Dissertações da CAPES e no Google Acadêmico. Usamos as duplas de descritores GeoGebra/Tangram, Tangram/Matemática e GeoGebra/Isometrias e localizamos 293 pesquisas. Após a seleção, guiada fielmente pelo protocolo estabelecido na revisão sistemática, consideramos dez estudos como amostra final da revisão. Concluímos que os trabalhos analisados apontam para a importância da variação de metodologias e utilização de recursos como GeoGebra e Tangram para potencializar o ensino de matemática. A pesquisa evidenciou a significativa contribuição do GeoGebra como incentivador do interesse dos alunos pelo estudo das isometrias do plano. Além disso, constatamos a importância do Tangram utilizado conjuntamente com o GeoGebra como facilitador da apropriação dos conceitos geométricos, instigador da curiosidade, propulsor da criatividade e mediador da percepção espacial. Todavia, percebemos a existência de uma lacuna nesse rol de estudos. Não encontramos estudos que utilizassem simultaneamente estes três elementos: GeoGebra, Simetria e Tangram.  E é nessa nova perspectiva, a partir dessa lacuna, que estamos organizando esta pesquisa, ou seja, à luz da teoria da atividade, queremos investigar as estratégias matemáticas dos alunos envolvidos nessas construções de isometrias, durante a formação das figuras do Tangram no ambiente do GeoGebra.

Palavras-chave: GeoGebra, Ensino básico, Tangram.

Abstract

This article presents the results of part of a master’s research and aims to map and analyse research published from 2015 through 2020 at basic education level on the use of Tangram, GeoGebra and options of isometry of the plane in mathematics teaching. The methodology used was the systematic literature review and started from searches for articles and theses carried out in the journals of the Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações/Brazilian Digital Library of Theses and Dissertations (BDTD), CAPES Banco de Teses e Dissertações/Thesis and Dissertations Bank, and Google Acadêmico/ Google Scholar. We used the pairs of descriptors GeoGebra/Tangram, Tangram/Mathematics and GeoGebra/Isometries and found 293 studies. After the selection, guided faithfully by the protocol established in the systematic review, we considered ten studies as the final sample of the review. We concluded that the works analysed point to the importance of varying methodologies and using resources such as GeoGebra and Tangram to enhance mathematics teaching. The research showed the significant contribution of GeoGebra as an incentive for the student's interest in studying the isometries of the plane. In addition, we note the importance of the Tangram used together with GeoGebra as a facilitator of the appropriation of geometric concepts, an instigator of curiosity, a propeller of creativity, and a mediator of spatial perception. However, we perceived a gap in this list of studies. We did not find studies that used these three elements simultaneously: GeoGebra, Simetria, and Tangram. It is from this new perspective, from this gap, that we are organising this research, i.e., in the light of the theory of activity, we want to investigate the mathematical strategies of the students involved in those isometric constructions, during the formation of the Tangram figures in the environment of the GeoGebra.

Keywords: GeoGebra, Basic education, Tangram.

Resumen

Este artículo presenta los resultados de parte de una investigación de maestría y tiene como objetivo mapear y analizar investigaciones publicadas desde 2015 hasta 2020 en nivel de educación básica sobre el uso de Tangram, GeoGebra y opciones de isometría del plano en la enseñanza de las matemáticas. La metodología utilizada fue la revisión sistemática de la literatura y partió de búsquedas de artículos y tesis realizadas en las revistas de la Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), Banco de Teses e Dissertações de CAPES y Google Académico. Utilizamos los pares de descriptores GeoGebra/Tangram, Tangram/Matemáticas y GeoGebra/Isometrías y encontramos 293 estudios. Tras la selección, guiados fielmente por el protocolo establecido en la revisión sistemática, consideramos diez estudios como muestra final de la revisión. Concluimos que los trabajos analizados apuntan a la importancia de variar metodologías y utilizar recursos como GeoGebra y Tangram para potenciar la enseñanza de las matemáticas. La investigación mostró la importante contribución de GeoGebra como incentivo al interés del estudiante por estudiar las isometrías del plano. Además, notamos la importancia del Tangram utilizado junto con GeoGebra como facilitador de la apropiación de conceptos geométricos, instigador de la curiosidad, propulsor de la creatividad y mediador de la percepción espacial. Sin embargo, percibimos una brecha en esta lista de estudios. No encontramos estudios que utilizaran estos tres elementos simultáneamente: GeoGebra, Simetria y Tangram. Es desde esta nueva perspectiva, desde esta brecha, que estamos organizando esta investigación, es decir, a la luz de la teoría de la actividad, queremos investigar las estrategias matemáticas de los estudiantes involucrados en esas construcciones isométricas, durante la formación de las figuras de Tangram en el entorno de GeoGebra.

Palabras clave: GeoGebra, Educación básica, Tangram

Palavras-chave


GeoGebra, ensino básico, Tangram

Texto completo:

PDF

Referências


Bulgarelli, C. C. de. (2018). Isometrias no Ensino Básico. [Dissertação apresentada ao Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica como parte dos requisitos exigidos para a obtenção do título de Mestrado Profissional - Universidade Estadual de Campinas, Campinas]. http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/332216

Costa, S. M. da. (2019) Tangram e resolução de problemas: Desafios e possibilidades. [Dissertação de Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática – PPGECEM, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande]. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEPB_c0987b66fd2f5dccf59f6a4afae8fbf0

Dickel, M. T. (2019). GeoGebra e isometrias: a ação de arrastar na construção de conceitos. [Dissertação de Mestrado em Ensino de Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre]

Da Silva, R. S. et al (2019). Práticas Multidisciplinares: Atividades Lúdicas e Tecnologia Digital aliada ao estudo de Artes e Geometria. RELACult-Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade. http://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1253

Fink, A. (2005). Conducting research literature reviews: From the Internet to paper. Thousand Oaks.https://www.worldcat.org/title/conducting-research-literature-reviews-from-the-internet-to-paper/oclc/55947868

Gomides, J. E. (2002). A definição do problema de pesquisa a chave para o sucesso do projeto de pesquisa. Revista do Centro de Ensino Superior de Catalão–CESUC–Ano IV. http://wwwp.fc.unesp.br/~verinha/ADEFINICAODOPROBLEMA.pdf

Homa, A. I. R., & Groenwald, C. L. O. (2016). Incluindo tecnologias no currículo de matemática: planejando aulas com o recurso dos tablets. Revista Union. http://funes.uniandes.edu.co/17080/

Oliveira, E. M. G. (2018). Estudo da isometria por meio do software GeoGebra: implicações pedagógicas de um curso de formação continuada com professores do 6º ao 9º ano em uma escola da rede pública de Amarante do Maranhão/MA. [Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação, Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas, da Universidade do Vale do Taquari - UNIVATES, Lajeado, Maranhão]. https://www.univates.br/bdu/handle/10737/2190

Pimentel, L. F. G. (2016). Uma sequência didática para o ensino de transformações geométricas com o GeoGebra. [Dissertação de Mestrado Profissional em Matemática vinculado ao Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos, São Paulo]. https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8267

Pontes, D. F. N, & Lopes, S. C. (2016). Uso do Tangram como Material Lúdico em Sala de Aula. Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=USO+DO+TANGRAM+COMO+MATERIAL+L%C3%9ADICO+EM+SALA+DE+AULA&btnG=

Ribeiro, E. M. P. et al. (2012). Sequência didática: Tangram. Sombrio. https://www.even3.com.br/anais/pibidsul/21261-o-tangram-como-metodologia-de-ensino-na-construcao-de-conceitos-matematicos/

Santos, A. A. de. (2018). Investigando o ensino de geometria na educação de jovens e adultos: um estudo de caso com alunos e professores. [Dissertação de Mestrado em Matemática em Rede Nacional, Universidade Federal de Goiás, Catalão]. https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8606

Santos, S. F. dos. (2019). O uso do Tangram como proposta no ensino de frações. [ Dissertação de Mestrado em Matemática em Rede Nacional, Universidade Federal de Goiás, Jataí]. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFG_367b68b3c5c1f5be83e3a61c4ce2a81c

Silva, M. D. F et. al. (2018). Atividades Matemáticas com o GeoGebra. Amazon. https://www.amazon.com.br/kindledbs/hz/subscribe/ku?passThroughAsin=B07GK1WFL3&_encoding=UTF8&shoppingPortalEnabled=true

Silva, M. D. F. (2020). GeoGebra. https://www.geogebra.org/m/apMUMZ7M




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2021v23i1p741-768

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2021 Educação Matemática Pesquisa : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Indexadores da Revista

     
             Anti-Plágio