Níveis de desenvolvimento do pensamento algébrico de estudantes dos anos finais do ensino fundamental: o caso dos problemas de partilha
Developmental levels of algebraic thinking of students in the final years of elementary school: the case of problems of sharing

Jadilson Ramos de Almeida, Marcelo Câmara dos Santos

Resumo


Este artigo tem por objetivo identificar o nível de desenvolvimento do pensamento algébrico de alunos dos anos finais do ensino fundamental em relação aos problemas de partilha. Participaram da pesquisa 343 alunos de duas escolas da cidade do Recife. Cada estudante resolveu um teste composto por seis problemas de partilha. Os resultados indicam que a escolarização tem uma forte influência no desenvolvimento do pensamento algébrico, uma vez que no 6º ano do ensino fundamental temos 30% dos alunos no nível 0, enquanto no 9° ano temos apenas 7%. No nível incipiente do pensamento algébrico, o nível 1, o percentual passa de 50% no 6º ano para 27% no 9º ano. Além disso, temos um aumento considerável de alunos no nível de pensamento algébrico consolidado, o nível 3, passando de 6% no 6º ano para 55% no 9º ano.

This article aims to identify the level of development of algebraic thinking of students in the final years of elementary school in relation to the problems of sharing. A total of 343 students from two schools in the city of Recife participated in the study. Each student solved a test consisting of six problems of sharing. The results indicate that schooling has a strong influence on the development of algebraic thinking, since in the 6th grade of elementary school we have 30% of students in level 0, while in the 9th grade we have only 7%. At the incipient level of algebraic thinking, level 1, the percentage changes from 50% in the 6th grade to 27% in the 9th grade. In addition, we have a considerable increase in the number of students in the level of consolidated algebraic thinking, level 3, going from 6% in 6th grade to 55% in 9th grade.


Palavras-chave


Álgebra escolar; Pensamento algébrico; Problemas de partilha.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. R. Níveis de desenvolvimento do pensamento algébrico: um modelo para os problemas de partilha de quantidade. Tese de doutorado em Ensino de Ciências e Matemática – UFRPE. Recife, 2016.

ALMEIDA, J. R.; Câmara, M. Análise dos problemas propostos para o ensino de equações polinomiais do 1º grau nos livros didáticos de matemática. Boletim GEPEM, 64, 3 – 17. 2014. Disponível em < http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=gepem&page=article&op=view&path%5B%5D=dx.doi.org%2F10.4322%2Fgepem.2015.001&path%5B%5D=1568 > Acesso em: 20/05/2015.

ALMEIDA, J. R.; CÂMARA, M. Pensamento algébrico: em busca de uma definição. Revista Paranaense de educação Matemática, 6(10), 34 – 60, 2017. Disponível em: < http://www.fecilcam.br/revista/index.php/rpem/article/viewFile/1124/pdf_207 > Acesso em: 23/03/2018.

ALMEIDA, J. R.; CÂMARA, M. Desenvolvimento do Pensamento Algébrico: proposição de um modelo para os problemas de partilha. ZETETIKÉ, 26(3), 546 – 568, 2018. Disponível em: < https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650717/18882 > Acesso em: 15/02/2019.

ARAÚJO, E. A. Ensino de álgebra e formação de professores. Educação Matemática Pesquisa, 10 (2), 331 – 346. São Paulo, 2008. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/1740/1130 > Acesso em: 17/08/2013.

ARCAVI, A. El desarrollo y el uso del sentido de los símbolos. Conferência plenária no encontro de investigação em educação matemática. Caminha, Portugal, 2005. Disponível em: < http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/DA/DA-TEXTOS/Arcavi05(El%20desarrollo%20y%20el%20uso%20del%20sentido%20de%20los%20simbolos).doc > Acesso em: 23/07/2014.

BORRALHO, A.; BARBOSA, E. Padrões e o desenvolvimento do pensamento algébrico. Anais da XIII Conferência Iteramericana de Educação Matemática. (pp 1 – 12) Recife: SBEM. 2011.

DUVAL, R. Semiósis e pensamento humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

FIORENTINI, D.; FERNANDES, F. L. P.; Cristovão, E. M. Um estudo das potencialidades pedagógicas das investigações matemáticas no desenvolvimento do pensamento algébrico. Seminário Luso-Brasileiro de Investigações Matemáticas no Currículo e na Formação de Professores. Lisboa, 2005. Disponível em: < http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/seminario_lb.htm > Acesso em: 02/11/2010.

GODINO, J. D.; AKÉ, L. P.; GONZATO, M.; WILHELMI, M. R. Niveles de algebrización de la actividad matemática escolar: implicaciones para la formación de maestros. Enseñanza de las Ciencias, 32 (1), 199 - 219. Espanha, 2014. Disponível em: < http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/issue/view/21903/showToc > Acesso em: 07/05/2015.

KAPUT, J. Teaching and learning a new algebra with understanding. In E. Fennema, & T. Romberg (Eds.), Mathematics classrooms that promote understanding. (pp. 1 – 34) Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 1999.

_________. What is algebra? What is algebraic reasoning? In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades. (pp. 5 – 17) Lawrence Erlbaum Associates: New York, 2008.

KIERAN, C. The Learning and Teaching of school Algebra. In: GROWS, D. A. (ed). Handbook of Resarch on Mathematics Teaching and learning. New York: Macmillan, 1992.

LINS, R. C. A framework for understanding what algebraic thinking is. Tese de Doctor of Philosophy. School of Education, University of Nothingam: Nothingam, UK, 1992.

_________. Campos semânticos y el problema del significado em álgebra. UNO – Didáctica de las Matemáticas. 1, 1 – 7. Barcelona, 1994a.

_________. O modelo teórico dos campos semânticos: uma análise epistemológica da álgebra e do pensamento algébrico. Dynamis. 1(7), 29 – 39. Blumenau, 1994b.

MARCHAND, P.; BEDNARZ, N. L’enseignement de l’algèbre au secondaire: une analyse des problèmes présentés aux élèves. Bulletin AMQ, 39(4), 30 – 49. Québec, 1999.

OLIVEIRA, I.; CÂMARA, M. Problemas de estrutura algébrica: uma análise comparativa entre as estratégias utilizadas no Brasil e no Québec. Anais da XIII Conferência Iteramericana de Educação Matemática. Recife: SBEM, 2011.

PONTE, J. P.; VELEZ, I. Representações em tarefas algébricas no 2º ano de escolaridade. Boletim GEPEM. 59, 53 – 68, 2011. Disponível em: < http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=gepem&page=article&op=view&path%5B%5D=637&path%5B%5D=573 > Acesso em: 23/06/2014.

RADFORD, L. Algebraic thinking and the generalization of patterns: a semiotic perspective. North America Conference of the International Group of Psychology of Mathematics Education – PME. 1, 1 – 21. México, 2006.

___________. Signs, gestures, meanings: Algebraic thinking from a cultural semiotic perspective. Anais do Sixth Congress of the European Society for Research in Mathematics Education. Lyon, França, 2009. Disponível em: < http://ife.ens-lyon.fr/publications/edition-electronique/cerme6/plenary1-radford.pdf > Acesso em: 09/10/2014.

___________. Grade 2 students’ non-symbolic algebraic thinking. In J. Cai & E. Knuth, (Eds). A global dialogue from multiple perspectives. (pp. 303 – 322), Editora Springer. Berlin, 2011.

RUIZ, N.; BOSCH, M.; GASCÓN, J. La algebrización de los programas de cálculo aritmético y la introducción del álgebra en secundaria. In M. Moreno, A. Estrada, J. Carrillo & T. Sierra (Eds.), Investigación en Educación Matemática. (pp. 545-556). Lleida: SEIEM., 2010.

SANTOS JUNIOR, C. P. Estratégias utilizadas por alunos do 7º, 8º e 9º ano do ensino fundamental na resolução de problemas de partilha. Dissertação de mestrado em Educação Matemática e Tecnológica. Recife: UFPE, 2013.

SILVA, D. P.; SAVIOLI, A. M. P. D. Caracterizações do pensamento algébrico em tarefas realizadas por estudantes do Ensino Fundamental I. Revista Eletrônica de Educação. 6(1). 206-222, 2012. Disponível em: < http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/387/172 > Acesso em: 14/11/2014.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2019vol21i3p167-187

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Educação Matemática Pesquisa : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática



INDEXADORES DA REVISTA
     
             Anti-Plágio